Repositório Digital

A- A A+

Caracterização imunoistoquímica da população linfocitária septal e perisseptal na cirrose secundária à hepatopatia alcoólica

.

Caracterização imunoistoquímica da população linfocitária septal e perisseptal na cirrose secundária à hepatopatia alcoólica

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Caracterização imunoistoquímica da população linfocitária septal e perisseptal na cirrose secundária à hepatopatia alcoólica
Autor Cerski, Carlos Thadeu Schmidt
Orientador Silveira, Themis Reverbel da
Co-orientador Meurer, Luíse
Data 2009
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Ciências em Gastroenterologia (até jan. 2011).
Assunto Cirrose hepatica alcoolica
Etiologia
Gastroenterologia
Imuno-histoquímica
Resumo Introdução e objetivos: a patogênese da hepatopatia alcoólica envolve três mecanismos patogênicos. O primeiro corresponde à agressão direta do álcool e de seus resíduos metabólicos sobre os hepatócitos, o segundo é devido ao aporte de endotoxinas provenientes da circulação portal o que desencadeia uma resposta inflamatória inata, e o terceiro, uma provável resposta imunológica adquirida contra neoantígenos. Considerando a possibilidade deste último mecanismo patogênico ser similar ao da hepatite crônica, estudamos explantes de pacientes com cirrose alcoólica em abstinência e comparamos suas características imunoistoquímicas com cirróticos de etiologia viral C. Materiais e métodos: foram estudados imunoistoquimicamente o infiltrado linfocitário septal e perisseptal de 34 explantes de cirróticos alcoólicos e 40 explantes de cirróticos virais C. Resultados: na avaliação das colorações de HE, não houve diferença significativa entre os dois grupos. As alterações estatisticamente significativas encontradas foram: (a) nas C-VHC o componente T-CD8+ intenso tanto na hepatite de interface como no infiltrado septal, neste último acompanhado pelos T-CD4+; (b) nas C-HA intenso componente linfocitário B-CD20+ com presença de folículos linfóides nos septos fibrosos e, componente igualmente intenso, na hepatite de interface. Conclusões: a hepatite de interface também ocorre nas C-HA e não difere, nas preparações histológicas habituais, daquela encontrada na C-VHC. O infiltrado linfocitário septal e perisseptal T-CD4+ e T-CD8+ tende a ser mais difuso e intenso nas C-VHC e mais focal nas C-HA que apresenta um componente mais significativo de B-CD20+. O modelo por nós estudado, na medida em que afasta a ação direta do álcool e a da resposta inflamatória inata constitui um modelo promissor para o estudo da resposta inflamatória adquirida na patogênese da hepatopatia alcoólica.
Abstract Introduction and objectives: the pathogenesis of alcoholic liver injury involves different cell types of the liver and leucocytes present in the innate immune response. Two different pathways are known: mitochondrial direct injury and damage related to endotoxins proceeding from the portal circulation. An immune adaptive response as a third mechanism of alcoholic liver injury was suggested by Thiele et. al. Considering this possibility, a similar mechanism usually seen in chronic hepatitis may be present. We studied the main immunohistochemical features on explants livers from C-HA patients in abstinence and compared them with explants from C-HCV patients. Materials and Methods: an immunohistochemical study was achieved on 34 explants of the C-HA group of patients and on 40 explants of the C-HCV group. We focused our study on the septal lymphocyte inflammatory infiltrate and on interface hepatitis. Results: the C-HCV group presented a diffuse septal lymphocyte inflammatory infiltrate, and lymphocytes focally positive for T-CD4, T-CD8 and B-C D20. An interface hepatitis was seen in 90% of the samples and lymphocytes were strongly positive for T-CD8, weakly positive for T-CD4 and negative for B-CD20(55,6%) The C-HA group also presented a diffuse septal lymphocyte inflammatory infiltrate and lymphocytes focally positive for T-CD4, TCD8 and B-CD20. In a great number of samples (88,2 %) lymphoid follicles were identified. An interface hepatitis was seen in 70,6% of the explants and these lymphocytes were strongly positive for T-CD8 and B-CD20 and weakly positive for T-CD4. Conclusion: an interface hepatitis may also occur in C-HA. By removing the effects of direct alcoholic injury and those of the innate inflammatory response we strongly recommend this model to study the immune adaptive response in the pathogenesis of alcoholic liver disease.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/110194
Arquivos Descrição Formato
000952092.pdf (1.992Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.