Repositório Digital

A- A A+

Avaliação dos efeitos da frutose-1,6-bisfosfato sobre a agregação plaquetária e a composição sangüínea na sepse experimental em ratos

.

Avaliação dos efeitos da frutose-1,6-bisfosfato sobre a agregação plaquetária e a composição sangüínea na sepse experimental em ratos

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Avaliação dos efeitos da frutose-1,6-bisfosfato sobre a agregação plaquetária e a composição sangüínea na sepse experimental em ratos
Autor Oliveira, Luciana Mello de
Orientador Roesler, Rafael
Data 2007
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas.
Assunto Agregação plaquetária
Coagulação sanguínea
Frutose-bisfosfatase
Modelos animais de doenças
Ratos
Sepse
Resumo A sepse é uma das principais causas de admissão de pacientes nas unidades de terapia intensiva e apresenta altas taxas de mortalidade. Anormalidades na coagulação são freqüentes em pacientes com sepse e contribuem para o desenvolvimento da disfunção de múltiplos órgãos. A Frutose-1,6-bisfosfato (FBP) é uma substância formada na rota glicolítica que tem demonstrado efeito terapêutico em diversas situações que envolvem lesão celular, como, por exemplo, a sepse. Além de diminuir a resposta inflamatória, a FBP também pode inibir a agregação plaquetária in vitro induzida por diversos agregantes. Este estudo teve por objetivo avaliar os efeitos in vitro da FBP sobre a agregação plaquetária em plasma de ratos hígidos e sépticos, bem como os efeitos do tratamento com FBP no momento da indução da sepse sobre a agregação plaquetária e coagulação sangüínea. Em um primeiro momento foram conduzidos os experimentos in vitro.Os animais foram divididos em dois grupos, hígido e séptico, e doses crescentes de FBP foram incubadas no plasma destes animais. Em um segundo experimento, os animais foram divididos em três grupos experimentais: controle, séptico e séptico tratado com FBP 2g/kg. Doze horas após a indução da sepse, o sangue dos animais foi coletado para as avaliações referentes à coagulação sangüínea e a agregação plaquetária ex-vivo. A FBP inibiu a agregação plaquetária in vitro (p<0,001) de maneira dose-dependente. Em ratos hígidos, a inibição foi verificada a partir da dose mais baixa testada, 2,5mM. A dose média efetiva calculada foi de 10,6mM. A dose mais alta testada no grupo hígido, 40mM, inibiu completamente a agregação plaquetária. Já a agregação plaquetária em plasma obtido de ratos sépticos foi inibida somente com doses mais altas de FBP, a partir de 20mM. A dose média efetiva calculada foi de 19,3mM. A agregação plaquetária ex vivo foi significativamente menor (p<0,05) emratos sépticos e sépticos tratados com FBP 2g/kg. A agregação plaquetária no grupo tratado foi de 27%, significativamente menor que no grupo séptico, e preveniu a trombocitopenia (p<0,001). Além disso, o tratamento com FBP reverteu o prolongamento dos tempos de protrombina (p<0,001) e tromboplastina parcial ativada (p<0,001), resultados que sugerem que a FBP possua um efeito inibidor da agregação plaquetária e coagulação sangüínea in vivo, representando um possível tratamento para a coagulação intravascular disseminada decorrente da sepse. Entretanto, outros estudos são necessários para avaliação deste efeito. Os mecanismos de ação ainda estão sob investigação.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/12067
Arquivos Descrição Formato
000621410.pdf (599.8Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.