Repositório Digital

A- A A+

Percepção de plosivas surdas do inglês sob múltiplas manipulações de Voice Onset Time (VOT) em tarefa de idntificação por brasileiros e americanos

.

Percepção de plosivas surdas do inglês sob múltiplas manipulações de Voice Onset Time (VOT) em tarefa de idntificação por brasileiros e americanos

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Percepção de plosivas surdas do inglês sob múltiplas manipulações de Voice Onset Time (VOT) em tarefa de idntificação por brasileiros e americanos
Autor Motta, Camila Saviczki
Orientador Alves, Ubiratã Kickhöfel
Data 2014
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Letras. Curso de Letras: Português e Inglês: Licenciatura.
Assunto Aquisição da linguagem
Aquisição fonológica do inglês
Voice Onset Time
[en] Phonetic-phonological acquisition
[en] Sound perception in L2
[en] VOT manipulation
Resumo Este trabalho tem como principal objetivo verificar e analisar de que forma brasileiros aprendizes de inglês (L2) e americanos identificam o vozeamento das consoantes plosivas iniciais da língua inglesa em palavras monossilábicas; nesta língua, para a diferenciação de vozeamento, tem-se como principal pista acústica a aspiração, que pode ser medida a partir dos valores de Voice Onset Time (VOT). O VOT é medido em milissegundos e pode ser classificado em 3 diferentes padrões: VOT NEGATIVO, característico de /b/, /d/ e /g/ em português; VOT ZERO, encontrado, concomitantemente, em /p/, /t/ e /k/ no português e em /b/, /d/ e /g/ no inglês e, finalmente, o VOT POSITIVO, encontrado em [ph], [th] e [kh] no inglês. Estudos anteriores (SCHWARTZHAUPT, ALVES & FONTES, 2013; ALVES & MOTTA, 2013) demonstraram que a manipulação do intervalo de VOT de valor positivo, a fim de que parecesse com um VOT de valor zero, pode resultar em diferentes índices de identificação e discriminação, dependendo da natureza do participante: brasileiros aprendizes de inglês como língua adicional tendem a não diferenciar os segmentos com VOT positivo daqueles que receberam manipulação acústica, o que sugere que a pista acústica VOT provavelmente não se mostre primordial ou prioritariamente distintiva para brasileiros. Participantes americanos, por outro lado, tendem a identificar as consoantes manipuladas de acordo com os padrões previstos para a língua inglesa. Essa identificação, contudo, não é categórica. Assim sendo, o instrumento desse estudo foi baseado na manipulação múltipla dos valores de VOT positivo num contínuo temporal, para que houvesse 5 diferentes padrões de duração de VOT manipulado, com corte de aspiração gradual e proporcional à produção original, a fim de que se verificasse a possível existência de um limiar fonético que influenciasse ou demarcasse uma porcentagem mínima de aspiração necessária para que os americanos e brasileiros identificassem uma determinada consoante como sendo surda ou sonora. O instrumento de coleta consiste em uma tarefa de identificação. Este teste de identificação foi composto por 60 estímulos-alvo (6 types, subdivididos em 5 estímulos diferentes entre si, oriundos de um estímulo original em comum = 30 − 2 para cada ponto de articulação − repetidos em duas rodadas = 60) mais 12 estímulos com consoantes sonoras, sendo 4 por ponto de articulação, totalizando 72 tokens por participante. Os resultados indicam que a manipulação múltipla das consoantes plosivas surdas se mostra capaz de confundir os participantes, principalmente os americanos. Foram encontrados, também, indícios de que, além da pista acústica Voice Onset Time, outras pistas podem atuar em conjunto com o VOT no momento da identificação das consoantes, tanto por parte dos participantes americanos quanto pelos brasileiros. O trabalho teve como meta evidenciar os limiares fonéticos, referentes à fronteira entre „surdo‟ e „sonoro‟, para brasileiros e americanos. Espera-se que este estudo tenha apresentado evidências adicionais a respeito do caráter fundamental desta pista para tais falantes nativos, bem como confirmar o caráter não-primordial ou suficiente desta pista entre brasileiros.
Abstract The objective of this study is to verify and analyze how Brazilian learners of English (L2) and Americans identify voicing patterns in stop consonants in English monosyllabic words, taking aspiration as main acoustical cue, which can be measured by Voice Onset Time (VOT) values. The VOT is measured in milliseconds and can be classified within three different patterns: NEGATIVE VOT, which is characterized by pre-voicing produced before voiced consonants in Brazilian Portuguese /b/, /d/, /g/ (which can also be found sometimes in the English language); ZERO VOT (which is characterized by low values of aspiration, found in voiceless plosives in Brazilian Portuguese /p/, /t/, /k/, and, at the same time, in the voicing consonants of English /b/, /d/, /g/. Finally, POSITVE VOT, which is characteristic of voiceless stops in English [ph], [th] and [kh]. Some previous studies (SCHWARTZHAUPT, ALVES & FONTES, 2013; ALVES & MOTTA, 2013) showed that manipulation in positive VOT consonants, in order to sound similar to zero VOT, may result in different consonant perceptions, depending on the group of participants: Brazilian learners of English as additional language tend not to discriminate the difference between the natural positive VOT and the manipulated VOT. This situation probably happens because VOT does not seem to be an important and distinctive acoustical cue for Brazilians. American participants, on the other hand, tend to identify the manipulated consonants according to the patterns that are normally presented for the English language. Based on this, the task developed for this study was based on multiple manipulation of VOT values in a continuum, in order to get 5 different manipulated slices of a positive VOT, which was gradually and proportionally manipulated according to its original VOT production, in order to investigate if there is a phonetic-phonological treshold which could influence and determine a minimal portion of VOT value necessary to consider a consonant as being voiced or voiceless by Americans and Brazilians. The type of test used in this study was an identification task. This task is composed by 60 stimuli (6 types, subdivided in 5 different categories, which came from the same original stimulus = 30. There are 2 stimuli for each place of articulation, repeated twice during the task = 60). In addition, there are 12 stimuli with voiced consonants, resulting in a task with 72 tokens per participant. The results indicate that multiple manipulations of voiceless stop consonants seem to confuse the participants, especially the Americans. There is also evidence that, in addition to VOT, other cues may act in conjunction with this cue, when both American and Brazilian participants identify stop consonants in English. This study aimed to highlight the phonetic-phonological thresholds between 'voiceless' and 'voiced' stops. The results obtained not only provide additional evidence on the fundamental role of this cue for native speakers of English, but also confirm the non-essential nature of this cue in the voice distinctions by Brazilians.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/105268
Arquivos Descrição Formato
000941287.pdf (2.047Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.