Repositório Digital

A- A A+

Avaliação da eficácia do ácido peracético como desinfetante de resinas acrílicas

.

Avaliação da eficácia do ácido peracético como desinfetante de resinas acrílicas

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Avaliação da eficácia do ácido peracético como desinfetante de resinas acrílicas
Autor Chassot, Ana Lucia Campani
Orientador Samuel, Susana Maria Werner
Data 2001
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Odontologia. Curso de Pós-Graduação em Odontologia - Clínica Odontológica (Materiais Dentários).
Assunto Materiais odontologicos : Avaliacao
Resinas acrílicas : Desinfecção
Resumo Para prevenir a transmissão de doenças entre pacientes e profissionais, é necessária a adoção de medidas de controle de infecção cruzada. Uma dessas medidas é a desinfecção de aparatos de resina adliça. O glutaraldeído e o hipocloito de sbdio tem sido recomendados para a desinfecção deste material, entretanto estes desinfetantes ngo são ideais para tal fim. O ácido peracetico, utilizado na Medicina para desinfeção de materiais termossensiveis, é um desinfetante eficaz e não deixa residuos tóxicos e pode ser uma alternativa. Sendo assim o objetivo deste trabalho foi avaliar a eficácia antimicrobiolbgica do ácido peracético na desinfecção de resinas acrlíicas. Foram testadas as resinas acrílicas termicamente ativada, quimicamente ativada e polimerizada em forno de microondas. As resinas foram contaminadas através do uso intraosal durante sete noites e também através do contato com microrganismos conhecidos: Bacillus subtilis e Bacillus tearothemrophilus. Os corpos de prova de resina amílica comaminada foram imersos em ácido peracético 0,2% (Sterilie®/Lifemed, São Paulo, SP) durante 5 minutos e então colocados no meio de cultura BHI (Brain Hemt lnfiszon) Após o período de incubação, a observação do crescimento bacteriano foi feita através da análise da turvação do meio de cultura. Cem por cento dos corpos de prova contaminados e colocados diretamente no meio de cultura (grupo controle) provocaram turvação do meio de cultura enquanto que nenhum dos demais corpos de prova de resina aciílica termicamente ativada, de resina acriiica quimicamente ativada e de resina acrilica polimerizada em microondas turvaram o meio, após imessão em ácido peracético por 5 minutos, comprovando a eficácia do mesmo. Concluiu-se que a imersão em ácido peracético durante 5 minutos e eficaz na desinfecção de resinas acrilicas contaminadas com Bacillus subtilis, ou com Bacillus tearothermophílzcs ou com saliva humana. Para que se estabeleça um protocolo de desinfecção de resinas acrilicas, são necessários trabalhos que provem a inércia do ácido peracético sobte as propriedades fisicas e químicas das resinas.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/10687
Arquivos Descrição Formato
000301140.pdf (11.04Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.