Repositório Digital

A- A A+

Distribuição dos recursos humanos de saúde bucal da atenção básica no Rio Grande do Sul, 2013

.

Distribuição dos recursos humanos de saúde bucal da atenção básica no Rio Grande do Sul, 2013

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Distribuição dos recursos humanos de saúde bucal da atenção básica no Rio Grande do Sul, 2013
Autor Molin, Esiele
Orientador Bordin, Ronaldo
Data 2014
Nível Especialização
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Curso de Especialização em Saúde Pública.
Assunto Atenção primária à saúde
Políticas, planejamento e administração em saúde
Políticas públicas
Recursos humanos
Saúde bucal
Resumo Introdução: Em 2004, com a criação da Política Nacional de Saúde Bucal, o Programa Brasil Sorridente surge como uma alternativa para a melhoria da atenção à saúde de todos os brasileiros. Tal política sugere a incorporação de pessoal auxiliar (técnicos e auxiliares), permitindo a elevação da qualidade, da produtividade e do rendimento dos serviços prestados pelo cirurgião-dentista. Objetivo: descrever a distribuição dos recursos humanos de Saúde Bucal da Atenção Básica no Estado do Rio Grande do Sul, em dezembro de 2013. Métodos: emprego de dados secundários provenientes do Sistema de Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde – CNES, envolvendo registros no tocante a 489 municípios, 3.634 trabalhadores cadastrados nas diferentes categorias profissionais nos 4462 estabelecimentos incluídos no estudo. Resultados: 75,4% dos estabelecimentos está cadastrado como Centro de Saúde/ Unidade Básica; Em 19% dos municípios não possuíam pessoal auxiliar cadastrado; 4% dos profissionais da Estratégia Saúde da Família trabalhavam com carga horária inferior a 40 horas semanais; 27% dos profissionais estavam cadastrados sob vínculos precários de trabalho. Quanto à relação cirurgião-dentista por habitante, 93,3% dos municípios apresentaram uma relação adequada. Verificou-se que a maior parte dos profissionais estão concentrados na Região Metropolitana: 31% dos cirurgiões-dentistas, 27,9% dos auxiliares e 90,3% dos técnicos. Conclusões: o Rio Grande do Sul apresenta uma relação cirurgião-dentista adequada na maioria dos municípios, embora a distribuição dos profissionais não seja homogênea entre as regiões.
Tipo Trabalho de conclusão de especialização
URI http://hdl.handle.net/10183/106852
Arquivos Descrição Formato
000944466.pdf (765.3Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.