Repositório Digital

A- A A+

Avaliação da assistência pré-natal realizada nas unidades de saúde de Santa Maria/RS

.

Avaliação da assistência pré-natal realizada nas unidades de saúde de Santa Maria/RS

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Avaliação da assistência pré-natal realizada nas unidades de saúde de Santa Maria/RS
Autor Anversa, Elenir Terezinha Rizzetti
Orientador Dal Pizzol, Tatiane da Silva
Data 2010
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia.
Assunto Atenção primária à saúde
Cuidado pré-natal
Qualidade da assistência à saúde
Saúde da família
[en] Family health
[en] Prenatal care
[en] Primary health care
[en] Quality of health care
Resumo O Sistema de Saúde brasileiro contempla dois modelos de atendimento: Unidades Básicas de Saúde tradicionais (UBS tradicionais) e Unidades Estratégia Saúde da Família (ESF). Este último foi concebido como forma de reorganizar a Atenção Primária à Saúde (APS) no país, conforme os preceitos do Sistema Único de Saúde (SUS). A realização de um pré-natal com qualidade é protetor dos desfechos desfavoráveis à saúde das gestantes e de seus bebês. O presente trabalho tem por objetivo avaliar o processo da atenção pré-natal em um município da Região Central do Estado do Rio Grande do Sul, verificando se há diferença na qualidade do pré-natal entre os dois modelos de atenção. Foram utilizados quatro níveis de qualidade: nível 1, que consiste no índice de Kessner, modificado por Takeda; nível 2, que adiciona ao nível 1 procedimentos clínico-obstétricos; nível 3, que adiciona ao nível 1 exames laboratoriais; e, nível 4, que considera todos os parâmetros anteriores. Realizou-se um estudo transversal, no período no período de julho de 2009 a fevereiro de 2010. Foram entrevistadas 795 puérperas até 48 horas após o parto, atendidas em dois hospitais públicos do município, que realizaram seu pré-natal em UBS tradicional ou em ESF. A coleta de dados consistiu de questionário aplicado à puérpera, análise do cartão da gestante e do prontuário, sendo realizadas análises estatísticas descritivas. A qualidade do pré-natal, conforme o índice de Kessner modificado (nível 1), foi classificada como adequada em 58,7% dos casos. Ao comparar a assistência pré-natal por local de realização do pré-natal, a adequação foi de 56,0%, nas UBS tradicionais e de 65,0%, nas ESF. Acrescentados à qualidade do pré-natal outros parâmetros, além do número de consultas, a adequação do pré-natal diminuiu. Ao ser avaliado o nível 4, 7,3% das gestantes tiveram um pré-natal adequado, sendo 6,0% nas UBS tradicionais e 9,5% na ESF. As gestantes atendidas na ESF receberam mais orientações sobre aleitamento materno, anticoncepção pós-parto, retorno à consulta de puerpério, cuidados com o recém-nascido, tipo de parto e orientações sobre HIV. A adequação do pré-natal foi favorável à ESF, com significância estatística nos níveis 1 e 2. As gestantes que realizaram o pré-natal no município tiveram baixos percentuais de inadequação no pré-natal, nos dois modelos de atenção, resultado que pode ser decorrente, em parte, da exclusão da amostra das gestantes que não haviam realizado nenhuma consulta de pré-natal. O estudo tem uma valia importante para a gestão, ao demonstrar que a assistência às gestantes no município está longe da ideal, devendo ser repensado o processo de trabalho nos dois modelos; investir na sensibilização e educação permanente dos profissionais; implementar institucionalmente protocolo de assistência à gestante; e, buscar alternativas para o início precoce do pré-natal e seguimento pelas gestantes a consultas, exames e procedimentos e ações de promoção à saúde. A atenção pré-natal foi favorável à ESF, contudo deve ser melhorada em seus pontos fracos, como forma de organizar o modelo de atenção e fortalecer a APS.
Abstract Brazilian Health Care System contemplates two models of care: traditional Basic Health Care Units (traditional UBS) and Family Health Strategy Units (ESF). The latter was conceived as a way to reorganize Primary Health Care (APS) in the country, according to the precepts of the Unified Health System (SUS). The achievement of a quality prenatal is protective of unfavorable health outcomes regarding pregnant women and their babies. This study aims to evaluate the process of prenatal care in a city of the Central Region of Rio Grande do Sul, checking for differences in the quality of prenatal care between the two models of care. We used four quality levels: level 1, consisting of the Kessner index, modified by Takeda; level 2, which adds the clinical-obstetric procedures to level 1; level 3, which adds the laboratory tests to level 1; and, level 4, that considers all the above parameters. A cross-sectional study was carried out, from July 2009 to February 2010. Seven hundred and ninety-five mothers were interviewed, mothers within 48 hours after childbirth, attended to at two public hospitals, who made their prenatal in traditional UBS or in ESF. Data collection consisted of a questionnaire administered to postpartum women, analysis of prenatal care and medical records, and was analyzed with descriptive statistics. Quality of prenatal care, according to the modified Kessner index (level 1) was classified as adequate in 58.7% of cases. When comparing prenatal care considering the place where it happened, adequacy was 56.0%, in traditional UBS and 65.0%, in EFS. When other parameters were added to prenatal quality, in addition to the number of appointments, adequacy of prenatal care decreased. Assessment of level 4 showed that 7.3% of women had an adequate prenatal care, 6.0% in traditional UBS and 9.5% in EFS. Pregnant women attended to by ESF received more guidance on breastfeeding, postpartum contraception, puerperium appointment, newborns care, delivery type and HIV guidance. Adequacy of prenatal care was favorable to ESF, with statistical significance at levels 1 and 2. The pregnant women who were attended to in the city had a lower percentage of inadequate prenatal care, considering both models of care, a result which may be due, in part, to the exclusion of pregnant women who had not undergone any prenatal appointment from the sample. Such study is an important asset for management, demonstrating that care for pregnant women in the city is far from ideal and that the process of working should be rethought concerning both models; more investments should take place as regards raising awareness and professionals continuing education; implementing institutional assistance protocols for pregnant women; and, searching for alternatives regarding early prenatal care for pregnant women and follow-up appointments, tests and procedures, as well as actions to promote health. Prenatal care was favorable to ESF. However, it needs to improve on its weaknesses, as a way to organize the model of care and strengthen APS.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/122177
Arquivos Descrição Formato
000780715.pdf (4.468Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.