Repositório Digital

A- A A+

Autoridade, infância e "crise na educação"

.

Autoridade, infância e "crise na educação"

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Autoridade, infância e "crise na educação"
Outro título Authority, childhood and the “crisis in education"
Outro título Autoridad, infancia y “crisis en la educación”
Autor Ohlweiler, Mariane Inês
Fischer, Rosa Maria Bueno
Resumo Este texto discute o conceito de autoridade em Hannah Arendt, articulando-o ao pensamento de outros autores, como Dufour e Agamben, em relação à chamada “crise na educação” e aos questionamentos acerca dos modos de educar novas gerações. Fazemos a análise de depoimentos de crianças de 8 a 11 anos, de uma escola pública, com o objetivo de problematizar as percepções que têm sido construídas acerca da dificuldade de educar. O estudo indica que as crianças concebem a educação como “cada vez pior” e apontam diferenças significativas entre modos de educar e de exercer o poder hoje em relação ao que ocorria com gerações anteriores. A análise sugere a urgência de estudos que articulem práticas de autoridade com o exercício da escuta e da circulação da palavra entre as diferentes gerações.
Abstract This paper aims to discuss the concept of authority in Hannah Arendt, also in Dufour and Agamben, related to so-called “crisis in education”. We analyzed statements of children between eight and eleven years old, from a public school, in order to problematizing their perceptions on the difficulty of educating in our times. The study indicates that students qualify actual education as “getting worse”. In addition, our research indicates that children have a particular perception about significant differences about ways of exercising authority today, in comparison to previous generations. The analysis suggests the urgency for studies that articulate practices of authority with the exercise of listening and the “circulation of word” among children, young people and the adults.
Resumen Este texto discute el concepto de autoridad en Hannah Arendt, articulándolo al pensamiento de otros autores, como Dufour y Agamben, en relación a la llamada “crisis en la educación” y a los cuestionamientos acerca de los modos de educar a las nuevas generaciones. Analizamos declaraciones de niños de 8 a 11 años de una escuela pública, con el objetivo de problematizar las percepciones que han sido construidas acerca de la dificultad de educar. El estudio indica que los niños conciben la educación como “cada vez peor” y señalan diferencias significativas entre modos de educar y de ejercer el poder en la actualidad en relación a lo que ocurría con generaciones anteriores. El análisis sugiere la urgencia de estudios que articulen prácticas de autoridad con el ejercicio de la escucha y de la circulación de la palabra entre las diferentes generaciones.
Contido em Cadernos de pesquisa. São Paulo. Vol. 43, n. 148 (jan./abr. 2013), p. 220-239
Assunto Autoridade
Crise
Infância
[en] Authority
[en] Childhood
[en] Crisis in education
[es] Autoridad
[es] Crisis en la educación
[es] Infancia
Origem Nacional
Tipo Artigo de periódico
URI http://hdl.handle.net/10183/108745
Arquivos Descrição Formato
000895510.pdf (121.0Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.