Repositório Digital

A- A A+

Caracterização histológica, imuno-histoquímica e mapeamento de lesões da raiva em medula espinhal de bovinos e equinos

.

Caracterização histológica, imuno-histoquímica e mapeamento de lesões da raiva em medula espinhal de bovinos e equinos

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Caracterização histológica, imuno-histoquímica e mapeamento de lesões da raiva em medula espinhal de bovinos e equinos
Autor Bassuino, Daniele Mariath
Orientador Driemeier, David
Data 2015
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Veterinária. Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias.
Assunto Bovinos : Patologia veterinaria
Equinos : Patologia veterinaria
Histologia animal
Imuno-histoquímica
Raiva
[en] Cattle
[en] Histology
[en] Horse
[en] Immunohistochemistry
[en] Rabies
[en] Spinal cord
Resumo A raiva é uma doença zoonótica causada por um vírus RNA, envelopado, altamente neurotrópico, da família Rhabdoviridae, gênero Lyssavírus. Esta dissertação identificou e mapeou as lesões ocasionadas pelo vírus da raiva na medula espinhal de bovinos e equinos. Os casos foram obtidos no período entre janeiro de 2013 a novembro de 2014, através de necropsias realizadas pelo Setor de Patologia Veterinária da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (SPV-UFRGS) de animais que apresentaram síndrome neurológica. Destes, 33 casos (26 bovinos e sete equinos) foram selecionados com diagnóstico final de raiva, confirmados através do exame histopatológico e imuno-histoquímico (IHQ). Todos os casos foram submetidos ao exame de imunofluorescência direta (IFD), e os negativos a este teste, submetidos à inoculação intracerebral em camundongos (ICC). O material foi processado rotineiramente para histologia e corados com hematoxilina e eosina (HE). O exame de IHQ foi realizado na medula espinhal de todos os animais com anticorpo primário policlonal anti-vírus rábico. A medula espinhal foi subdividida nas porções cervical (C), intumescência cervical (IC), torácica (T), lombar (L), intumescência lombar (IL) e sacral (S) para avaliação. As estatísticas descritivas foram feitas no software IBM SPSS Statistics 18® e um índice de severidade das lesões observadas foi criado, baseado na soma dos graus das lesões e posteriormente dividido pelo número total de animais de cada espécie. O índice agrupou manguitos perivasculares + microgliose + neuroniofagia e analisou separadamente a presença de células gitter e a intensidade de marcação IHQ. Utilizou-se, ainda, o teste exato de Fisher com nível de significância de 5% através do software Epi Info™ 7.1.4 para avaliação do risco relativo entre a presença ou ausência de lesão entre encéfalo e medula espinhal. Todos os casos obtiveram imunomarcação positiva no exame de IHQ (100%). Na IFD dois equinos foram positivos (28,5%). Todos os resultados negativos na IFD foram confirmados na ICC, como negativos. Nos bovinos, a IFD foi positiva em 20 casos (76,9%). Os resultados negativos foram submetidos à ICC, onde cinco casos foram negativos e um positivo. À avaliação da medula espinhal, todos os bovinos e equinos apresentaram lesões histológicas. Nos equinos, as lesões inflamatórias se revelaram discretas nas regiões C, IC; moderada em T, L e S e acentuada na secção de IL. Células gitter estiveram discretamente presentes em C, IC e T; em moderada quantidade nas regiões L e S e acentuada em IL. A marcação IHQ nos fragmentos medulares variou de moderada a acentuada. Nos bovinos as lesões inflamatórias foram moderadas em todos os segmentos medulares. Diferente do observado nos equinos, células gitter foram predominantemente discretas. A marcação IHQ foi acentuada e homogênea em todos os segmentos medulares. Nos equinos observou-se uma maior frequência de lesões a partir do segmento T, no entanto, a marcação IHQ revelou discreta variação entre os segmentos. Na distribuição lesional dos bovinos evidenciou-se variação apenas no quesito malacia, que se mostrou mais frequente nos segmentos L, IL e S. Identificou-se, através do método de Fisher, que a coleta da medula espinhal em equinos possibilita uma chance 3,5 vezes maior na detecção de lesões de raiva quando comparado à análise individual do encéfalo.
Abstract Rabies is a zoonotic disease caused by an enveloped ribonucleic acid (RNA) virus, highly neurotropic, from the Rhabdoviridae family, Lyssavirus genus. This thesis identified and mapped the lesions caused by the rabies virus in the spinal cord of cattle and horses. The samples were obtained within the period from January 2013 to November 2014 from necropsies carried out by the Setor de Patologia Veterinária of Universidade Federal do Rio Grande do Sul (SPV-UFRGS). We selected the thirty three animals (26 cattle and seven horses) that presented neurological syndrome and diagnosis of rabies. Samples from the brain and spinal cord were collected and routinely processed for hematoxylin and eosin (HE) and immunohistochemistry (IHC). The IHC was carried out at the spinal cord of all the animals, with a polyclonal anti-rabid virus as primary antibody. The spinal cord was sectioned at the cervical (C), cervical intumescence (CI), thoracic (T), lumbar (L), lumbar intumescence (LI) and sacral (S) portions to be evaluated. The descriptive statistics of this work was performed using the IBM SPSS Statistic 18® software and an index of the severity observed in the lesions was created based on the grades of the lesions and later divided by the total number of animals of each species. The index grouped cuffs of perivascular inflammatory cells, microgliosis and neuronophagia. Then, separately analyzed the presence of gitter cells and their IHC intensity. To evaluate the relative risk between the presence or absence of lesions between the encephalon and the spinal cord the exact Fisher test was carried out with 5% of significance level runned with the Epi Info™ 7.1.4 software. All the cases were positive for the IHC. At the DIF two horses (28.5%) and 20 cattle (76.9%) were positive. To all the samples negative to DIF, the test of inoculation was applied resulting in all horses and five cattle negative, and one cattle positive. Under the HE evaluating of the spinal cord, all the animals presented histologic lesions. In the horses, the inflammatory lesions were discrete in the C and IC sections; moderate in T, L and S; and accentuated in LI. Gitter cells were discretely present in the C, CI and T sections; moderate in L and S; and accentuated in LI. IHC of the spinal cord fragments varied from moderated to accentuate. The inflammatory lesions from cattle samples were moderate in all of the spinal cord sections. Differently from the observed in horses, gitter cells were predominantly discrete. The IHC staining was accentuated and homogenous in all spinal cord sections. In the horses lesions in the T section were frequently observed; however, IHC staining revealed discrete variation between the sections. The lesions distribution from cattle samples highlighted variation only in the issue concerning malacia, which was frequently demonstrated in the L, LI and S sections. The Fisher test identified that the gathering of horses spinal cords allows a 3.5 times higher chance of detection of rabies lesions than when the individual analysis of the brain is made.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/115191
Arquivos Descrição Formato
000956648.pdf (1.229Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.