Repositório Digital

A- A A+

Percepção ambiental e representação do “lugar-vivido” na area de proteção ambiental do município de Caraá, RS

.

Percepção ambiental e representação do “lugar-vivido” na area de proteção ambiental do município de Caraá, RS

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Percepção ambiental e representação do “lugar-vivido” na area de proteção ambiental do município de Caraá, RS
Autor Fofonka, Luciana
Orientador Suertegaray, Dirce Maria Antunes
Data 2014
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Geociências. Programa de Pós-Graduação em Geografia.
Assunto Área de proteção ambiental
Caraá (RS)
Educação ambiental
[en] Environmental interpretation
[en] Lived place
[en] Mental map
Resumo No município de Caraá, localiza-se a Área de Proteção Ambiental do Caraá (APA), representando 30% da área total do município. Nessa área, localiza-se a cascata e a nascente do Rio dos Sinos. Apesar de ser uma APA, existem conflitos em sua gestão, principalmente com o uso e manejo do solo. A legislação foi implementada sem um adequado processo de Educação Ambiental. O conhecimento da percepção ambiental da população desse município em relação à APA de Caraá é essencial para o desenvolvimento de programas de gestão e Educação Ambiental para a garantia da conservação desta. Assim, a presente tese tem como objetivo central compreender a percepção ambiental dos moradores locais, em relação à APA de Caraá, a fim de analisar os conflitos de uso da APA, confrontando com os critérios de uso estabelecidos pelos gestores da área e assim verificar se os conflitos, quanto ao uso da APA, decorrem de esta ter sido criada sem a participação da comunidade e desvinculada da Educação Ambiental. Considerando a abordagem da pesquisa qualitativa e quantitativa, com caráter exploratório-descritivo, o presente estudo foi dividido em duas grandes etapas. Primeira: caracterização ambiental da área de estudo; Segunda: caracterização da percepção ambiental dos moradores próximos à APA de Caraá, com ênfase na topofilia e topofobia, através dos seguintes instrumentos: entrevistas semiestruturadas e mapas mentais. Foram realizadas entrevistas com: cem moradores; o cacique da tribo Mbya Guaranis, bem como os professores (dezessete professores) e alunos das séries finais, da quinta à oitava série do ensino fundamental, das escolas participantes desse estudo (total de cem alunos). Para investigar a percepção, a topofilia e a topofobia e considerar qual o significado da APA do Caraá para seus moradores, foi realizado o mapa mental com três moradores entrevistados, de cada uma das comunidades citadas, tendo um total de trinta mapas; com os alunos e professores participantes desse estudo, bem como com cinco índios da tribo Mbya Guaranis. A metodologia de interpretação dos mapas mentais foi feita a partir das orientações de Kozel, de forma adaptada. Foram produzidos 144 mapas mentais, distribuídos nas cinco subcategorias criadas: Landmarks (com ou sem expressões linguísticas); Landmarks e Cascata (com ou sem expressões linguísticas); Landmarks, cascata e Antropismo (com ou sem expressões linguísticas); Landmarks e Antropismo (com ou sem expressões linguísticas) e Landmarks e Antropismo Negativo (com ou sem expressões linguísticas). A partir dos mapas mentais complementados através das entrevistas, foi construída a percepção ambiental dos moradores locais, em relação à APA de Caraá, revelando, em sua maioria, aspectos topofílicos para com a área da cascata do Rio dos Sinos (parte da APA) e aspectos topofílicos e topofóbicos para com o “lugar-vivido” (dentro ou próximo da APA). Os moradores não conhecem os critérios de uso e restrições da APA, o que demonstra a falta de envolvimento da comunidade na elaboração destes. Os conflitos quanto ao uso da APA decorrem principalmente do fato desta ter sido implantada sem um processo de Educação Ambiental adequado, sem a participação da comunidade local.
Abstract In the Caraa municipality there is the Environmental Protection Area (EPA), representing 30% of the total area in the municipality. In this area there is the waterfall and the source of Sinos River. Despite being the EPA, there are conflicts in its management, mainly due to the use and soil management. The legislation has been implemented without a suitable environmental educational process. The environmental perception knowledge in the population of such municipality in relation to the Caraa EPA is essential to the development of management programs in the Environmental Education to the guarantee of its conservation. Thus, this very thesis has as its main goal to understand the environmental perception of local residents in relation to Caraa’s EPA, in order to analyze the EPA conflicts of usage, confronting the established criteria usage by the managers in the area and hence verifying if the conflicts with the EPA usage are due to it had been created without the community participation and untied from the Environmental Education. Considering the qualitative and quantitative research approach, with exploitative descriptive character such study has been divided and two large phases: 1st Environmental characterization in the study area and 2nd Characterization of the environmental perception of the near residents of the Caraa’s EPA, with emphasis in the topofilia* and Topophobia through these instruments: Semi-structured interviews and mental maps. 100 interviews with residents have been made, the Mbya Guaranis chieftain tribe, as well as the teachers (17 of them) and junior-high school students- from 5th to 8th grades of junior-high schools form the participant schools in this study (total of 100 students). To investigate the perception, the topofilia and Topophobia and consider what the meaning of the Caraa’s EPA is for the its residents, central maps have been made with three residents from the mentioned communities, having a total of 30 maps; with participant students and teachers in such study, as well as 5 Indians from the Mbya Guaranis tribe. The central maps interpretation methodology has been done through Kozel’s orientations in an adapted way. 144 mental maps have been produced and distributed under 5 subcategories made: Landmarks (with or without linguistic expressions); Landmarks and Waterfall (with or without linguistic expressions), Landmarks, Waterfall and Settlement (with or without linguistic expressions) and Landmarks and negative Settlement (with or without linguistic expressions). Throughout the mental maps complemented through interviews residents environmental perception in relation of the Caraa’s EPA has been built, revealing in its majority, topofilia aspects in relation to the waterfall area in the Rio dos Sinos (part of the EPA) and the topofilia ones and Topophobic ones to the “lived place” (inside or near the EPA). The residents are not aware of the criteria of the use and restrictions of the EPA which shows the lack of community involvement in the elaboration of it. The conflicts due to the usage of the EPA are mainly related to the fact of it had been implanted without an adequate environmental education process, with the local community participation.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/111851
Arquivos Descrição Formato
000953243.pdf (7.689Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.