Repositório Digital

A- A A+

Reuniões de equipe na Estratégia Saúde da Família a partir do referencial pichoniano de grupo operativo

.

Reuniões de equipe na Estratégia Saúde da Família a partir do referencial pichoniano de grupo operativo

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Reuniões de equipe na Estratégia Saúde da Família a partir do referencial pichoniano de grupo operativo
Outro título Reuniones de equipo en la Estrategia Salud de la Familia a partir del referencial pichoniano de grupo operativo
Outro título Team meetings in Family Health Strategy based on the pichonian reference of an operational group
Autor Grando, Maristel Kasper
Orientador Dall'Agnol, Clarice Maria
Data 2007
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem.
Assunto Administração de serviços de saúde
Estrutura de grupo
Gestão em saúde
Grupos focais
Pichon-Rivière, Enrique 1907-1977.
Processos grupais
Programa Saúde da Família.
[en] Family health program
[en] Focus groups
[en] Group processes
[en] Group structure
[en] Health management
[en] Health services administration
[es] Administración de los servicios de salud
[es] Estructura de grupo
[es] Gestión en salud
[es] Grupos focales
[es] Procesos de grupo
[es] Programa salud de la família
Resumo Estudo exploratório, qualitativo, com o objetivo de analisar as reuniões de equipe da Estratégia Saúde da Família, à luz do referencial pichoniano de grupo operativo. Pontualmente, buscou-se caracterizar essa prática com relação aos aspectos organizacionais e logísticos, bem como identificar os aspectos dinamizadores e obstaculizadores da dinâmica grupal, a partir do olhar da equipe. Os dados foram coletados no período entre maio e agosto de 2007, em um município do Estado do Rio Grande do Sul, por meio das Técnicas de Observação Direta Não Participante e de Grupos Focais. Foram observadas cinco reuniões protocolares da equipe, tendo-se realizado cinco encontros de Grupos Focais. Participaram do estudo duas equipes da Estratégia Saúde da Família, caracterizadas como equipe dupla, agregando 18 sujeitos, entre eles: enfermeiros, médicos, dentistas, técnicos de enfermagem, auxiliares de consultório dentário e agentes comunitários de saúde. O material foi organizado conforme propõe Minayo (2007), tendo-se adotado a perspectiva pichoniana de grupo operativo para análise do mesmo. Os resultados preliminares, oriundos da observação, constituíram-se nos disparadores das sessões do Grupo Focal e os resultados, no conjunto, foram agrupados em três eixos temáticos: caracterização das reuniões de equipe quanto aos aspectos organizacionais e logísticos, aspectos dinamizadores e obstaculizadores da dinâmica grupal e alguns insights para romper com a estereotipia. Para os participantes, as reuniões de equipe são compreendidas como importantes espaços de encontro com vistas à construção coletiva do trabalho cotidiano. No entanto, a prática adotada centrava-se no atendimento de questões técnicas, tangenciando aspectos relacionados ao processo grupal, condição considerada necessária ao trabalho em equipe, na Estratégia Saúde da Família. Pela ótica dos sujeitos, os aspectos de organização e logística das reuniões de equipe não foram cogitados como relevantes, embora carecessem de certos cuidados, especialmente na elaboração da pauta, na utilização do livro-ata e no tempo de duração das reuniões. Dificuldades de expressar idéias e emitir opiniões contrárias emergiram como obstáculos na dinâmica grupal, indicando que a condição de adotar uma postura crítica levava à segregação do grupo, apontando que as principais fragilidades estavam associadas ao processo relacional da equipe. 9 Ao final, alguns insights favoreceram a tomada de consciência e, assim, desvelou-se a ilusão de “equipe perfeita”, havendo gradual reconhecimento de que esta concepção permanecia mais no plano da idealização do que, propriamente, da realidade. Em um movimento participativo com os próprios sujeitos, identificou-se que havia necessidade de instrumentação da equipe para manejar aspectos relacionados ao processo grupal, considerando que o conhecimento sobre o referencial de Grupo Operativo poderia contribuir para o trabalho que envolve grupos, pois se trata de uma iniciativa que tem se configurado numa tendência do trabalho em saúde, na atualidade. Desse modo, conhecer e conseguir identificar os principais fenômenos presentes no campo grupal, possibilita às equipes conduzirem suas reuniões de forma operativa, considerando-se não somente os resultados, mas, sobretudo, o processo percorrido pelos sujeitos até o alcance da tarefa, com vistas à aprendizagem grupal.
Resumen Estudio exploratorio, cualitativo, con el objetivo de analizar las reuniones de equipo de la Estrategia Salud de la Familia, desde el referencial pichoniano de grupo operativo. Puntualmente, se buscó caracterizar esa práctica con relación a los aspectos organizacionales y logísticos, bien como identificar a los aspectos dinamizadores y obstaculizadores de la dinámica grupal, a partir del punto de vista del equipo. Los datos fueron recolectados en el período entre mayo y agosto de 2007, en una municipalidad del estado del Rio Grande do Sul, por medio de las Técnicas de Observación Directa No Participante y de Grupos Focales. Fueron observadas cinco reuniones protocolares del equipo y realizados cinco encuentros de Grupos Focales. Participaron del estudio dos equipos de la Estrategia Salud de la Familia, caracterizados como equipo doble, agregando 18 sujetos, entre ellos: enfermeros, médicos, dentistas, técnicos de enfermería, auxiliares de consultorio dentario y agentes comunitarios de salud. El material fue organizado según propone Minayo (2007), siendo adoptada la perspectiva pichoniana de grupo operativo