Repositório Digital

A- A A+

Distribuição vertical e variação da proporção sexual em um gradiente de alturas de uma assembléia de drosofilídeos (Diptera, Drosophilidae) em uma área de Mata Atlântica na Ilha de Santa Catarina, Brasil

.

Distribuição vertical e variação da proporção sexual em um gradiente de alturas de uma assembléia de drosofilídeos (Diptera, Drosophilidae) em uma área de Mata Atlântica na Ilha de Santa Catarina, Brasil

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Distribuição vertical e variação da proporção sexual em um gradiente de alturas de uma assembléia de drosofilídeos (Diptera, Drosophilidae) em uma área de Mata Atlântica na Ilha de Santa Catarina, Brasil
Autor Oliveira, Sabrina Cassimiro Fonseca de
Orientador Gaiesky, Vera Lucia da Silva Valente
Hofmann, Paulo Roberto Petersen
Data 2007
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Biociências. Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal.
Assunto Biodiversidade
Drosophilidae
Santa Catarina, Ilha de (SC)
Taxonomia animal
Resumo Apesar de diversos trabalhos com drosofilídeos terem sido realizados na Mata Atlântica, a distribuição vertical destes organismos ainda constituía-se como um assunto inexplorado. Foram realizadas coletas em uma área de Mata Atlântica sensu stricto, na Ilha de Santa Catarina, com o objetivo caracterizar e analisar, pela primeira vez, a distribuição vertical de drosofilídeos, bem como distorções de sua proporção sexual decorrentes de tal estratificação e de variações sazonais. A estratificação vertical de drosofilídeos apresentou uma clara interação entre os fatores vertical e temporal e pareceu diferir profundamente entre o estrato inferior (0m e 1,5m) e o superior (6,75m, 12m e 17,25m). Tal divergência foi resultante da elevada abundância de Drosophila willistoni apenas no estrato inferior, em todas as estações do ano; da ocorrência exclusiva de Drosophila sp. Q2 no estrato superior, no inverno e na primavera e da elevada abundância, neste mesmo estrato, de Drosophila simulans, no outono e nos verões.A presença de dois estratos de distribuição foi associada ao clima subtropical da região, à pequena altura do dossel, ao grau de perturbação do local, e ainda, a uma possível não detecção de subdivisões dos estratos encontrados. Distorções na proporção sexual de algumas espécies foram verificadas e relacionadas às estações do ano onde o tamanho populacional foi maior. Além disso, distorções com predomínio de fêmeas foram vinculadas às estações do ano, enquanto aquelas com predominância de machos foram relacionadas à distribuição vertical. A grande riqueza de espécies observada (101) representa uma das maiores já registradas no país. Dentre as espécies descritas, foram estabelecidos os primeiros registros de D. antonietae e de D. araicas em Santa Catarina e de Drosophila koepferae no território brasileiro.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/10937
Arquivos Descrição Formato
000592946.pdf (2.077Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.