Repositório Digital

A- A A+

Efeito do dispositivo intra-uterino com levonorgestrel e com cobre na vascularização sub-endometrial e no fluxo das artérias uterinas

.

Efeito do dispositivo intra-uterino com levonorgestrel e com cobre na vascularização sub-endometrial e no fluxo das artérias uterinas

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Efeito do dispositivo intra-uterino com levonorgestrel e com cobre na vascularização sub-endometrial e no fluxo das artérias uterinas
Autor Jimenez, Mirela Foresti
Orientador Cunha Filho, João Sabino Lahorgue da
Data 2007
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Medicina : Ciências Médicas.
Assunto Ginecologia
Resumo O objetivo avaliar o efeito do DIU com levonorgestrel e do DIU com cobre (TCu 380A) na vascularização sub-endometrial, usando power Doppler, e na vascularização uterina, usando índice de pulsatilidade (IP) e índice de resistência (IR) das artérias uterinas na fase lútea média, antes e três meses depois da inserção do DIU. Realizamos um ensaio clínico (quase-experimento). Dividimos os nossos achados em dois artigos: o primeiro deles descreve as manifestações vasculares uterinas e endometriais decorrentes do uso dos dois tipos de DIU e o segundo artigo correlaciona às alterações vasculares aos principais paraefeitos dos diferentes tipos de DIU. No primeiro estudo incluímos 27 pacientes com DIU com levonorgestrel e 25 pecientes com DIU com cobre. Não houve diferenças significativas na vascularização sub-endometrial entre os grupos (P = 0,45). As usuárias de DIU com levonorgestrel apresentaram aumento na diferença percentuais do IP e IR (antes e depois) (P = 0,001 e P = 0,046, respectivamente) e redução da espessura endometrial (P < 0,001). Usamos o modelo de regressão logística múltipla para avaliar o efeito de possíveis variáveis de confusão (idade e paridade): o DIU com levonorgestrel esteve independentemente associado com aumento no índice de pulsatilidade (P = 0,014). No segundo artigo observamos que as pacientes que apresentaram paraefeitos tiveram aumento na vascularização sub-endometrial evidenciado pelo power Doppler, mesmo controlando para o tipo de DIU, idade e paridade, usando modelo de regressão logística múltipla. O IP e IR, no entanto, não foram diferentes nas pacientes que apresentaram dismenorréia e/ou sangramento, mesmo controlando para o tipo de DIU.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/11500
Arquivos Descrição Formato
000616118.pdf (1.179Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.