Repositório Digital

A- A A+

Thoracotomy versus transhiatal esophageal dissection : which is the best surgical approach to short esophagus

.

Thoracotomy versus transhiatal esophageal dissection : which is the best surgical approach to short esophagus

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Thoracotomy versus transhiatal esophageal dissection : which is the best surgical approach to short esophagus
Outro título Toracotomia ou dissecção esofágica trans-hiatal : qual a melhor melhor abordagem para o esôfago curto?
Autor Beduschi, Thiago
Bigolin, André Vicente
Cavazzola, Leandro Totti
Abstract Purpose: To evaluate different approaches performed to obtain a more significant esophageal length. Methods: An experimental model using 28 cadavers was conceived. Randomized groups: Group A (n=10) underwent laparotomic transhiatal approach; Group B (n=9) which differed from the first in the conduction of a wide phrenotomy and Group C (n=9) esophageal dissection was performed through a left anterolateral thoracotomy. Results: Final length variations for Group A were 2.12cm and 3.29cm and for Group B 3.24 cm and 3.66cm, without and with esophageal traction, respectively. In Group C length gain observed was 3.81 cm. The mediastinal dissections conducted through the hiatus was considered the procedure that produced the better esophageal mobilization, and the association of wide phrenotomy significantly improved the results. Conclusions: The mediastinal dissection was the most effective to improving gain in abdominal esophagus. When toracotomy and laparotomy were compared, no significant differences were observed in the outcome
Resumo Objetivo: Avaliar diferentes procedimentos realizados para obtenção de um ganho mais significativo no comprimento esofágico. Métodos: Um estudo experimental utilizando 28 cadáveres foi realizado. Randomização dos grupos: Grupo A (n=10): Submetido à abordagem laparotômica trans-hiatal; Grupo B (n=9): Diferente do primeiro apenas pela realização de uma frenotomia ampla; e Grupo C (n=9): A dissecção esofágica foi realizada por uma toracotomia anterior esquerda. Resultados: A variação final do comprimento para o Grupo A foi 2,2 cm e 3,29 cm e para o Grupo B 3,24cm e 2,66cm, medidas na ausência e presença de tração esofágica, respectivamente. No Grupo C o ganho de comprimento observado foi de 3,81 cm. A dissecção mediastinal conduzida através do hiato foi considerada o procedimento de melhor mobilização esofágica e a associação de uma ampla frenotomia levou a uma significativa melhora nos resultados. Conclusões: A dissecção mediastinal foi a mais efetiva para promover o aumento do esôfago abdominal. Quando comparadas toracotomia e laparotomia, nenhuma diferença significativa foi observada no desfecho do estudo
Contido em Acta cirúrgica brasileira. São Paulo. Vol. 26, n. 3 (maio/jun. 2011), p. 214-219
Assunto Cadaver
Cadaver
Cirurgia
Dissecação
Dissecção
Esôfago
Esôfago
Laparotomia
Laparotomia
Mediastino
Mediastino
Procedimentos cirúrgicos operatórios
Toracotomia
Origem Nacional
Tipo Artigo de periódico
URI http://hdl.handle.net/10183/119064
Arquivos Descrição Formato
000956084.pdf (882.0Kb) Texto completo (inglês) Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.