Digital Repository

A- A A+

Teoria de resposta ao item : aplicação do modelo Rasch em desenvolvimento e validação de instrumentos em saúde mental

DSpace/Manakin Repository

Teoria de resposta ao item : aplicação do modelo Rasch em desenvolvimento e validação de instrumentos em saúde mental

Show full item record

Statistics

Title Teoria de resposta ao item : aplicação do modelo Rasch em desenvolvimento e validação de instrumentos em saúde mental
Author Chachamovich, Eduardo
Advisor Fleck, Marcelo Pio de Almeida
Date 2007
Level Doctorate
Institution Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas: Psiquiatria.
Subject Estudos de validação
Psicometria
Saúde mental
[en] Item response theory
[en] Mental health
[en] Psychometrics
[en] Rasch model
Abstract in Portuguese Introdução: A Teoria de Resposta ao Item constitui-se em um novo grupo de modelos psicométricos de construção, validação e avaliação de instrumentos de aferição em desfechos em saúde. Dentre tais modelos, o Modelo de Rasch se destaca como uma possibilidade de testar a Teoria de Mensuração Conjunta e, portanto, desenvolver escalas de medida com estrutura intervalar. De fato, as robustas estratégias estatísticas utilizadas recentemente demandam que as variáveis apresentem propriedades intervalares para que resultados fidedignos sejam obtidos. Na área da saúde mental, o Modelo de Rasch agrega a possibilidade de que os construtos sejam avaliados quanto à dimensionalidade. Os instrumentos podem ser explorados quanto à invariância dos itens, calibragem, adequação das escalas de resposta e adequação dos itens ao modelo teórico subjacente.Objetivos: Explorar a aplicação do Modelo de Rasch no desenvolvimento de instrumentos de qualidade de vida e atitudes frente ao envelhecimento. Utilizar o Modelo de Rasch na validação cultural de um instrumento de depressão geriátrica, assim como testar a adequação de uma escala de resposta Likert de acordo com o nível educacional, através da aplicação do Modelo de Rasch. Método: Dados internacionais de qualidade de vida, atitudes frente ao envelhecimento e depressão foram utilizados nestes estudos. Os dados são provenientes do Projeto WHOQOL-OLD e AAQ, coordenado pela Organização Mundial de Saúde em 20 países. Uma combinação de Teoria Clássica emPsicometria e Modelo de Rasch foi utilizada para a análise dos dados. O Modelo de Rasch foi implementado através do software RUMM2020. Resultados: A utilização do Modelo de Rasch possibilitou um refinamento dos instrumentos testados, gerando instrumentos com novos formatos mais adequados. No instrumento WHOQOL-OLD, em sua versão em Português, dois domínios dos seis apresentaram interação item-total insuficiente. O remodelamento da escala de resposta e a exclusão de itens de performance inadequada acarretaram melhora da escala. O instrumento Atitudes Frente ao Envelhecimento também necessitou de exclusão de itens e agrupamento de categorias de resposta, em sua versão em Português, para que seu desempenho psicométrico fosse adequado. Em relação ao nível de escolaridade, a análise dos dados gerados pelo instrumento WHOQOL-BREF em uma amostra internacional de idosos por Modelo de Rasch evidenciou que uma escala Likert de cinco pontos não é adequada para sujeitos analfabetos, em oposição aos achados com sujeitos universitários. A escala de depressão geriátrica GDS também foi analisada em uma amostra brasileira. O formato original de 15 itens se mostrou inadequado, e a exclusão de itens é fundamental para que o desempenho deste instrumento seja satisfatório. Por fim, o impacto de sintomas depressivos clínicos e subclínicos na qualidade de vida de idosos foi avaliado. Mesmo níveis subclínicos de depressão mostraram-se significativamente associados a decréscimo de qualidade de vida e atitudes frente ao envelhecimento em uma amostra de 5566 idosos. Conclusão: A aplicação do Modelo de Rasch no desenvolvimento e validação de instrumentos na área da saúde mental mostrou-se marcadamente relevante. Tal modelo proporcionou que as escalas possam ser examinadas em detalhes. A avaliação dos itens de modo individual permite que a sua adequação seja determinada e que o instrumento seja refinado de acordo com as modificações sugeridas pelas análises de Rasch. Por fim, o Modelo de Rasch permite o teste de invariância dos itens, que assume particular importância na utilização transcultural de instrumentos na área da saúde mental.
Abstract Background: Item Response Theory represents a novel group of psychometric models for constructing, validating and evaluating health outcome instruments. Among these models, the Rasch Model is able to test the Theory of Conjoint Measurement and, so, develop intervalar scales. In fact, the recently applied robust statistical strategies demand that the variables have an intervalar structure, so that reliable results are obtained. In the mental health field, the Rasch Model assures that the constructs may be tested for dimensionality. The instruments may be explored regarding item invariance, targetting, response scales adequacy and item fit to the underlying theoretical model. Objectives: To explore the role of the Rasch Model for the development of quality of life and attitudes to aging instruments. In addition, to apply the Rasch Model in the cultural validation of a geriatric depression scale, as well as test the suitability of a 5-point Likert response scale according to the educational level. Method: International data on quality of life, attitudes to aging and depression were analyzed in these studies. Data were drawn from the WHOQOL-OLD and AAQ Project, coordinated by the World Health Organization in 20 countries. A combination of Classical Test Theory and Rasch Model was used to data analysis. The Rasch Model was implemented by RUMM2020 software. Results: The application of the Rasch Model determined a refinement of the original instruments, deriving more adequate versions. The Portuguese version of the WHOQOL-OLD instrument presented insufficient item-total interaction in two domains out of six. Rescoring the response scale and deleting items led to 14 improvement of the instrument. The Attitudes to Aging Questionnaire (Portuguese version) has also demanded rescoring and item deletion in order to present adequate psychometric performance. Regarding the educational level, the Rasch analysis of data obtained using the WHOQOL-BREF in an international sample of older adults indicated that a 5-point Likert scale is not suitable for illiterate subjects. In opositte, this Likert scale is suitable for graduate older adults. The Geriatric Depression Scale was explored in a Brazilian sample. Its original 15-item format has proven to be inadequate, and item exclusion is crucial to obtain a satisfactory performance. Finally, the impact of clinical and subclinical depressive symptoms in quality of life was assessed. Even subthreshold symptomatology is significantly associated to impairments in quality of life and attitudes to aging in a sample of 5566 older adults. Conclusion: The application of the Rasch Model to the development and validation of mental health instruments has proven to be highly relevant. This model brings the possibilty of examining scales in depth. The individual assessment of each item makes it possible to determine item fit and, thus, to refine the instruments according to the alterations claimed by the Rasch analysis. Finally, the Rasch Model implements the item invariance test, which is particularly important for utilizing instruments in transcultural investigations
Type Thesis
URI http://hdl.handle.net/10183/12647
Files Description Format View
000629990.pdf (3.707Mb) Texto completo Adobe PDF View/Open

This item is licensed under a Creative Commons License

This item appears in the following Collection(s)


Show full item record

Browse



  • The author is the owner of the copyrights of the documents available in this repository and is prohibited under the law, the marketing of any kind without prior authorization.
    Graphic design by Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.