Repositório Digital

A- A A+

Censura e cultura nos anos 1970 : o caso de Calabar, de Chico Buarque e Ruy Guerra

.

Censura e cultura nos anos 1970 : o caso de Calabar, de Chico Buarque e Ruy Guerra

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Censura e cultura nos anos 1970 : o caso de Calabar, de Chico Buarque e Ruy Guerra
Autor Alcântara, Candice de Morais
Orientador Zilberman, Regina
Data 2011
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Letras. Programa de Pós-Graduação em Letras.
Assunto Buarque, Chico 1944-.
Calabar (Peça de teatro)
Censura
Critica e interpretacao
Cultura brasileira
Guerra, Ruy
Literatura e História
Política cultural
Regime militar
Repressão política
Teatro
[en] Calabar
[en] Censorship
[en] National archive
Resumo Este trabalho estuda a censura da peça e das canções de Calabar: o elogio da traição, de Chico Buarque e Ruy Guerra, ocorrida entre 1973 e 1980, durante o regime militar. A partir dos documentos armazenados no Arquivo Nacional, em Brasília, referentes ao acervo da Divisão de Censura de Diversões Públicas (DCDP) – subordinada ao Departamento de Polícia Federal (DPF) e responsável pela censura de peças teatrais, canções e filmes –, é possível recuperar a história dessa obra nos bastidores dos órgãos repressores. Com a análise dos papéis relacionados ao texto teatral e às canções, juntamente com o exame do LP lançado por Chico em 1973, Chico Canta, observamos que a DCDP fez cortes ao script e a algumas canções, além de proibir a gravação de outras músicas. Apesar dessas determinações, a Divisão emitiu o certificado liberatório para a encenação em 16 de maio de 1973, permitindoa ao público maior de idade. Entretanto, em 15 de janeiro de 1974, a montagem foi proibida em todo o território nacional pelo DPF. Meses antes do veto, o DPF avocara o script para reexame impedindo a estreia do espetáculo. Assim, Calabar ganhou os palcos somente em 1980, após o estabelecimento do Conselho Superior de Censura (CSC), composto por quinze membros – provenientes do governo e da sociedade – com objetivo de rever os vetos proferidos pela ditadura. O CSC avaliou o percurso da peça na censura e concluiu que o veto do DPF não seguiu a recomendação de liberação da DCDP. Por meio do estudo desse e de outros documentos, verificamos que os censores avaliavam tanto o conteúdo político quanto o moral. Percebemos, inclusive, casos em que os profissionais do veto identificaram o teor de crítica política do texto ou das canções, mas optaram pela liberação. Em algumas músicas, provavelmente, por considerar a crítica política sutil e de difícil compreensão pelo público. No caso da encenação, por preferirem esperar o ensaio geral para avaliar a montagem da cena e, se julgassem necessário, proferirem novos cortes. O trabalho visa compreender por que Chico e Ruy buscam um episódio do século XVII para questionar o regime ditatorial vigente e porque Polícia Federal se incomodou tanto com a obra composta pela dupla.
Abstract This work presents an analysis of the censorship applied upon both the play itself and the songs that compose Calabar: o elogio da traição (Calabar: the compliment on betrayal, free translation), written by Chico Buarque and Ruy Guerra. The object of this work is the censorship which took place between the years of 1973 and 1980, during Brazil’s military regime. From the documents that were filed in the National Archive, in the city of Brasilia, which former belonged to the Divisão de Censura de Diversões Públicas’ (DCDP) – an organ linked to the Brazilian Federal Police, in charge of censoring public entertainment such as plays, songs and films – collection, it is possible to reconstruct the history of Calabar from inside the repressive organs. By studying the documents related to the play and its songs, as well as the LP released by Chico Buarque in 1973, Chico Canta (Chico sings, free translation), we could observe that the DCDP removed parts of the script and songs, and prevented the artist from recording some other songs. Furthermore, the DCDP issued a certificate releasing the play on May 16th, 1973, but only allowing people over 18 years of age to attend to it. However, on January 15th, 1974, the play was forbidden in all national territory by the Brazilian Federal Police (DPF). Months before the veto, the DPF asked the script back for reexamination, which prevented the play’s debut. Calabar was staged only in 1980, after the Censorship Council (CSC) was created. The CSC had 15 members – from both the government and the society – and the purpose of reviewing the vetos from the military. They examined the play and concluded that the veto did not follow DCDP’s recommendation for releasing it. After analyzing the documents, we verified that the censors evaluated both the political and moral contents. Remarkably, there were even some cases in which the censors could see the political content within the text or songs, but chose to release them. It is possible that they released some songs because they considered the criticism to be very subtle and difficult for the public to understand. In the case of the play itself, we believe they chose to wait for the dress rehearsal to judge the scene and, if necessary, make further cuts. This work aims to clarify why Chico Buarque and Ruy Guerra resorted to an 18th century episode to question the dictatorial government and why their work bothered so much the Federal Police.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/108932
Arquivos Descrição Formato
000778787.pdf (11.93Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.