Repositório Digital

A- A A+

Adolescentes com transtornos de ansiedade : desfechos após dois anos de terapia cognitivo-comportamental em grupo

.

Adolescentes com transtornos de ansiedade : desfechos após dois anos de terapia cognitivo-comportamental em grupo

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Adolescentes com transtornos de ansiedade : desfechos após dois anos de terapia cognitivo-comportamental em grupo
Autor Davis, Roberta
Orientador Heldt, Elizeth Paz da Silva
Data 2013
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas: Psiquiatria.
Assunto Adolescente
Criança
Qualidade de vida
Terapia cognitiva
Transtornos de ansiedade
[en] Anxiety disorders in childhood and adolescence
[en] Cognitive behavioral therapy
[en] Follow-up studies
[en] Quality of life
Resumo Os transtornos de ansiedade (TAs) estão entre os principais problemas que acometem crianças e adolescentes, podendo atingir uma prevalência de até 24,9% ao longo da vida. A eficácia do tratamento de TAs na infância e na adolescência tem sido demonstrada em estudos de curto prazo de terapia cognitivo-comportamental (TCC), mas ainda são poucos os estudos que avaliam a eficácia da terapia de longo prazo. Portanto, a presente pesquisa tem por objetivo realizar uma revisão sistemática de estudos de seguimento sobre TCC com crianças e adolescentes com TAs (artigo 1) e verificar a resposta a longo prazo da terapia cognitivocomportamental em grupo (TCCG) em relação à intensidade dos sintomas de ansiedade e depressão e à qualidade de vida (artigo 2). Para a realização do primeiro artigo (revisão sistemática), foram consultadas as bases de dados Pubmed e Isi Web of Science. Foram considerados como critérios de inclusão: estudos de coorte após TCC para TAs na infância e na adolescência. Foram excluídos os estudos com período de seguimento inferior a um ano. Para a apresentação dos achados dos estudos, foram considerados os resultados significativos (p<0,05). Em relação ao método utilizado na elaboração do segundo artigo (seguimento não controlado), a pesquisa envolveu 20 adolescentes que realizaram 14 sessões de TCCG para TAs e foram reavaliados após 2 anos do término da intervenção. Para avaliar os desfechos, utilizaram-se os instrumentos antes da TCCG, no final (4 meses) e após 2 anos: Autorrelato para Transtornos Relacionados à Ansiedade na Infância (SCARED-C); Inventário de Depressão Infantil (CDI); Impressão Clínica Global (CGI); Escala de Funcionamento Global (CGAS) e Qualidade de Vida de Jovens (YQOL). O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital de Clínicas de Porto Alegra (nº 110181). Os adolescentes e seus responsáveis assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE). Como resultado da revisão sistemática, obteve-se um total de 10 artigos que preencheram os critérios de inclusão. O período de seguimento variou entre 12 meses a 13 anos e, em geral, os resultados indicaram a manutenção dos ganhos com a TCC de curto prazo. No entanto, os estudos apresentaram limitações, principalmente em relação ao método, como ausência de grupo controle e perdas de seguimento. No estudo de seguimento, um total de 19 (95%) adolescentes com média de idade de 12,3 (DP=1,0) anos foi avaliado. Houve redução significativa (p<0,001) da gravidade dos sintomas (CGI) e melhora do funcionamento global (CGAS) em comparação com a avaliação inicial. A qualidade de vida geral no seguimento melhorou significativamente (p=0,041) em comparação com a avaliação inicial e final da 7 TCCG. Os sintomas específicos de ansiedade e depressão não apresentaram mudanças significativas (p=0,071 e p=0,206, respectivamente). Os resultados do trabalho sugerem a manutenção dos benefícios da TCC de longo prazo e encorajam a sua utilização entre adolescentes com TAs.
Abstract Anxiety disorders (ADs) are among the most prevalent conditions affecting children and adolescents with a lifetime prevalence of up to 24.9%. The efficacy of treatment for ADs in childhood and adolescence has been demonstrated in short-term studies of cognitivebehavioral therapy (CBT), but few studies have investigated the long-term effects of this treatment. Therefore, the present study aimed to systematically review follow-up studies of CBT in children and adolescents with ADs (article 1) and explore the long-term effects of group cognitive-behavioral therapy (GCBT) on quality of life and symptoms of anxiety and depression (article 2). The systematic review was based on a search of the PubMed and ISI Web of Science databases. Articles reporting cohort studies of CBT for ADs in childhood and adolescence were included in the review. Studies with follow-up periods of less than one year were excluded. Results were considered significant at p < 0.05. The second article consisted of an uncontrolled follow-up study involving 20 adolescents who underwent 14 sessions of GCBT for ADs and were assessed at three time points (before and after treatment, and two years after the end of treatment) with the following instruments: Screen for Child Anxiety Related Emotional Disorders, child (SCARED-C); Children's Depression Inventory (CDI); Clinical Global Impression (CGI); Children’s Global Assessment Scale (CGAS) and Youth Quality of Life (YQOL). The study was approved by the Hospital de Clínicas de Porto Alegre Research Ethics Committee (protocol number 110181). Participants and guardians provided written informed consent prior to participation. Ten articles were included in the systematic review. Follow-up periods ranged from 12 months to 13 years, with most studies indicating that the effects of short-term CBT remained stable over time. However, the studies presented a series of methodological limitations, such as lack of control groups and follow-up losses. In the present follow-up study, a total of 19 (95%) adolescents with mean age 12.3 (SD=1.0) years were assessed. There were significant reductions (p<0.001) in symptom severity (CGI) and improvements in global functioning (CGAS) over the course of the study. General quality of life improved significantly at follow-up (p=0.041) as compared to assessments immediately before and after GCBT. There were no significant differences in anxiety and depression symptoms (p=0.071 and p=0.206, respectively). Results of the present studies indicate that the benefits of CBT are maintained over time, and that this method is suitable for the treatment of ADs in adolescents.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/109020
Arquivos Descrição Formato
000899627.pdf (1.296Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.