Repositório Digital

A- A A+

Heterogeneidade da depressão e sua relação com personalidade

.

Heterogeneidade da depressão e sua relação com personalidade

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Heterogeneidade da depressão e sua relação com personalidade
Autor Spanemberg, Lucas
Orientador Fleck, Marcelo Pio de Almeida
Data 2014
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas: Psiquiatria.
Assunto Depressão
Personalidade
[en] Assessment instrument
[en] Biological markers
[en] Depression
[en] Personality
[en] Validation
Resumo A depressão é um transtorno psiquiátrico altamente prevalente e oneroso, sendo uma das principais causas mundiais de morbimortalidade. Contudo, seu status nosológico é tema de profundas controvérsias, uma vez que apresenta uma definição pouco precisa, gerando uma enorme heterogeneidade clínica. Esta tese é composta por quatro artigos, e visa estudar a heterogeneidade da depressão investigando suas interações com o construto de personalidade e com marcadores biológicos. Os dois primeiros artigos visam viabilizar o uso de um instrumento de avaliação de estilos de personalidade, o Temperament and Personality Questionnaire (T&P). O primeiro artigo descreve o processo de tradução e adaptação transcultural do T&P para o português brasileiro, utilizando uma metodologia estandardizada. O segundo artigo examina as propriedades psicométricas do T&P em uma amostra de pacientes deprimidos. Nesse artigo, análises fatoriais confirmatórias foram realizadas para testar os sete níveis do instrumento, sendo encontrados índices de ajuste adequados para modelos com dois até quatro fatores, com alta consistência interna para todos os níveis. Foram encontradas as associações esperadas entre os estilos de personalidade e dois validadores externos, com estilos de personalidade resilientes apresentando menor qualidade de vida e maiores níveis de depressão, enquanto estilos de personalidade desordenados apresentaram o inverso. Além disso, a performance dos itens foi explorada utilizando a Teoria de Resposta ao Item, com a maioria dos itens apresentando melhor padrão de respostas dicotômico. Por fim, correlações altas entre os estilos de personalidade de níveis de baixa ordem com seus correspondentes construtos molares, confirmaram a organização hierárquica do instrumento. O terceiro artigo estudou a heterogeneidade da depressão em relação a personalidade. Nele, foi avaliada a associação entre dimensões depressivas (definidas por análise fatorial exploratória) e quatro classes de personalidade (criadas a partir de uma análise de classes latentes) em uma amostra de pacientes deprimidos. As classes de personalidade foram denominadas resilientes e desordenadas de acordo com seu nível de funcionamento e qualidade de vida. A classes desordenadas apresentaram maiores escores de sintomatologia depressiva, principalmente na dimensão cognitiva, com maior comorbidade com transtornos ansiosos. As dimensões depressivas melancólicas foram pouco ou nada discriminativas em relação às classes de personalidade, reforçando sua maior relevância para as depressões não-melancólicas. O quarto artigo analisou subgrupos depressivos classificados por um instrumento de avaliação de alterações da psicomotricidade (o CORE). Os grupos melancólico e não-melancólico foram comparados em relação a três dimensões de marcadores biológicos (estresse oxidativo, neurotrofina e marcadores imunológicos). Os resultados replicaram e estenderam achados sobre diferenças biológicas de subtipos depressivos, mostrando a importância da avaliação dos sinais de melancolia. Assim, essa tese contribui no estudo da heterogeneidade da depressão viabilizando o uso de um instrumento de avaliação da personalidade e estendendo achados que podem possibilitar que subtipos depressivos possam ser avaliados em relação a estilos de personalidade e marcadores biológicos.
Abstract Depression is a highly prevalent and burdensome psychiatric disorder, and one of the main causes of morbidity and mortality. However, its nosological status remains the subject of deep controversies, since it presents an imprecise definition, generating an enormous clinical heterogeneity. This thesis comprises four papers, and aims to study the heterogeneity of depression investigating its interactions with the construct of personality and with biologic markers. The first two papers aim to enable the use of an instrument for assessing personality styles, the Temperament and Personality Questionnaire (T&P). The first paper describes the process of translation and cross-cultural adaptation of the T&P into Brazilian Portuguese using standardized methodology. The second paper examines the psychometric properties of the T&P in a sample of depressed patients. In this paper, confirmatory factor analyzes were conducted in order to test the seven tiers of the instrument, with proper goodness fit for models from two to four factors, and high internal consistency for all levels. The expected associations between personality styles and two external validators (quality of life and depression) were found, with resilient personality styles presenting lower quality of life and higher levels of depression, while disordered personality styles showed the reverse. Moreover, the performance of the items was explored using the Item Response Theory, and most items showed a better dichotomous response pattern. Finally, high correlations between lower-order personality styles and their corresponding molar personality constructs were found, confirming the hierarchical organization of the instrument. The third paper studied the heterogeneity of depression in relation to personality. In it, the association between depressive dimensions (defined by exploratory factor analysis) and four personality classes (created by latent class analysis) was evaluated in a sample of depressed patients. Classes were named resilient and disordered according to their level of functioning and quality of life. The disordered classes had higher scores of depressive symptoms, especially in the cognitive dimension, and higher comorbidity with anxiety disorders. The melancholic depressive dimensions were little or no discriminative with respect to the personality classes, reinforcing its greater relevance to non-melancholic depression. The fourth paper examined depressive subgroups classified by an assessment instrument of psychomotor changes (the CORE). The melancholic and non-melancholic groups were compared with respect to three dimensions of biomarkers (oxidative stress, neurotrophin and immunological markers). Results replicated and have extended findings on biological differences in depressive subtypes, showing the importance of evaluating signs of melancholia. Thus, this thesis contributes to the study of depression heterogeneity enabling the use of an instrument for assessing personality and extending findings that may allow that depressive subtypes can be assessed in relation to personality styles and biological markers.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/108320
Arquivos Descrição Formato
000944954.pdf (2.778Mb) Texto parcial Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.