para análisis del mismo. Los resultados preliminares, oriundos de la observación, se constituyeron en los disparadores de las sesiones del Grupo Focal y los resultados, en el conjunto, fueron agrupados en tres ejes temáticos: caracterización de las reuniones de equipo en cuanto a los aspectos organizacionales y logísticos, aspectos dinamizadores y obstaculizadores de la dinámica grupal y algunos insights para romper con la estereotipia. Para los participantes, las reuniones de equipo son comprendidas como importantes espacios de encuentro con vistas a la construcción colectiva del trabajo cotidiano. Sin embargo, la práctica adoptada se centraba en la atención a cuestiones técnicas, pasando al lado de los aspectos relacionados al proceso grupal, condición considerada necesaria al trabajo en equipo, en la Estrategia Salud de la Familia. Según la óptica de los sujetos, los aspectos de organización y logística de las reuniones de equipo no fueron considerados relevantes, sin embargo carecían de ciertos cuidados, especialmente en la elaboración de la pauta, en la utilización del libro-acta y en el tiempo de duración de las reuniones. Dificultades de expresar ideas y emitir opiniones contrarias emergieron como obstáculos en la dinámica grupal, indicando que la condición de adoptar una postura crítica llevaba a la segregación del grupo, apuntando que las 11 principales fragilidades estaban asociadas al proceso relacional del equipo. Al final, algunos insights favorecieron la toma de consciencia y, así, se desveló la ilusión de “equipo perfecto”, ocurriendo gradual reconocimiento de que esta concepción permanecía más en el plano de la idealización que, propiamente, de la realidad. En un movimiento participativo con los propios sujetos, se identificó que había necesidad de instrumentación del equipo para manejar aspectos relacionados al proceso grupal, considerando que el conocimiento acerca del referencial de Grupo Operativo podría contribuir para el trabajo que envuelve grupos, visto tratarse de una iniciativa que se haya configurado en una tendencia del trabajo en salud actualmente. De ese modo, conocer y conseguir identificar los principales fenómenos, presentes en el campo grupal, posibilitan a los equipos conducir sus reuniones de forma operativa, considerándose no solamente los resultados, pero, sobretodo, el proceso recorrido por los sujetos hasta el alcance de la tarea, con vistas al aprendizaje grupal.
Abstract Exploratory qualitative study, to analyze the meetings of the Family Health Strategy team, considering the Pichonian reference of an operational group. It was sought to characterize this practice regarding the organizational and logistic aspects, touching on certain points, and also to identify the aspects that dynamize and create obstacles in group dynamics, based on the look of the team. The data were collected in May-August 2007, in a municipality of the state of Rio Grande do Sul, using the Non-Participant Direct Observation Techniques and Focus Groups. Five meetings conducted by the team according to a protocol were observed, and five Focus Group meetings were held. Two Family Health Strategy teams participated in the study, characterized as a double team, with 18 individuals, including: nurses, physicians, dentists, nurse technicians, dental office assistants and community health agents. The material was organized as proposed by Minayo (2007) and the pichonian perspective of an operational group was adopted to analyze it. The preliminary results of observation were the triggers for the Focus Group sessions and all the results were grouped into three thematic lines: characterization of team meetings regarding the organizational and logistic aspects, dynamizing aspects and those of obstacles to group dynamics, and a few insights to break down the stereotype. For the participants, the team meetings are seen as important meetings spaces with a view to the collective construction of day-to-day work. However, the practice adopted focused on responding to technical issues, touching on aspects related to the group process, a condition considered essential for team work in the Family Health Strategy. From the standpoint of the subjects, the aspects of organization and logistics of the team meetings were not considered relevant, although they lack a certain amount of care, especially when establishing the agenda, recording the minutes and meeting duration. Difficulties in expressing ideas and presenting contrary opinions emerged as obstacles in the group dynamics, indicating that adopting a critical attitude led to segregation from the group, showing that the main weaknesses were associated with the process of team relations. At the end, a few insights favored awareness, and thus the illusion of a “perfect team” was shown not to be true, with a gradual recognition that this concept was rather a matter of idealization than of reality, proper. In a participatory movement with the subjects 13 themselves, it was identified that the team had to be instrumented to manage aspects related to the group process, considering that knowledge on the referential of an Operational Group might contribute to the work involving groups, since this is currently an initiative that has become a tendency of health care work. Thus, getting to know and managing to identify the main phenomena present in the field of groups allows the teams to conduct their meetings in an operational form, considering not only the results , but above all the process used by the subjects until the task is fulfilled, with a view to group learning.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/11972
Arquivos Descrição Formato
000620162.pdf (557.5Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.