Repositório Digital

A- A A+

Além do azul e rosa : papéis culturais de gênero em brinquedos e revistas dirigidos à criança

.

Além do azul e rosa : papéis culturais de gênero em brinquedos e revistas dirigidos à criança

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Além do azul e rosa : papéis culturais de gênero em brinquedos e revistas dirigidos à criança
Autor Sant’Anna, Luiza Moucachen de
Orientador Rosa, Russel Teresinha Dutra da
Data 2014
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Biociências. Curso de Ciências Biológicas: Licenciatura.
Assunto Criança
Identidade de gênero
Resumo A primeira divisão binária a nos qualificar e a qual, atualmente, se tornou palco de discussões e reflexões é o gênero. A dicotomia de gênero reproduzida historicamente é vista pela criança como uma convenção complexa e difícil de modificar. Construir um ambiente igualitário para as crianças nas idades iniciais de escolarização pode suavizar a divisão de comportamentos, abrindo possibilidades de desenvolvimento e de expressão plena não somente durante o período escolar, mas ao longo da vida adulta. Para encontrar as influências culturais da infância, podemos observar a brincadeira das crianças e o que estas fazem enquanto brincam, pois a reivindicação de espaço e objetos para sua atividade reflete a forma que a criança enxerga o mundo em que vive (Sayão, 2003). Os papéis de gênero presentes na infância são desenvolvidos pelas próprias crianças como expressão de sua forma de ver as relações sociais. Elas diferenciam os sexos de forma a experimentar os diferentes papéis e ideias, parecendo às vezes exageradas na divisão dos comportamentos. Nas brincadeiras de faz de conta, as crianças extrapolam as identidades convencionais de gênero para construir sua individualidade (Histlam, 2006), mas não significa que ao brincar com as características do polo oposto fará a criança homo ou transexual. O brinquedo não é mais somente um produto da cultura onde está inserido, mas sofre influência do planejamento do marketing sobre ele. Reforçando o estereótipo de gênero, o marketing pode refinar ainda mais a mensagem e especificar seu destinatário, eliminando ambiguidades acerca de seu produto. Nas revistas de divulgação científica observamos que determinadas profissões são relacionadas à um gênero ou a outro, raramente trazendo outra etnia que não a branca, mostrando uma visão limitada para o futuro das crianças. Analisamos brinquedos disponíveis em lojas, brincadeiras em parques e revistas de divulgação científica buscando encontrar a perpetuação dos papéis de gênero e a forma como ocorre.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/117633
Arquivos Descrição Formato
000967585.pdf (1.437Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.