Repositório Digital

A- A A+

Desenvolvimento de um biossensor para detecção de glicose

.

Desenvolvimento de um biossensor para detecção de glicose

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Desenvolvimento de um biossensor para detecção de glicose
Autor Ávila, Vinícius da Costa
Orientador Cardozo, Nilo Sérgio Medeiros
Co-orientador Dalmoro, Viviane
Data 2014
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Engenharia. Curso de Engenharia Química.
Assunto Engenharia química
Resumo Áreas médicas, farmacêuticas e alimentares têm investido cada vez mais no desenvolvimento de sensores para detecção de glicose, visando distintas aplicações como medição de glicose no sangue humano e monitoramento de cultivos celulares. No desenvolvimento destes sensores, o método de detecção mais empregado e que possui inúmeras vantagens é através do uso da enzima glicose oxidase, que reage especificamente com a glicose. O polipirrol é uma ótima escolha para matriz polimérica onde a enzima pode ser imobilizada por encapsulamento durante a eletropolimerização, técnica simples e de fácil controle. Neste trabalho, foi desenvolvido um biossensor eletroquímico para detecção de glicose a partir da enzima glicose oxidase que, ao reagir com a glicose, gera peróxido de hidrogênio que é oxidado na superfície de um eletrodo de platina. O eletrodo de platina foi modificado com a enzima e o polipirrol por eletropolimerização. Verificou-se que eletrodos de carbono vítreo não possuem superfície catalítica para oxidar/detectar o peróxido de hidrogênio e que a presença de filme polimérico sobre o eletrodo de platina desloca a região de potencial ótima para detecção do peróxido de hidrogênio (a partir de 700 mV) quando comparado com o eletrodo de platina não modificado (a partir de 350 mV). A região de potencial de eletropolimerização do pirrol ocorre a partir de 650 mV. A detecção de glicose só foi possível com um pré-tratamento adequado do eletrodo e com a sobre-oxidação do filme de polipirrol. Observou-se que diversos resultados obtidos se devem à pequena espessura do filme polimérico que permite a detecção das espécies sem impor barreira difusiva significativa. Foram realizadas análises de imagens MEV, testes de difusão de peróxido e testes de difusão de glicose. Além disso, a análise cinética por Michaelis-Menten permitiu obter os parâmetros Km e Imáx (13,65 mM e 0,70 μA, respectivamente). As análises dos espectros de infra-vermelho, apesar de não permitirem inferir a presença de enzima no filme de polipirrol, serviram para caracterizar os compostos através da verificação da presença dos grupos funcionais. Durante a detecção de glicose, obteve-se desvio padrão baixo entre as medições (2,9 %) e um tempo de resposta máximo de 80 segundos. Obteve-se um biossensor estável (92 % de atividade após 12 dias) e reprodutível (desvio padrão de 4,95 %) através do uso de uma metodologia simples onde polimerização e imobilização enzimática ocorrem em uma única etapa. Os intervalos lineares de detecção foram de 0 a 3 mM (R2 = 0,996) e de 0 a 7 mM (R2 = 0,982). A sensibilidade do sensor foi calculada para os dois intervalos: 0,490 e 0,384 μA.mM-1.cm-2; o mesmo foi feito para o limite de detecção: 0,23 e 0,29 mM.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/103799
Arquivos Descrição Formato
000932358.pdf (1.257Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.