Repositório Digital

A- A A+

Resistência à meticilina mediada pelo gene mecA nos staphylococcus spp coagulase negativa

.

Resistência à meticilina mediada pelo gene mecA nos staphylococcus spp coagulase negativa

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Resistência à meticilina mediada pelo gene mecA nos staphylococcus spp coagulase negativa
Autor Machado, Alice Beatriz Mombach Pinheiro
Orientador Barth, Afonso Luis
Data 2007
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Medicina : Ciências Médicas.
Assunto Farmacorresistência bacteriana
Meticilina
Staphylococcus
Resumo Os Staphylococcus spp coagulase negativa (SCoN) são reconhecidos como agentes etiológicos importantes de infecções humanas. A maioria dos países desenvolvidos relata um aumento de infecções nosocomiais por SCoN resistentes a meticilina e outros antibióticos. A resistência a meticilina é uma característica importante destas bactérias, porém difícil de detectar pelos métodos convencionais de suscetibilidade. Esta resistência é devido à presença de um elemento genético chamado staphylococcal cassette chromosome (SCCmec), que codifica o gene mecA. A identificação dos tipos de SCCmec é relevante para epidemiologia da resistência a meticilina dos Staphylococcus spp. Este estudo prospectivo teve como objetivo determinar a prevalência do gene mecA e a distribuição dos tipos de SCCmec nos SCoN. Também foi avaliada a eficiência do teste de disco difusão com cefoxitina e oxacilina para caracterizar a resistência a meticilina mediada pelo gene mecA. Foram analisadas um total de 181 SCoN de hemoculturas. A prevalência do gene mecA entre estes isolados foi de 71,3%. A sensibilidade dos discos de cefoxitina e oxacilina para todas as espécies de SCoN foi de 100% e 98,4%, respectivamente, enquanto que a especificidade foi de 93% e 89,3%. As espécies mais prevalentes de SCoN foram S. epidermidis (64%), seguido pelo S. hominis (10%), S. haemolyticus (8,8%) e S. capitis (7,7%). A percentagem de isolados positivos para o gene mecA foi maior para S. haemolyticus (98,3%), seguido pelo S. epidermidis (75%) e S. hominis (72,2%). Entre os 129 isolados resistentes, 36 (27.9%) foram identificados com o SCCmec tipo I, 4 (3.0%) com o SCCmec tipo II, 67 (52%) com o SCCmec tipo III, 1 (0.8%) com o SCCmec tipo IV e 4 (3.0%) com os SCCmec tipos I e III. Dezessete isolados foram não tipáveis. O SCCmec tipo III foi o mais prevalente entre os isolados de S. epidermidis (52%). Entre estas cepas, 30 (23%) apresentaram um SCCmec tipo III modificado, que amplificou uma região dcs adicional. Os SCoN meticilina resistentes (MR-SCoN) mostraram um nível de resistência aos antibióticos não -lactamicos maior quando comparados aos SCoN meticilina suscetíveis (MS-SCoN). Os isolados com o SCCmec tipo III foram mais resistentes aos antibióticos não -lactamicos do que os isolados com SCCmec tipos I, II, e IV.
Abstract Coagulase negative staphylococci (CoNS) are now recognized as important etiological agents of infections in humans. Most developed countries have reported an increase in CoNS infection in hospitalized patients, which are resistant to methicillin and other antibiotics. The methicillin resistance is an important characteristic of these bacteria. Moreover, the resistance to methicillin may not be easily detected by conventional susceptibility methods. Methicillin resistance is due to the acquisition of a large DNA element termed staphylococcal cassette chromosome mec (SCCmec), which harbored the mecA gene. The SCCmec typing is essential for understanding the molecular epidemiology of methicillin resistant Staphylococcus spp. This prospective study was aimed to determine the prevalence of mecA gene and the distribution of SCCmec types in CoNS. Also was evaluated the efficiency of the cefoxitin and oxacilin disk diffusion test to characterize the meticillin resistance mediated by the gene mecA. A total of 181 CoNS from bloodstream isolate were available for the study. The prevalence to mecA gene was 71.3%. The sensivity of oxacillin and cefoxitin disks for all CoNS species were 100% and 98.4% respectively, whereas the specificity were 93% and 89,3 %. The most prevalent SCoN species were: S. epidermidis 116 (64%) followed by S. hominis 18 (10%), S. haemolyticus 16 (8.8%) and S.capitis 14 (7.7%). The percentage of mecApositive isolates was highest for S. haemolyticus (93.8%), followed by S. epidermidis (75%) and S. hominis (72.2%). Among the 129 bloodstream isolates witch mecA gene, 36 (27.9%) harbored SCCmec type I, 4 (3.0%) harbored SCCmec type II, 67 (52%) harbored SCCmec type III, 1 (0.8%) harbored SCCmec type IV and 4 (3.0%) harbored SCCmec type I and III. Seventeen isolates were not typeable. The SCCmec type III was the most prevalent among the isolates of S. epidermidis (52%). Among these strains, 30 (23%) harbored a modified SCCmec type III, which contained, in contrast to regular type III, an additional dcs region. Methicillin resistant CoNS showed higher level of resistance to all non beta lactamics antimicrobials as compared to methicillin susceptible. The isolates with SCCmec type III were more resistant to non-beta lactamics antimicrobials than the isolates harboring SCCmec type I, II and IV.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/10085
Arquivos Descrição Formato
000594683.pdf (833.5Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.