Repositório Digital

A- A A+

Avaliação postural por biofotogrametria em esquizofrênicos e marcadores de resposta inflamatória

.

Avaliação postural por biofotogrametria em esquizofrênicos e marcadores de resposta inflamatória

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Avaliação postural por biofotogrametria em esquizofrênicos e marcadores de resposta inflamatória
Autor Cristiano, Viviane Batista
Orientador Belmonte-de-Abreu, Paulo Silva
Data 2014
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas: Psiquiatria.
Assunto Esquizofrenia
Fator de von Willebrand
Postura
Proteina C-reativa
Resumo Introdução: A esquizofrenia é um transtorno mental grave, que com frequência leva a uma deterioração progressiva, que mais recentemente tem sido descrita como uma doença sistêmica, com alterações progressivas cerebrais e corporais, e em parte por causa disto, associada a menor expectativa de vida, em média 20 anos menos que a população geral não afetada. Apesar de não terem especificidade, já foram determinados diferentes marcadores inflamatórios e oxidativos envolvidos; em contrapartida, pouco tem sido descrito sobre marcadores sistêmicos da esquizofrenia. A experiência clínica mostra que os pacientes crônicos vão ficando com pele, musculatura, e postura diferente dos não doentes, porém não há registro de estudo buscando estudar a postura, apesar de sabermos que a mesma depende da interação de inúmeros sistemas, incluindo o estado inflamatório do sujeito. Objetivo: Definir padrões de postura dentro de parâmetros básicos (postura cifolordótica - PCL, postura relaxada ou desleixada - PRD, postura escoliótica - PE) em pacientes esquizofrênicos e correlacionar com fase de doença (inicial-tardia) e com marcadores de resposta inflamatória imediata (proteína C reativa - PCR) e tardia (fator de von Willenbrand - FvW). Método: Estudo transversal, por amostra de conveniência, aprovado pelo comitê de ética do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (número 110083 HCPA). Foram recrutados 40 indivíduos com diagnóstico CID-10 e DSMIVTR de esquizofrenia, forma estabilizada, em tratamento ambulatorial no HCPA. Os pacientes foram subdivididos em 2 subgrupos, de acordo com o estágio da doença (estágio inicial n=15 menos de 10 anos do 1° surto, estágio tardio n=25 10 anos ou mais do 1° surto). O grupo controle (n=26) foi recrutado através de uma rede social (Facebook®). Todos os indivíduos foram submetidos à biofotogrametria pelo método SAPO® para avaliar a postura. O nível de significância adotado foi de 5% para todas as variáveis e as análises foram realizadas no programa Statistical Package for the Social Sciences (SPSS, versão 18.0). Resultados: Não houve perdas; em relação à postura o grupo estágio inicial apresentou 15 ângulos com diferenças significativas quando comparado aos valores de referência, enquanto no grupo estágio tardio apenas 7 ângulos foram significativos; já na comparação com o grupo controle, apenas 6 ângulos foram significativos num total de 19. Os marcadores inflamatórios (PCR e FvW) não foram significativos em comparação aos estágios inicial e tardio da doença, porém a PCR apresentou correlação com a gravidade da doença e o FvW com um ângulo postural da protusão da cabeça. A variável dor também apresentou correlação com 5 ângulos posturais, 2 da coluna e 3 dos membros inferiores; além disso o grupo estágio tardio teve maior prevalência de dor quando comparado ao estagio inicial. Conclusões: Existe um padrão postural comum na esquizofrenia caracterizado principalmente por protusão da cabeça, hiperlordose e escoliose, sendo que no início da doença é mais agravante e no estágio mais tardio se estabiliza. Isto pode ser explicado por dois fenômenos: aumento de peso e o enfraquecimento muscular. Adicionalmente, temos a influência da dor e dos fatores inflamatórios, onde a PCR se associou à gravidade da doença, mas não à postura; já o FvW e a dor se associaram aos ângulos posturais, demonstrando suas influências nessa doença. Isto sugere que existe uma maior atividade patológica no início da doença, não só no cérebro, mas também no organismo, incluindo músculos e tecido adiposo. A hiperlordose parece estar mais associada à obesidade e tecido adiposo, enquanto que a extensão da cabeça e escoliose mais a alterações de musculatura. Todos estes achados juntos, se confirmados em amostras maiores e mais heterogêneas, irão nos auxiliar em futuras condutas no tratamento destas alterações posturais características deste transtorno (hiperlordose lombar, anteriorização da cabeça, diminuição da cifose torácica), além de estimular busca de novos meios de intervenções com o enfoque nos diferentes estágios da doença.
Abstract Introduction: Schizophrenia is a severe mental disorder that leads to progressive deterioration that more recently has been described as a systemic disease with progressive changes in the brain and body, and partly because of this, associated with lower life expectancy, in average 20 years less than the not affected general population. Although not specific, it has already been determined different inflammatory and oxidative markers involved, however little has been described about systemic markers of schizophrenia. Clinical experience shows that chronic patients are presenting skin, muscles, and posture different from the non patients, but there are no records of studies seeking to study the posture, even though we know that it depends on the interaction of many systems, including the inflammatory state of the subject. Objective: To define patterns of posture within basic parameters (PCL, PRD, PE) in schizophrenic patients and correlate with illness stage and with inflammatory markers of immediate (CRP) and delayed (vWF) response. Method: Cross-sectional study of a convenience sample approved by the ethics committee of the Hospital de Clinicas de Porto Alegre (HCPA). Forty patients with stabilized schizophrenia were recruited in the clinic treatment of HCPA, and analyzed according to 2 subgroups of the stage of the illness (early stage n = 15 less than 10 years from the 1st outbreak, late stage n = 25 10 years or more from the 1st outbreak). The control group (n = 26) were recruited through a social network (Facebook ®). All subjects underwent photogrammetry by SAPO ® method to evaluate posture. The level of significance was set at 5% for all variables and the analyzes were performed using the Statistical Package for the Social Sciences (SPSS, version 18.0). Results: there was no loss, in relation to posture the initial stage group showed 15 angles with significant differences when compared with the reference values, while the late stage group only 7 angles were significant, as compared with the control group only 6angles were significant in a total of 19, the inflammatory markers (CRP and vWF) were not significant in comparison to the initial and late stages of the disease, but the CRP showed correlation with disease severity and the vWF with a postural angle of the protrusion of the head. The pain variable also showed correlation with 5 postural angles, 2 of the column and 3 of the lower limbs, besides the late stage group had a higher prevalence of pain when compared to the early stage. Conclusions: There is a common postural pattern in schizophrenia characterized primarily by protrusion of the head, hyperlordosis and scoliosis, and that early in the illness is more aggravating and in the later stage it stabilizes. And it can be explained by two phenomena: weight gain and muscle weakness. Additionally, we have the influence of pain and inflammatory factors, where the CRP was associated with disease severity but not the posture, but the vWF and the pain were associated with postural angles demonstrating their influences in this disease. This suggests that there is increased pathological activity in the onset of the disease, not only in the brain but also in the body including muscles and adipose tissue. The hyperlordosis appears to be most strongly associated with obesity and adipose tissue, whereas the length of the head and scoliosis more to changes in muscles. All together these findings, if confirmed in larger and more heterogeneous samples will help us in future conduct in treating these postural changes characteristic of this disorder (lumbar hyperlordosis, forward head posture, decreased thoracic kyphosis), besides stimulating the search for new means of interventions with the focus on different stages of the disease.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/104079
Arquivos Descrição Formato
000939554.pdf (1.357Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.