Repositório Digital

A- A A+

Longe demais das capitais: distâncias e desigualdades

.

Longe demais das capitais: distâncias e desigualdades

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Longe demais das capitais: distâncias e desigualdades
Autor Quartiero, Eliana Teresinha
Orientador Nardi, Henrique Caetano
Data 2014
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Psicologia. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional.
Assunto Diversidade sexual
Educação continuada
Professores
Relações raciais
Sexualidade
Teoria queer
[en] Continuing teacher training.
[en] Decolonial pedagogy
[en] Distance education
[en] Gender relations
[en] Public policies
[en] Queer pedagogy
[en] Sexualities
[en] Social psychology
Resumo Nesta pesquisa realizamos um exercício de problematização acerca das verdades que demarcam processos de diferença/desigualdade presentes na implantação de uma formação de professoras/es nas temáticas de gênero, sexualidade, orientação sexual e relações étnico-raciais. Tomamos o trabalho de problematização como a tarefa de levantar as questões colocadas no campo e, também, as soluções que estão sendo propostas, considerando que, tanto as perguntas quanto as respostas, são elaboradas dentro de uma rede de poder/saber que determina as respostas possíveis. Com esta abordagem buscamos contribuir com o debate sobre a necessária transformação do cotidiano escolar, que se apresenta como discriminatório e pouco permeável às diferenças. Propomos discutir como o funcionamento de verdades acerca da diferenciação do humano normatiza e conforma o fazer pedagógico e vai se apresentar como desafio quando buscamos ensinar de outras formas ou ensinar valores alinhados aos direitos humanos. Utilizamos como campo de pesquisa a implantação do curso Gênero e Diversidade na Escola, oferecido pelo Ministério da Educação (MEC) como formação continuada para professoras/es da rede pública de ensino, que tem como objetivo modificar preconceitos, condições desiguais, divulgar uma concepção de direitos humanos. Exploramos as naturalizações de verdades que, neste processo, constroem as subjetividades e identidades, através de demarcação de diferenças que servem de base para desigualdades. Buscamos compreender como se reapresentam as lógicas de verdades/preconceitos estabelecidas no campo da educação neste contexto de implantação de uma política pública direcionada a provocar mudanças na atuação docente. Entendemos que no momento em que se busca transformar uma rotina escolar entram em cena as difíceis negociações com o já estabelecido, a possibilidade de outras/novas intervenções pedagógicas serem colocadas em movimento necessita do deslocamento de posições cristalizadas. A proposta do curso, no formato de educação à distância (EAD), coloca em pauta a questão da distância, toda uma série de enunciados acerca de como pensamos as distâncias geográficas e como estas configuram subjetividades e geram classificações hierárquicas. Percebemos que a concepção de centro/periferia presente neste contexto não remete somente a uma posição geográfica, longe das capitais, mas está referida a uma série de classificações que atribuem valores diferenciados a diferentes sujeitos conforme estes se posicionam numa localização em relação a um centro. Encontramos uma série de desafios para a tarefa que esta formação se coloca, transformar o ambiente escolar instituindo relações mais igualitárias. Percebemos que este processo foi determinado por redes de poder relacionadas às formas como compreendemos os processos de escolarização, às posições atribuídas aos docentes e às diferentes legitimidades que estão colocadas para os locais de enunciação: de centro ou de periferia. A diferença está relacionada a um extensivo processo de categorização dos indivíduos e dentro deste processo não há igualdade possível, a intervenção necessária seria da ordem de contestar o modelo de categorias e burlar/transformar as normas que o definem. Portanto, nossas estratégias não podem apenas afirmar identidades subjugadas, mas também problematizar constantemente as configurações de identidades.
Abstract In this research we carried out an exercise in questioning about the truths that demarcate processes of difference/inequality present in the implementation of a teacher training about gender, sexuality , sexual orientation and ethnic-racial relations. We take the problematization as the task of raising the questions in the field and also the solutions that are being proposed, considering that both the questions and the responses are created in a network of power/knowledge that determines the possible answers. With this approach we seek to contribute to the debate about the necessary transformation of the school routine , which presents itself as discriminatory and not very open to differences. We propose to discuss how the functioning of truths about the human differentiation regulates and conforms the pedagogical actions and will present a challenge when we seek other ways to teach, or to teach values aligned to human rights. We used as a research field the implementation of the course Gênero e Diversidade na Escola (Gender and Diversity in School), hosted by the Ministério da Educação (Ministry of Education) as continuing education for teachers of the public school system, which aims to modify prejudices, unequal conditions, promote a conception of human rights. We explore the naturalization of truths that, in this process, construct subjectivities and identities, through demarcation of differences that support inequalities. We seek to understand how are presented the logics of truths/prejudices established in the field of education in this context of implementing a public policy aimed at bringing about change in teaching practice. We understand that when one seeks to transform a school routine come into play the difficult negotiations with the already established, the possibility of other/new pedagogical interventions being put in motion requires the displacement of hardened positions. The proposed format of the course, in distance education (ODL), brings forth the question of distance, a series of statements about how we think the geographical distances and how these shape subjectivities and generate hierarchical classifications. We realized that the idea of center/periphery present in this context refers not only to a geographical position away from the capital, but is referred to a series of classifications that assign different values to different subjects as they position themselves in a location relative to a center. We found a number of challenges for the task this training proposes, transforming the school environment by instituting more egalitarian relationships. We realize that this process was determined by power networks related to the ways we understand the processes of education, the positions assigned to teachers and the different legitimacy that is placed for places of enunciation: of center or of periphery. The difference is related to an extensive process of categorization of individuals and within this process there is no equality possible, the necessary intervention would be about challenging the categories model and bypass/change the rules that define it. Therefore, our strategies can not only assert subjugated identities, but also constantly question the identities settings.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/108583
Arquivos Descrição Formato
000948039.pdf (1.075Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.