Repositório Digital

A- A A+

Efeito do exercício físico sobre a perda muscular na artrite experimental

.

Efeito do exercício físico sobre a perda muscular na artrite experimental

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Efeito do exercício físico sobre a perda muscular na artrite experimental
Autor Silva, Jordana Miranda de Souza
Orientador Xavier, Ricardo Machado
Co-orientador Filippin, Lidiane Isabel
Data 2013
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Ciências Básicas da Saúde. Curso de Biomedicina.
Assunto Artrite reumatóide
Atrofia muscular
Exercício físico
Resumo A artrite reumatoide (AR) é uma doença autoimune inflamatória crônica que afeta as articulações sinoviais e está associada à incapacidade progressiva, complicações sistêmicas, morte precoce e elevados custos socioeconômicos. A inflamação crônica pode levar ao aumento nos níveis de degradação protéica e provocar déficits no processo de regeneração muscular resultando em pronunciada perda muscular. Estima-se que 66% dos pacientes com AR apresentem algum grau de comprometimento muscular. O exercício físico, devido ao seu efeito antiinflamatório, poderia modular o sistema imune melhorando sua função e, consequentemente, minimizar a perda muscular decorrente da inflamação crônica na AR. O objetivo deste estudo foi avaliar o efeito do exercício físico sobre cascatas de sinalização no processo de perda muscular em modelo experimental de artrite. Camundongos DBA1/J (fêmeas de 8-12 semanas de idade) com artrite induzida por colágeno (CIA) foram divididos em dois grupos: CIA não-tratado (CIA) e CIA tratado (EXE). Os animais do grupo tratado foram submetidos a exercício físico aeróbico moderado, em esteira, 30 minutos por dia, 5 dias por semana durante quatro semanas. O escore clínico de artrite foi avaliado diariamente. A locomoção exploratória espontânea e o peso foram avaliados semanalmente. Após eutanásia, os músculos tibial anterior e gastrocnêmio foram dissecados e utilizados para histologia e análise da expressão protéica por western blot, respectivamente. Utilizou-se de teste t de amostras independentes e foi considerado significancia estatística para um valor p<0,05. Os parâmetros clínicos (escore clínico, edema da pata e peso do animal) e o peso dos músculos não apresentaram diferença significativa entre os grupos. Não foi observada diferença na distância percorrida no teste de locomoção espontânea, bem como na área da miofibra do músculo entre os grupos experimentais. A expressão de MuRF-1 (proteína associada a degradação muscular), Pax-7 (marcador de proliferação de células satélite), miogenina (marcador de diferenciação de células satélite) não apresentou diferença significativa entre os grupos. Assim, apesar de programas de exercícios representarem um bom método para reversão da perda protéica presente na AR, seu efeito positivo não foi observado neste estudo. Vale ressaltar que neste programa de exercícios foram utilizados animais fêmeas onde as influências hormonais devem ser consideradas devido à importante função da testosterona na formação de massa muscular. Este programa de exercício também apresentou algumas limitações, tais como: a velocidade de corrida fixa e o tempo reduzido de corrida.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/102529
Arquivos Descrição Formato
000934099.pdf (524.0Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.