Repositório Digital

A- A A+

Funk carioca e champeta cartageneira : corporalidades, transgressões e negociações em músicas e bailes de periferia

.

Funk carioca e champeta cartageneira : corporalidades, transgressões e negociações em músicas e bailes de periferia

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Funk carioca e champeta cartageneira : corporalidades, transgressões e negociações em músicas e bailes de periferia
Autor Giraldo, Maria Alejandra Sanz
Orientador Oliven, Ruben George
Data 2014
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social.
Assunto Antropologia social
Cultura popular
Desigualdade
Funk
Música
[en] Champeta
[en] Corporalidades
[en] Sonoridades
Resumo A presente dissertação se baseia na comparação de duas músicas eletrônicas populares de periferias latino-americanas. Trata-se do funk carioca no Rio de Janeiro no Brasil, e da champeta criolla de Cartagena de Indias na Colômbia. Mais do que uma análise musicológica sobre as similitudes e diferenças entre ambos os gêneros, o estudo visa analisar as relações tensas que estas práticas musicais mantêm com seus entornos e como se desenvolvem processos de negociação cultural. As polêmicas que despertam o funk e a champeta nos revelam fragmentações sociais regidas por distâncias simbólicas que configuram um “Outro” definido em termos de classe e raça. Através destas estéticas, e especialmente na dimensão quase ritual do baile, se modelam corporalidades muito visíveis, e sonoridades que ultrapassam as barreiras físicas da festa, transgredindo o lugar de “outredade” designado dentro da ordem hegemônica. Diante do poder dessas expressões de conquistar espaços, se cria um processo de dominação cultural onde o que não se domestica se criminaliza. No entanto, esse processo é muito complexo e implica tanto submissão quanto resistência. Novos espaços e mediadores surgem para estas músicas abrindo as portas para o diálogo cultural, mas não necessariamente implicando uma integração social. De qualquer forma, tanto o funk quanto a champeta viram fontes de agencia para aqueles tradicionalmente invizibilizados por não cumprirem com as expetativas de normalidade cultural e social esperadas.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/114420
Arquivos Descrição Formato
000951926.pdf (2.838Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.