Repositório Digital

A- A A+

Avaliação do efeito analgésico do lumiracoxibe comparado com placebo, nas primeiras 24h de pós-operatório de cirurgia de mamoplastia de aumento : estudo randomizado e duplo-cego

.

Avaliação do efeito analgésico do lumiracoxibe comparado com placebo, nas primeiras 24h de pós-operatório de cirurgia de mamoplastia de aumento : estudo randomizado e duplo-cego

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Avaliação do efeito analgésico do lumiracoxibe comparado com placebo, nas primeiras 24h de pós-operatório de cirurgia de mamoplastia de aumento : estudo randomizado e duplo-cego
Autor Molon, Vilmar
Orientador Kruel, Cleber Dario Pinto
Data 2006
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Cirurgia.
Assunto Analgesia
Dor pós-operatória
Mamoplastia
Medicina experimental
Procedimentos cirúrgicos ambulatórios
Resumo Introdução: O controle da dor pós-operatória em procedimentos de cirurgia plástica é fundamental visto que, em sua maioria, na atualidade, são realizados em regime ambulatorial. A isso se soma, também, o controle das náuseas e vômitos, sendo esses três componentes os maiores responsáveis pela baixa hospitalar de pacientes submetidos a procedimentos inicialmente programados para serem ambulatoriais. Náuseas e vômitos estão relativamente sob controle com o advento de novas drogas para esse fim. Permanece, no entanto, a dor. A analgesia preemptiva tem se mostrado uma alternativa viável à clássica analgesia multimodal, notadamente nos últimos anos, com o emprego dos inibidores seletivos da COX-2. Objetivos: Testar o lumiracoxibe 400mg, um inibidor seletivo da COX-2 de última geração contra um placebo, e avaliar o consumo de analgésico no pós-operatório de pacientes submetidas à cirurgia de mamoplastia de aumento sob anestesia peridural torácica. Métodos: 60 pacientes do sexo feminino foram randomizadas em dois grupos de 30. As pacientes do grupo 1 (G1) receberam, sessenta minutos antes da cirurgia, uma cápsula de lumiracoxibe 400mg, enquanto que as pertencentes ao grupo 2 (G2) receberam uma cápsula de placebo. Foi anotado, no pós-operatório, o tempo médio de solicitação da primeira dose de analgésico dentro das primeiras vinte e quatro horas após o bloqueio anestésico, em ambos os grupos, através da aplicação da Escala Analógica Visual de Dor (EAV). Se os valores fossem de quatro ou menos, as pacientes recebiam dipirona 15mg/kg; se o valor declinado fosse cinco, seis ou sete, as pacientes recebiam tramadol 50mg. Anotou-se, também, nas primeiras vinte e quatro horas, o número total de doses de analgésico consumido e qual o tipo de analgésico. Anotou-se, da mesma forma, o número de doses de analgésico e, dessas, o número de doses de dipirona e de tramadol por um período de quatro dias subseqüentes ao primeiro dia. Os dados foram analisados pelo Teste U de Mann-Whitney e pelo teste T de Student. Resultados: O tempo médio para solicitação de analgésico pela primeira vez no G1 foi de 535minutos e no G2, de 334 minutos (p = 0,02). O número médio de doses de analgésico consumido no primeiro dia foi de 2,17 doses para o G1 e de 3,2 doses para o G2 (p = 0,005). Dessas, as de dipirona foram de 1,7 doses no G1 e de 2,13 doses no G2 (p = 0,12), enquanto que do tramadol foram de 0,47 doses para o G1 e de 1,07 para o G2 (p = 0,02). Nos quatro dias subseqüentes, o número médio de doses consumidas foi de 3,57 para o G1 e de 5,7 para o G2 (p = 0,09). As doses médias de dipirona consumidas neste período foram de 2,07 doses para o G1 e de 3,9 doses para o G2 (p = 0,009). Para o tramadol, o consumo, nesse mesmo período, foi de 1,5 doses para o G1 e de 1,27 doses para o G2 (p = 0,69). Conclusões: O grupo do lumiracoxibe, teve diminuída a necessidade pósoperatória de analgésicos quando comparado ao grupo do placebo, notadamente dentro das primeiras vinte e quatro horas. O emprego continuado, desse fármaco, no pós-operatório, poderia garantir uma analgesia de relevância clínica. Novos estudos, com grupos maiores e com aumento da dosagem inicial do lumiracoxibe, serão mais esclarecedores, pois o seu uso parece promissor para ser utilizado em analgesia preemptiva.
Abstract Background: The control of the postoperative pain in procedures of plastic surgery is fundamental considering that, nowadays, most of them are carried out in an ambulatory basis. In addition to this, there is also the control of nausea and vomitings, taking into account that these three components are the majors responsible for the delay discharge following ambulatory surgery. Nausea and vomitings are relatively under control with the new available drugs, but it remains the pain. The preemptive analgesia has been a viable alternative to the classic multimodal analgesia, specially in the last years with the use of the COX-2 selective inhibitors. Objetives: The purpose of this work is to test preemptively the lumiracoxib 400mg, a COX-2 selective inhibitor from the last generation, and to avaliate the consume of analgesic during the postoperative procedures of patients undergone the breast aumentation surgery under thoracic epidural anesthesia. Method: 60 female patients were randomly chosen and put in two groups by 30 people each. Sixty minutes before the surgery, group 1 (G1) received one capsule of lumiracoxib 400mg. During the postoperative, the average time asking for the first dose of the analgesic in the first twenty-four hours after the anesthesic blocking were noting in both groups through the application of the Visual Analogic Scale of Pain (ASP). If the values from this scale were of four or less, the patients would receive dipirona 15mg/kg. If the value showed were five, six or seven, the patients would receive tramadol 50mg. It was also observed the kind of analgesic and the total number of doses of analgesic consumed in the first twenty-four hours. In the same way, the number of doses of analgesic and from these, the number of doses of dipirona and tramadol were also noted during a period of four days following after the first day. The data were analysed by the Mann-Whitney U Test and by the Student T test. Results: The average time for asking for the analgesic for the first time in G1 was 535minutes and in G2 was 334 minutes(p=0,02). The average number of doses of analgesic consumed in the first day was 2,17 doses by G1 and 3,2 doses by G2 (p=0,005).From these numbers, there were 1,7 doses of dipirona in G1 and 2,13 doses in G2 (p=0,12), while there were 0,47doses of tramadol for G1 and 1,07 for G2 (p=0,02). Over the four following days, the average number of doses was 3,57 for G1 and 5,7 for G2 (p=0,09).The average doses of dipirona consumed during this period was 2,07 doses for G1 and 3,9 doses for G2 (p=0,009). The consume of tramadol in the same time was 1,5doses for G1 and 1,27 doses for G2 (p=0,69). Conclusions: The lumiracoxib grup reduce the need of analgesics in postoperative period when compared to placebo grop, notably during the first twenty-four hours. Its continuous use during the postoperative period, asseverates an analgesia of clinic relevance. New studies with larger groups, and the increase of the initial lumiracoxib dosage will be more clearful, because it seems promiser to be used in preemptive analgesia.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/11369
Arquivos Descrição Formato
000611748.pdf (238.7Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.