Repositório Digital

A- A A+

"Eu também tenho um profe menino!" : o masculino na educação infantil

.

"Eu também tenho um profe menino!" : o masculino na educação infantil

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título "Eu também tenho um profe menino!" : o masculino na educação infantil
Autor Porto Alegre, Andriws
Orientador Felipe, Jane
Data 2014
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Educação. Curso de Pedagogia: Licenciatura.
Assunto Educação infantil
Gênero
Resumo O trabalho “Eu também tenho um profe menino!”: O masculino na Educação Infantil buscou conhecer e analisar quais os discursos e representações presentes em uma escola de Educação Infantil localizada na cidade de Porto Alegre, a partir da presença e do trabalho desenvolvido por professores homens nessa primeira etapa da Educação. Como metodologia, utilizei entrevistas semi-estruturadas com oito familiares de alunos e alunas, com dois professores homens que atuam na Educação Infantil da referida instituição, bem como com cinco professoras que com estes realizam docência compartilhada. Como base teórica, busco inspiração nas obras de Guacira Lopes Louro (1995; 1997), Jane Felipe (2006), Fernando Seffner (2003) e ainda alguns trabalhos que se debruçaram sobre a mesma temática, a saber: Tiago Campos Dutra (2013), Luis Carlos Teixeira da Silva (2012), Joaquim Ramos (2011), Francisca Mariano Silveira (2011) e Deborah Thomé Sayão (2010) e Maria Luiza Flores (2000). Os resultados das análises apontaram para três categorias de análise, a saber: Entre a ordem e a recreação: o papel do professor na Educação Infantil, Provando competência continuamente e Alguns estranhamentos e preconceitos. Ficou evidenciado nos depoimentos que o professor que atua na Educação Infantil é visto como uma figura importante para jogar com as crianças, servindo como “agente de recreação” ou como um profissional responsável pelas atividades físicas ou, ainda, como responsável por “colocar ordem” na turma. As análises demonstraram ainda que esses professores precisavam provar sua competência, muitas vezes em função de certa desconfiança por parte das famílias e das próprias colegas professoras que compartilhavam com eles a docência. Desse modo, os docentes homens precisam constantemente provar seus conhecimentos pedagógicos, se esforçando no sentido de “conquistar a confiança” dos familiares das crianças. Quando esses professores atuam no berçário, a preocupação com a atuação deles parece redobrada, em especial no que se refere às trocas de fraldas, por exemplo. As conclusões apontam para a necessidade de aprofundarmos o debate em torno da inserção masculina na Educação Infantil.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/115761
Arquivos Descrição Formato
000955935.pdf (554.8Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.