Repositório Digital

A- A A+

Influência de comorbidades clínicas na resposta ao tratamento trombolítico em pacientes com acidente vascular cerebral isquêmico

.

Influência de comorbidades clínicas na resposta ao tratamento trombolítico em pacientes com acidente vascular cerebral isquêmico

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Influência de comorbidades clínicas na resposta ao tratamento trombolítico em pacientes com acidente vascular cerebral isquêmico
Outro título Clinical comorbidities are highly correlated with functional outcome in stroke thrombolysis
Autor Martins, Rodrigo Targa
Orientador Bianchin, Marino Muxfeldt
Data 2013
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas.
Assunto Acidente vascular cerebral
Fibrinolíticos
Isquemia
[en] Acute ischemic stroke
[en] Charlson index
[en] Comorbidities
[en] Outcome
[en] Thrombolysis
Resumo Introdução: Diversas condições clínicas podem modificar a resposta ao tratamento trombolítico no acidente vascular isquêmico agudo. O grau de comorbidade dos pacientes medido pelo Índice de Charlson, um índice que mede o grau de comorbidades clínicas em AVC, tem valor prognóstico na incapacidade pós-AVC tanto em populações com acidente vascular do tipo hemorrágico como isquêmico. Objetivo: Avaliar o efeito do grau de comorbidade aferido pelo índice de Charlson na resposta ao tratamento trombolítico no acidente vascular isquêmico e a incapacidade na alta hospitalar. Métodos: Estudo de coorte prospectivo de 96 pacientes tratados com trombólise para o acidente vascular isquêmico, avaliando o impacto das comorbidades clínicas na resposta ao tratamento trombolítico no AVC isquêmico. Os pacientes foram divididos em dois grupos, aqueles com alto ou baixo grau de comorbidades clínicas, conforme o índice de Charlson. A evolução após o tratamento foi aferida pelo escore de gravidade dos sintomas de acordo com a escala do NIHSS medido antes da infusão, imediatamente após o tratamento, 24horas e 7 dias após a trombólise. A incapacidade na alta foi avaliada pela escala modificada de Rankin sendo, considerada boa resposta a pontuação 0-1 e sua frequência comparada entre os dois grupos de pacientes. Resultados: A comparação dos escores médios do NIHSS mostraram diferenças significativas nos diferentes momentos entre os grupos de alta e baixa comorbidade (Wilk's Lambda test F (1,92) = 24.293; p< 0.001). Pacientes com índice de comorbidade baixo apresentaram redução do escore do NIHSS de 10.13 para 2.9, enquanto que no grupo com alta comorbidade, o tratamento trombolítico demostrou pouco efeito. Uma boa evolução, definida como incapacidade 0 e 1 na escala modificada de Rankin, foi observada em (73%) dos pacientes com baixo índice de comorbidade, enquanto somente (15%) dos pacientes com alto índice de comorbidade apresentaram essa evolução favorável, uma diferença clinicamente muito significativa (RR 5.62; 95% CI = 2.97 a 10.65; p< 0.001). Conclusão: A presença de comorbidades clínicas medida peloíndice de Charlson foi associada a uma menor resposta neurológica no tratamento trombolítico do AVC isquêmico e a um maior grau de incapacidade funcional na alta.
Abstract Background and purpose: Clinical comorbidities modify prognosis in haemorrhagic and ischaemic stroke. Charlson Comorbidity index is a validated and useful tool for evaluating comorbidity in stroke. In this study we evaluated the effect of clinical comorbidities as measured by Charlson Comorbidity Index in the in ischaemic stroke thrombolysis. Methods: Prospective cohort study of 96 thrombolysis treated ischaemic stroke patients. The cohort population was divided in two groups according with severity of Charlson Comorbidity Index. During study, NIHSS score was evaluated four times (pre, post, 24 hours and 7 days after thrombolysis) and lower or higher comorbidities groups were compared using repeated measures ANOVA. Response to thrombolysis in both groups was also analysed with disability modified Rankin scale. Results: We observed differences in evolution of mean NIHSS scores between higher and lower clinical comorbidity groups. Patients with low clinical comorbidities experiencing a significant reduction of NIHSS score that ranged from 10.13 to 2.9 points, while patients in the HIC group had initial NIHSS score of 14.75 and final NIHSS score of 13.78 (Wilk's Lambda test F (1,92) = 24.293; p< 0.001). Lack of response to thrombolysis had direct relation with disability at hospital discharge. Better clinical outcome, as evaluated by modified Rankin scale of 0 and 1, was markedly different between groups, with 23 (73%) versus 9 (15%) in low and high clinical comorbidities patients respectively (RR=5.62; 95%CI=2.97 to 10.65; p< 0.001). Conclusion: High level of clinical comorbidities negatively influences response to thrombolysis, attenuating treatment related reduction of stroke symptoms severity and increasing the frequency of disabled patients at discharge.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/117110
Arquivos Descrição Formato
000912625.pdf (990.4Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.