Repositório Digital

A- A A+

Vigas de concreto armado pela NBR 6118:2004 : estudo do ganho obtido com o aumento da resistência do concreto

.

Vigas de concreto armado pela NBR 6118:2004 : estudo do ganho obtido com o aumento da resistência do concreto

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Vigas de concreto armado pela NBR 6118:2004 : estudo do ganho obtido com o aumento da resistência do concreto
Autor Malacarne, Felipe
Orientador Bessa, Virgínia Maria Rosito d'Avila
Data 2014
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Engenharia. Curso de Engenharia Civil.
Assunto Engenharia civil
Resumo Este trabalho versa sobre o ganho obtido, em termos de momento fletor resistente, com a variação da resistência do concreto em elementos de viga. A versão de 2014 da NBR 6118 incluiu no seu escopo os concretos do Grupo II de resistência, composto pelos concretos de fck entre 55 e 90 MPa. Juntamente com essa inclusão foram definidos novos parâmetros – variáveis – definidores das propriedades desses materiais para o seu emprego no dimensionamento de vigas. Outra mudança relevante foi a extensão das condições de ductilidade para todas as seções das vigas e, de forma diferenciada, para cada grupo de concreto, estabelecendo novas restrições para o limite entre os dimensionamentos com armadura simples ou dupla, resultando no aparecimento de armadura de compressão ainda em Domínio 3. No caso da redistribuição de momentos fletores em vigas hiperestáticas, a condição de ductilidade se restringe à medida que a redistribuição se acentua, podendo mesmo exigir armadura de compressão em Domínio 2. Como consequência do aumento da resistência do concreto observa-se um ganho linear em momento fletor resistente para vigas com concreto do Grupo I, seguido de uma perda localizada de resistência ao se transitar em direção ao Grupo II e passando a um novo ganho, porém, dessa vez, de valor decrescente, entre os concretos C55 e C90. Esse comportamento evidencia o menor aproveitamento da resistência à compressão do concreto à medida que ela aumenta, em função, principalmente, da tendência a um comportamento mais frágil que se observa nesse caso. Quando da realização de redistribuição de momentos fletores é possível verificar que as reduções totais obtidas nas armaduras são maiores para os concretos de menor resistência, sendo que seu aumento tende a atenuar a redução da armadura sobre o apoio a ponto de essa ser igualada ou mesmo suplantada pelo incremento na armadura do vão. Além disso, pode-se inferir que os ganhos obtidos em termos de momento fletor resistente em vigas submetidas à redistribuição de momentos são menores à medida que se intensifica essa redistribuição, verificando-se, além disso, maior perda de resistência na transição entre os Grupo I e II de concretos. Por esse motivo evidencia-se um menor aproveitamento do aumento da resistência do concreto no ganho em momento fletor resistente ao se utilizar concretos do Grupo II.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/110123
Arquivos Descrição Formato
000951931.pdf (771.7Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.