Repositório Digital

A- A A+

"Thus conscience does make cowards of us all" : the construction of soliloquies in Shakespeare

.

"Thus conscience does make cowards of us all" : the construction of soliloquies in Shakespeare

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título "Thus conscience does make cowards of us all" : the construction of soliloquies in Shakespeare
Autor Oliven, Rafael Campos
Orientador Maggio, Sandra Sirangelo
Data 2015
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Letras. Programa de Pós-Graduação em Letras.
Assunto Linguagem
Literatura inglesa
Mal
Psicanálise
Shakespeare, William 1564-1616.
[en] English literature
[en] Evil
[en] Language
[en] Psychoanalysis
[en] Soliloquies
Abstract This thesis aims at analysing the appearance and construction of soliloquies in three major Shakespearean tragedies, Macbeth, Hamlet and Othello. The focus of the research lies on the relationship involving the plays and the concept of individual identity that originates at the dawn of the Modern Age. The research is grounded on Freudian psychoanalytical theory and on the analysis of language and discourse proposed by Michel Foucault. Soliloquies correspond to the inner dialogue that characters have with themselves when no one else is present and only the audience, or the reader, can hear or read them. Differently from the monologue, which is always addressed to one or more people present at the scene, soliloquies are usually witty, and express the inner speech and deepest thoughts and feelings of a character. This happens because with soliloquies there is no process of censorship, or the need to correspond to the expectation of other characters. My hypothesis is that soliloquies originate in and are related to the need of individuals to express themselves according to their own conscience, not only as members of a community who act and think publicly, as was the case in ancient times, or according to the religious precepts and strict moral codes of the Middle Ages. I hope that this work can contribute to illustrate the moment in which the concept of individuality starts to be put to use. Some of the themes discussed in the thesis address the questions of justice and ethics in face of disgrace, the origin of evil and how it is addressed. The themes are dealt with in the analysis of the dichotomies and stereotypes that operate in those Shakespearean tragedies. The language and content of the soliloquies will be analysed through a philosophical and psychoanalytical approach.
Resumo Esta dissertação analisa a construção dos solilóquios em três das principais tragédias de Shakespeare, a saber, Macbeth, Hamlet e Othello, e sua relação com a formação da consciência na construção da identidade do indivíduo, um conceito que ocorre a partir do início da Idade Moderna. A pesquisa se apoia na teoria psicanalítica freudiana e na análise da linguagem e do discurso elaborada por Foucault. Os solilóquios correspondem ao diálogo que as personagens travam consigo mesmas em momentos quando somente a plateia, ou o leitor, podem escutá-los ou lê-los. Diferentemente do monólogo – que passa pelo crivo da razão, por ser dirigido a um ou mais interlocutores em cena – o solilóquio é mais espirituoso, flui mais livremente e expressa a fala interior e os pensamentos e sentimentos mais profundos das personagens. No solilóquio inexistem o processo de censura ou a necessidade de corresponder às expectativas de outrem. Ele prende a atenção do público e pressupõe a sua conivência para com os argumentos apresentados. Minha hipótese é que no drama Shakespeariano os solilóquios têm a função de acomodar o indivíduo com a sua própria consciência, num tempo em que este não consegue mais se ver como membro de uma comunidade, que pensa e age publicamente, como ocorria na antiguidade, ou de acordo com os preceitos religiosos e morais rigorosos da Idade Média. Apresento este trabalho como um estudo sobre o momento histórico e estético em que o indivíduo moderno passa a se constituir conceitualmente. Os principais temas de fundo na dissertação são a questão da justiça e da ética frente à desgraça; e a questão do mal e de como lidar com ele. A discussão será feita a partir do questionamento das dicotomias e dos estereótipos que operam nessas três tragédias Shakespearianas. A linguagem e o conteúdo dos solilóquios serão analisados sob um enfoque filosófico e psicanalítico.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/116630
Arquivos Descrição Formato
000965405.pdf (600.4Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.