Repositório Digital

A- A A+

Toxoplasma gondii e seus principais fatores de risco para gestantes

.

Toxoplasma gondii e seus principais fatores de risco para gestantes

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Toxoplasma gondii e seus principais fatores de risco para gestantes
Autor Soares, Raquel Borges
Orientador Pinto, Andrea Troller
Co-orientador Teixeira, Mariana Caetano
Data 2014
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Veterinária. Curso de Medicina Veterinária.
Assunto Gestantes
Saúde pública
Toxoplasmose animal : Gatos
Transmissão de doença infecciosa
Zoonoses
Resumo A toxoplasmose é uma doença causada pelo protozoário Toxoplasma gondii, um agente de ampla distribuição mundial que acomete várias espécies, inclusive o homem. É considerada a infecção parasitária mais comum do mundo, tendo índices de soropositividade entre 23% e 83%. Conforme o desenvolvimento embrionário, a taxa de transmissão congênita pode variar de 25% a 65% e a infecção fetal causará sequelas graves ao feto, como coriorretinite, hidrocefalia e microftalmia, além de abortos. Já os seres humanos adultos e imunocompetentes terão a infecção de forma assintomática, em vista disso o objetivo desse trabalho é, através de uma revisão bibliográfica, determinar os principais fatores de risco associados à contaminação das gestantes pela toxoplasmose para definir medidas importantes de prevenção e evitar a contaminação dos fetos humanos. O principal fator de risco da toxoplasmose é o desconhecimento da doença e dos seus meios de transmissão, ele está associado a diversos fatores. Dentre eles, os principais são baixa renda, baixa escolaridade, maior número de filhos e presença de animais em casa, pois essas pessoas têm menor instrução para se prevenirem e maior descuido com as medidas de higiene. Além disso, existe um desconhecimento da doença pelos próprios profissionais da saúde, resultando na difusão de informações incorretas e no acompanhamento negligenciado das gestantes, que na maioria das vezes só fazem o teste sorológico para diagnosticar a doença na primeira consulta. A transmissão da doença pode se dar através do consumo de frutas, verduras e água contaminadas pelo oocisto. No entanto, isso só ocorrerá se existir falta de higiene, já que os oocistos são encontrados apenas nas fezes dos gatos, demoram no mínimo 24 horas para tornarem-se infectantes e contaminarão apenas os hospedeiros que os consumirem. Essa forma de transmissão pode ser facilmente evitada com boas medidas de higiene e com o controle da alimentação dos felinos para que eles não se contaminem ao consumirem carne crua. Tornando, assim, o contato com esses gatos totalmente seguro, sem risco algum à saúde. Apesar da transmissão da toxoplasmose ser associada aos felinos, a fonte de infecção mais comum é através da ingestão de carnes de suínos e carneiros malcozidas ou cruas que contenham cistos. No entanto, para inviabilizá-los, basta fazer o correto cozimento dos alimentos, além de evitar a contaminação cruzada. Através desse trabalho pode-se concluir que é importante que haja uma mudança na conduta hospitalar, com a capacitação dos profissionais da saúde, a orientação correta sobre a doença e o acompanhamento das gestantes no pré-natal. Isso permite que o diagnóstico possa ser feito de forma precoce, evitando, assim, a infecção fetal, as sequelas nos recém-nascidos e os tratamentos desnecessários.
Abstract Toxoplasmosis is a disease caused by Toxoplasma gondii, an agent responsible for world distribution of the disease that affects many species, including mankind. It is considered the most common parasitic infection in the world, having an index of seropositivity between 23% and 83%. Depending on development of the embryo, the rate of congenital transmission can vary from 25% to 65% and the fetal infection will cause serious sequelae to the fetus, such as chorioretinitis, hydrocephalus and microphthalmia, as well as abortions. Fully developed adult and immunocompetent human-beings will have the infection in an asymptomatic way. Due to this, the objective of this paper is to determine the main risk factors associated to the contamination of pregnant women by toxoplasmosis, through a bibliographic revision, to define important prevention measures and how to avoid the contamination of human fetuses. The main risk factor for toxoplasmosis is how unaware we are of this disease and its means of transmission. It is associated to many other factors, including low income, little or no schooling, a greater number of children at home and the presence of domestic animals because people with these standards of living generally don't have enough knowledge to prevent the infection and spread of the disease and aren't careful with basic hygiene. Besides all this, health workers are also unaware of this disease, leading to incorrect pieces of information and neglect when accompanying and keeping track of pregnant women, who most of the time, only take the first serological test to diagnose the sickness on the first appointment. Disease transmission can occur through the consumption of fruits, vegetables and water contaminated by oocyst. However, this will only occur if there is a lack of hygiene, as oocysts are only found in the feces of cats, take at least 24 hours to become infective and contaminate only individuals that consume them. This form of transmission can be easily prevented with good hygiene measures and control of what cats eat so that they will not be contaminated by consuming raw meat. These precautions make contact with these cats safe without any risk to health. Although the transmission of toxoplasmosis is associated with cats, the most common source of infection is the consumption of undercooked or raw meat containing cysts. However, to eliminate the cysts, the correct way of preparing food is enough to avoid cross contamination. Based on this paper and its findings, a change in hospital management is essential in order to guarantee the well-being of all people involved, something that can be done through the training and certification of health professionals, the correct disease orientation and the monitoring of pregnant women in prenatal care. Thus, it is possible to make the diagnosis early, which can avoid fetal infection, the consequences in newborns as well as unnecessary treatments.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/110013
Arquivos Descrição Formato
000951583.pdf (747.1Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.