Repositório Digital

A- A A+

Análise comportamental da associação de exposição pré-natal à lipopolissacarídeo e asfixia intrauterina

.

Análise comportamental da associação de exposição pré-natal à lipopolissacarídeo e asfixia intrauterina

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Análise comportamental da associação de exposição pré-natal à lipopolissacarídeo e asfixia intrauterina
Autor Segabinazi, Ethiane
Orientador Marcuzzo, Simone
Data 2013
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Ciências Básicas da Saúde. Curso de Biomedicina.
Assunto Asfixia
Inflamação
Lipopolissacarídeos
Paralisia cerebral
Resumo A exposição do encéfalo em desenvolvimento a insultos como infecções maternas e asfixia perinatal pode provocar lesões neurológicas permanentes que constituem o substrato da Paralisia Cerebral (PC). Visto que determinadas alterações funcionais comumente observadas em pacientes com PC são pouco mimetizadas nos modelos experimentais desta patologia em ratos, o objetivo desse estudo foi analisar se a combinação da inflamação pré-natal por lipopolissacarídeo (LPS) e asfixia intrauterina reproduz, em ratos, as alterações funcionais encontradas em pacientes com PC. Todos os procedimentos desse estudo foram aprovados pelo Comitê de Ética da UFRGS (no. 18450). O LPS ou salina foram administrados via i.p. em ratas prenhes entre o 17º e o 21º dia gestacional e no 22º, foi realizada a asfixia intrauterina, através de uma cesariana, obtendo-se neonatos asfixiados e controles. Os animais foram divididos nos seguintes grupos experimentais: Controle, Asfixia, LPS e LPS-Asfixia. Os filhotes foram pesados diariamente entre o 1º e 14º dia pós-natal (P1 ao P14) e no P30. O desenvolvimento motor foi avaliado pela bateria de testes dos marcos do desenvolvimento entre o P3 e P14. Aos 29 dias, os animais foram submetidos às avaliações no rotarod, suspensão na barra e teste de objeto reposicionado para analisar respectivamente, equilíbrio e coordenação, força muscular e memória espacial. Os resultados mostraram que a inflamação gestacional, combinada ou não à asfixia, diminuiu o peso corporal dos filhotes a ela submetidos, bem como atrasou o desenvolvimento da resposta de sobressalto e colocação do membro posterior e acelerou a preensão palmar. Não foi detectado déficit em nenhum dos grupos experimentais nos testes de rotarod, suspensão na barra e teste de objeto reposicionado. Logo, o modelo experimental testado nesse estudo causa alterações sutis do desenvolvimento, mas não provoca disfunções motoras severas como as observadas no âmbito clínico, nem causa danos cognitivos característicos de humanos expostos a esses insultos no período gestacional.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/102608
Arquivos Descrição Formato
000934281.pdf (742.8Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.