Repositório Digital

A- A A+

Associação entre fatores hemostáticos e obesidade: análise da associação entre níveis de fibrinogênio, fatores hemostáticos trombóticos e redução do potencial fibrinolítico com o aumento da massa corporal e o acúmulo abdominal de gordura no estudo dos descendentes de Framingham

.

Associação entre fatores hemostáticos e obesidade: análise da associação entre níveis de fibrinogênio, fatores hemostáticos trombóticos e redução do potencial fibrinolítico com o aumento da massa corporal e o acúmulo abdominal de gordura no estudo dos descendentes de Framingham

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Associação entre fatores hemostáticos e obesidade: análise da associação entre níveis de fibrinogênio, fatores hemostáticos trombóticos e redução do potencial fibrinolítico com o aumento da massa corporal e o acúmulo abdominal de gordura no estudo dos descendentes de Framingham
Autor Rosito, Guido Bernardo Aranha
Orientador Fuchs, Flávio Danni
Co-orientador Tofler, Geoffrey H.
Data 1999
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Curso de Pós-Graduação em Cardiologia.
Assunto Abdome
Fatores de risco
Fibrinogênio : Analise
Hemostasia
Índice de massa corporal
Obesidade : Complicações
Tecido adiposo
Trombose
Resumo Base teórica: A obesidade, especialmente a de tronco, está associada com um aumento do risco de doenças cardiovasculares; embora seja controverso se esta associação se deva a outros fatores de risco. Conseqüências conhecidas do sobrepeso, como hipertensão, dislipidemia e diabete, explicam apenas de parte do risco decorrente da obesidade. Um número crescente de evidências sugere que a associação entre obesidade e fatores hemostáticos possa se constituir em um mecanismo adicional pelo qual obesidade confere risco cardiovascular. Nesta tese analisou-se a associação da obesidade, aferida pelo índice de massa corporal (IMC), distribuição de gordura, aferida pela razão cintura quadril (C/Q) com fatores hemostáticos. Métodos: Estudou-se 3230 indivíduos (55% mulheres) com média de 54 anos de idade sem história de doença cardiovascular arrolados no quinto ciclo do Estudo dos Descendentes de Framingham. Amostras de sangue emjejum foram coletadas entre 8 e 9 horas da manhã para a determinação de fibrinogênio, fator VII, fator de von Willebrand (vW), fator ativador do plasminogêriio (tPA), inibidor do ativador do plasminogênio (PAI-I) e viscosidade sangüínea, além de dos níveis de lipídeos e glicose. Resultados: Fibrinogênio, fator VII, fator de von Willebrand, tPA e PAI-l associaram-se com IMC tanto em homens quanto em mulheres (p=0,02 para fator de vW e p<O,OOOI para os demais). A viscosidade plasmática associou-se com IMC em mulheres (p<O,OOOI), mas não em homens (P=O,14). Fibrinogênio, fator VII, fator de von Willebrand, tPA, PAI-1 e viscosidade plasmática associaram-se com W/C tanto em homens quanto em mulheres (p=0,0005 em homens e p=0,01 em mulheres para a viscosidade plasmática e p<O,OOOI para os demais). Todas as associações verificadas para fibrinogênio, fator VII, tPA e PAI-I persistiram após regressão linear múltipl~ controlando-se para as covariáveis idade, tabagismo, uso de antihipertensivos, pressão arterial sistólica, colesterol total e HDL, triglicerídeos e glicose. As associações para o fator de vW permaneceram para o C/Q em homens e para IMC em mulheres. As associações para a viscosidade sangüínea tanto para IMC quanto C/Q persistiram em mulheres mas não em homens. Conclusão: O sobrepeso e o acúmulo de gordura abdominal estão fortemente associados com fatores hemostáticos. Estas associações são independentes de idade, tabagismo e fatores de risco decorrentes da obesidade. Como a associação entre obesidade e doenças vasculares não pode ser completamente explicada por fatores de risco tradicionais, alterações da hemostasia como aumento de fibrinogênio e fatores de coagulação, juntamente com redução do potencial fibrinolítico poderiam se constituir em mecanismos adicionais para explicar o excesso de eventos cardiovasculares em indivíduos obesos.
Abstract Background: Obesity, specially truncaI obesity, has been associated with an increased risk for cardiovascuIar disease, aIthough the mechanism ofthe risk has not been fully explained. The consequences of heavy weight, such as hypertension, hyperlipidimia and diabetes, account only for part of the risk attributed to obesity. Since thrombosis is a criticaI component of cardiovascular events, we determined the relationship between obesity, as assessed by body mass index (BMI), fat distribution as assessed by waist-to-hip ratio (W/H) and hemostatic factors. Methods: We studied 3230subjects (55% females) of average age of 54 years without history of cardiovascular disease enrolled in cycle 5 of the Framingham Offspring Study. Fasting bIood samples were obtained between 8-9 am for determination of fibrinogen, plasminogen activator inhibitor (PAI-I) antigen, tissue pIasminogen activator (tPA) antigen, von Willebrand (vW) factor, factor VII antigen and plasma viscosity, as well as lipid and glucose leveIs. Results: Fibrinogen, factor VII, von Willebrand factor, tPA and PAI-1 were associated with body mass index in both men and women.(p<O.OOOI for all except vWfactor in men, p=O.02). Plasma viscosity was associated with body mass index in women (p<O.OOOI) but not in men (p=O.I4). Fibrinogen, viscosity, factor VII, von Willebrand factor, tPA and PAI-1 were associated with waist-to-hip ratio in both men and women (p<O.OOOI for all, except for viscosity, p=O.OOS in men and p=O.OI in women). All the associations found for fibrinogen, PAI-I, tPA, and factor VII persisted afier multiple linear regression, controlling for the covariates of age, smoking, total and HDL cholesterol, triglycerides, blood pressure and glucose level. The associations ofwW fador persisted significant for BMI in women but not for men and for WIH in men but not in women. The association between viscosity and BMI or WIH persisted in women but not in men. Conclusion: Heavy weight and abdominal accumulation of fat are strongly associated with hemostatic factors. These associations are independent of age, smoking and cardiovascuIar risk factors linked to obesity. Since the link between vascular disease and obesity cannot be fully expIained by traditional risk factors, a hypercoaguIabIe state could be one of the mechanisms Ieading to an excess of cardiovascuIar events in obese individuals.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/115312
Arquivos Descrição Formato
000241548.pdf (7.752Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.