Repositório Digital

A- A A+

A Paleontologia em uma perspectiva museal : um olhar sobre a gestão de acervos paleontológicos na dinâmica do Museu de Paleontologia Irajá Damiani Pinto, Instituto de Geociências, UFRGS

.

A Paleontologia em uma perspectiva museal : um olhar sobre a gestão de acervos paleontológicos na dinâmica do Museu de Paleontologia Irajá Damiani Pinto, Instituto de Geociências, UFRGS

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título A Paleontologia em uma perspectiva museal : um olhar sobre a gestão de acervos paleontológicos na dinâmica do Museu de Paleontologia Irajá Damiani Pinto, Instituto de Geociências, UFRGS
Autor Silva, Sibelle Barbosa da
Orientador Faria, Ana Carolina Gelmini de
Data 2014
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação. Curso de Museologia: Bacharelado.
Assunto Gestão
Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Geociências. Museu de Paleontologia Irajá Damiani Pinto.
[en] Fossil heritage
[en] Management of collections
[en] Museology
[en] Paleontology
Resumo Esta monografia apresenta um estudo sobre a ciência paleontológica a partir de uma perspectiva museal, trazendo à reflexão a gestão de acervos - tendo como ênfase o Museu de Paleontologia Irajá Damiani Pinto. Para realização da pesquisa, o trabalho teve como metodologia a pesquisa bibliográfica - por meio do levantamento das características das áreas de estudo; análise documental - investigando vestígios da trajetória da instituição pesquisada; e observação participante - vivenciando as rotinas do cotidiano do Museu. A fim de compreender o fóssil como objeto museológico, contextualiza o surgimento dos primeiros museus brasileiros, permitindo a consolidação dos estudos das Ciências Naturais no País impulsionado pelos primeiros acadêmicos interessados em estudar e divulgar o patrimônio científico nacional. Igualmente, foram considerados conceitos em torno do que é objeto “coisa” e documento, para assim se refletir sobre a condição dos fósseis como museália. Abordou-se a trajetória dos estudos de Paleontologia no Rio Grande do Sul, através de alguns atores que pesquisaram e reivindicaram a atenção pública para a importância desses registros naturais e constituíram os primeiros acervos, bem como a potencialidade do patrimônio fossilífero no Estado. Tendo o Museu de Paleontologia Irajá Damiani Pinto coleções de referência, apresentou-se um breve histórico da instituição estudada e foi problematizado o papel dos sujeitos no Museu e como a gestão de acervos se reflete na curadoria compartilhada em busca da interdisciplinaridade na organização. Para tanto, analisa o percurso que o fóssil faz no espaço museológico, desde a sua aquisição até a sua comunicação. Buscou-se identificar quais são os desafios enfrentados pela instituição - particularmente por se tratar de um museu universitário - e o papel da gestão de acervos para o seu desempenho. Assim, chegou-se a conclusão que a gestão compartilhada é possível de ser implantada no Museu de Paleontologia Irajá Damiani Pinto se a equipe da instituição continuar mantendo uma comunicação contínua entre os profissionais, ações que gradualmente estão sendo inseridas no contexto diário do Museu estimulados por meio das proposições colocadas por todos os sujeitos envolvidos na organização.
Abstract This paper shows a study about paleontology from a museology view, bringing us a reflexing about collection management – having emphasis on Museu de Paleontologia Irajá Damiani Pinto. In order to conduct this survey, this paper has methodology literature – through survey of the characteristics of the study areas; document analysis - investigation traces the trajectory of the research institution – participant observation - experiencing the routines of everyday life of the Museum. In order to understand how the fossil as a museum object, contextualizes the emergence of the first Brazilian museums, allowing the consolidation of studies of Natural Sciences in Country, driven by early scholars interested in studying and disseminating the national scientific heritage. Also been considered concepts around the object that is “thing” and document, so as to reflect on the condition of the fossils as museological objects. Addressed the history of studies of Paleontology in Rio Grande do Sul, by some actors who researched and claimed public attention to the importance of these natural records, and made the first collections, well as the potential of fossil heritage in the State. Having the Museu de Paleontologia Irajá Damiani Pinto reference collections, presented a brief history of the institution studied and questioned the role of the subject in the Museum and the management of collections is reflected in the shared curation in search of interdisciplinarity in organization. It analyzes the way that the fossil travels in the museum space, since its acquisition to its communication. It was search to identify what are the challenges faced by the institution - particularly because it is a university museum – and the role of managing collections for its performance. Thus, the conclusion was reached that the Shared Management can be implemented in the Museu de Paleontologia Irajá Damiani Pinto if the museum staff continue to maintain a continuous communication between professionals, actions that are gradually being added daily in the context of the Museam, stimulated by means of the propositions put by all those involved in the organization.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/111881
Arquivos Descrição Formato
000953186.pdf (3.657Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.