Repositório Digital

A- A A+

Microbiological evaluation of peracetic acid for disinfection of acrylic resins

.

Microbiological evaluation of peracetic acid for disinfection of acrylic resins

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Microbiological evaluation of peracetic acid for disinfection of acrylic resins
Outro título Avaliação microbiológica de ácido peracético na desinfecção de resinas acrílicas
Autor Stopiglia, Cheila Denise Ottonelli
Carissimi, Mariana
Scroferneker, Maria Lucia
Fortes, Carmen Beatriz Borges
Abstract Purpose: The aim of this study was to assess the efficacy of peracetic acid (PAA) for the disinfection of dental acrylic resins experimentally contaminated with Candida albicans, Escherichia coli, Staphylococcus aureus and Pseudomonas aeruginosa. Methods: Fifteen materials were used for each type of resin (thermosetting, self-curing and microwave-curing). Each material was placed in a test tube containing culture medium with a suspension of each microorganism and then incubated. The materials were rinsed and transferred to other tubes containing 50 mL of water for 5 min, 0.2% peracetic acid for 5 min or glutaraldehyde for 30 min. The materials were placed in the culture agar and incubated. Microbial growth was determined by colony counting after plating. Results: Candida albicans growth was inhibited by peracetic acid and glutaraldehyde treatments. The number of colonies on resins treated with saline was greater than 105 CFU/mL. In resins infected with E. coli, S. aureus and P. aeruginosa the colony growth was not inhibited by saline and peracetic acid, but it was totally inhibited by glutaraldehyde. Conclusion: Surface disinfection using peracetic acid effectively inhibited C. albicans growth on all acrylic resins.
Resumo Objetivo: O objetivo deste estudo foi avaliar a eficácia do ácido peracético (PAA) na desinfecção de resinas acrílicas dentais experimentalmente contaminadas com Candida albicans, Escherichia coli, Staphylococcus aureus e Pseudomonas aeruginosa. Metodologia: Quinze corpos de prova (CP) foram utilizados para cada tipo de resina (termopolimerizáveis, autopolimerizáveis e ativados por energia de micro-ondas). Cada CP foi colocado em um tubo teste com meio de cultura contendo uma suspensão de cada microrganismo e incubado. Posteriormente, os CP foram lavados e transferidos para outros tubos contendo 50 mL de água por 5 minutos, em 0,2% de ácido peracético por 5 min ou em glutaraldeído por 30 minutos, plaqueados em ágar de cultura e incubados. O crescimento microbiano foi determinado por contagem de colônias após o plaqueamento. Resultado: O crescimento de Candida albicans foi inibido nos tratamentos com ácido peracético e glutaraldeído. O número de colônias nas resinas tratadas com solução salina foi superior a 105 UFC/mL. Nas resinas infectadas com E. coli, S. aureus e P. aeruginosa, o crescimento das colônias não foi inibido nas resinas tratadas com salina e ácido peracético, mas foi totalmente inibida pelo glutaraldeído. Conclusão: A desinfecção com ácido peracético inibiu efetivamente o crescimento de C. albicans em todas as resinas acrílicas.
Contido em Revista odonto ciência. Porto Alegre. Vol. 26, no. 3, (July/Sept. 2011), p 238-241
Assunto Materiais odontologicos : Avaliacao
Resinas acrílicas : Desinfecção
[en] Acrylic resins
[en] Candida albicans
[en] Peracetic acid
Origem Nacional
Tipo Artigo de periódico
URI http://hdl.handle.net/10183/108553
Arquivos Descrição Formato
000816582.pdf (281.9Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.