Repositório Digital

A- A A+

Adesão farmacológica ao anticoagulante oral e os fatores que influenciam na estabilidade do índice de normatização internacional

.

Adesão farmacológica ao anticoagulante oral e os fatores que influenciam na estabilidade do índice de normatização internacional

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Adesão farmacológica ao anticoagulante oral e os fatores que influenciam na estabilidade do índice de normatização internacional
Autor Ávila, Christiane Wahast
Orientador Silva, Eneida Rejane Rabelo da
Data 2007
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem. Curso de Enfermagem.
Assunto Anticoagulantes orais
Resumo Realizou-se um estudo transversal contemporâneo de agosto a outubro de 2007, com o objetivo de relacionar à estabilidade do índice de normatização interncional (INR) com diversos fatores como adesão, idade, escolaridade, nível sócio-econômico, interação com outras medicações, comorbidades, ingesta de vitamina K e custo das medicações. Foi realizado no ambulatório de Anticoagulação (ACO) do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, RS. Incluiu-se pacientes anticoagulados cronicamente por qualquer indicação clínica e que comparecessem às consultas no ambulatório de ACO; excluíu-se pacientes com déficit cognitivo ou seqüelas neurológicas que podiam comprometer o preenchimento do instrumento. Para a avaliação da adesão foi utilizada a Escala de Adesão de Morisky. Incluiu-se 156 pacientes com idade média de 57 ± 13 anos, (53,8%) do sexo masculino; 61(39,1%) dos pacientes tiverem alta adesão referida, 91(58,3%) média adesão e apenas 4(2,6%) referiram baixa adesão ao tratamento; 117 pacientes (75%) mantiveram-se com estabilidade do INR de até 50% e apenas 39 (25%) tiveram estabilidade maior ou igual a 75%. Os pacientes que tinham menos tempo de anticoagulação apresentaram maior estabilidade do que aqueles anticoagulados há mais tempo. O custo mensal foi outro fator relacionado à estabilidade do INR sendo que os pacientes que gastavam menos com a medicação permaneciam mais estáveis. Os pacientes que gastavam mais com medicação também foram os que apresentaram adesão menos satisfatória.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/115168
Arquivos Descrição Formato
000643363.pdf (165.6Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.