Repositório Digital

A- A A+

O desenvolvimento industrial no Brasil e o papel das políticas governamentais : uma visão de longo prazo

.

O desenvolvimento industrial no Brasil e o papel das políticas governamentais : uma visão de longo prazo

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título O desenvolvimento industrial no Brasil e o papel das políticas governamentais : uma visão de longo prazo
Autor Andara, Juliana Knewitz
Orientador Milan, Marcelo
Data 2014
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Ciências Econômicas. Curso de Ciências Econômicas.
Assunto Economia
[en] Government policies
[en] Industrial development
Resumo Este trabalho analisa a relação entre o desenvolvimento industrial no Brasil e as políticas governamentais, partindo do pressuposto que é pouco provável um desenvolvimento espontâneo da indústria. A partir de um exame teórico e histórico, foram então identificadas as possíveis contribuições e limites impostos por essas políticas sobre o desenvolvimento industrial através de comparações e avaliações mais específicas. Buscouse entender porque as políticas de indução, embora tenham existido e possam ter criado condições para a industrialização, não contribuíram para o desenvolvimento econômico como o ocorrido em outros países que também as utilizaram em seu processo de formação industrial, ou ainda, porque elas não contribuíram para o aumento das capacitações das empresas nacionais, dando um caráter restringido ao processo no Brasil. Como explicação para este caráter restringido verificou-se na análise comparativa que diferentemente dos países asiáticos, europeus e dos EUA, o Brasil não buscou incentivar a criação de empresas líderes nacionais e não implantou um sistema de exigência de medidas de desempenho das empresas beneficiadas pelas políticas ativistas em prol da industrialização.
Abstract Este trabalho analisa a relação entre o desenvolvimento industrial no Brasil e as políticas governamentais, partindo do pressuposto que é pouco provável um desenvolvimento espontâneo da indústria. A partir de um exame teórico e histórico, foram então identificadas as possíveis contribuições e limites impostos por essas políticas sobre o desenvolvimento industrial através de comparações e avaliações mais específicas. Buscouse entender porque as políticas de indução, embora tenham existido e possam ter criado condições para a industrialização, não contribuíram para o desenvolvimento econômico como o ocorrido em outros países que também as utilizaram em seu processo de formação industrial, ou ainda, porque elas não contribuíram para o aumento das capacitações das empresas nacionais, dando um caráter restringido ao processo no Brasil. Como explicação para este caráter restringido verificou-se na análise comparativa que diferentemente dos países asiáticos, europeus e dos EUA, o Brasil não buscou incentivar a criação de empresas líderes nacionais e não implantou um sistema de exigência de medidas de desempenho das empresas beneficiadas pelas políticas ativistas em prol da industrialização.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/109400
Arquivos Descrição Formato
000935156.pdf (564.0Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.