Repositório Digital

A- A A+

A abordagem médica centrada na pessoa no processo terapêutico da hipertensão arterial sistêmica e do diabetes mellitus em atenção primária à saúde : fatores associados e qualidade do manejo

.

A abordagem médica centrada na pessoa no processo terapêutico da hipertensão arterial sistêmica e do diabetes mellitus em atenção primária à saúde : fatores associados e qualidade do manejo

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título A abordagem médica centrada na pessoa no processo terapêutico da hipertensão arterial sistêmica e do diabetes mellitus em atenção primária à saúde : fatores associados e qualidade do manejo
Autor Castro, Rodrigo Caprio Leite de
Orientador Knauth, Daniela Riva
Data 2015
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia.
Assunto Assistência centrada no paciente
Atenção primária à saúde
Diabetes mellitus
Hipertensão
Qualidade da assistência à saúde
[en] Diabetes mellitus
[en] Hypertension
[en] Patient-centered care
[en] Primary health care
[en] Quality of health care
Resumo No Brasil, o método clínico centrado na pessoa (MCCP) vem sendo introduzido e estudado, nos últimos anos, principalmente, por médicos atuantes na atenção primária à saúde (APS). Nesse nível de atenção, o manejo da hipertensão arterial sistêmica (HAS) e do diabetes mellitus (DM) são ações programáticas prioritárias, pois são fatores de risco modificáveis para as doenças cardiovasculares, que são a principal causa de morbimortalidade. Desse modo, considerando o MCCP uma importante ferramenta clínica para a atenção em APS, é fundamental estudar se, nesse contexto, a maior orientação a esse método associa-se com a melhor qualidade do manejo da HAS e da DM. O objetivo deste estudo é identificar as variáveis associadas com o grau de orientação ao MCCP, avaliado segundo a percepção do usuário, e investigar a relação deste com a qualidade do manejo da HAS e do DM em APS. Trata-se de estudo transversal, realizado, com pacientes hipertensos e/ou diabéticos e os seus respectivos médicos, nas 12 unidades de um serviço de APS em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, no período compreendido entre novembro de 2013 e novembro de 2014. Incluíram-se os pacientes maiores de 18 anos, inscritos no Programa de Hipertensos e Diabéticos, que tinham duas ou mais consultas realizadas nos últimos dezoito meses com o mesmo médico. As entrevistas foram realizadas logo após a consulta do paciente com o médico, na unidade de saúde, por entrevistadores treinados. Todos os médicos cujos pacientes foram entrevistados também fizeram parte do estudo. Além do questionário aplicado após a consulta, foi aferida a pressão arterial (em duas medidas) e coletada a hemoglobina glicada (HbA1c) dos pacientes diabéticos, em casa, por um laboratório contratado. O grau de orientação ao MCCP foi medido pelo instrumento “Percepção do Paciente sobre o Centramento da Consulta” (PPCC), validado no Brasil. As análises estatísticas foram realizadas com nível de significância de 5%, bicaudal. Os seguintes métodos estatísticos foram aplicados: teste qui-quadrado de Pearson, coeficiente de correlação de Spearman, Teste de Kruskal-Wallis, Teste de Mann-Whitney U e regressão de Poisson com variância robusta, controlada para o efeito de cluster. O aumento da “escolaridade” do paciente (RP 1,04, IC95% 1,02 - 1,06, valor-p<0,001) e do “tempo de acompanhamento com o médico” (RP 1,01, IC95% 1,00 - 1,02, valor-p=0,032) se associaram significativamente com a maior prevalência de baixo escore geral do PPCC (o que corresponde à alta orientação ao MCCP) atribuído aos médicos pelos pacientes por eles atendidos. Por outro lado, as variáveis “mora sozinho” (RP 0,83, IC95% 0,72 - 0,96, valor-p=0,011) e “autopercepção de saúde regular/ruim/muito ruim” (RP 0,88, IC95% 0,77 - 1,00, valor-p=0,041) se associaram com a menor prevalência de orientação à pessoa. Nas análises que buscaram investigar a associação entre a maior orientação à pessoa e a maior proporção de alcance de desfechos, identificou-se que o baixo escore geral do PPCC (o que corresponde à alta orientação ao MCCP) esteve associado com a maior prevalência de aconselhamento de prática de atividade física (RP 1,17, IC95% 1,07 - 1,28, valor-p=0,001), de orientação sobre cuidados com os pés (RP 1,87, IC95% 1,35 - 2,57, valor-p<0,001) e de exame dos pés (RP 2,92, IC95% 1,97 - 4,32, valorp< 0,001), esses dois últimos desfechos medidos em relação aos pacientes diabéticos. No entanto, não se encontrou associação significativa entre a maior orientação ao MCCP e a maior prevalência de controle de pressão arterial sistólica, diastólica e de HbA1c. As variáveis idade do médico (rs -0,24, valor-p<0,001), tempo de formado (rs -0,29, valor-p<0,001), tempo no serviço (rs -0,26, valor-p<0,001) e tempo na unidade (rs -0,21, valor-p<0,001) foram correlacionadas negativamente com a mediana do escore geral do PPCC estimada para cada profissional (o aumento daquelas variou junto com a diminuição da mediana, o que significa maior orientação ao MCCP). Evidenciou-se também que a mediana do escore geral do PPCC calculada para os profissionais do sexo feminino (1,21, IC95% 1,14 - 1,36) foi significativamente menor do que a dos profissionais do sexo masculino (1,29, IC95% 1,21 - 1,36, valor-p<0,001), o que indica maior orientação à pessoa por parte das médicas. Da mesma forma, a mediana do escore geral do PPCC dos que referiram participação em educação continuada a respeito de abordagem centrada na pessoa ou MCCP fora do SSC (1,21, IC95% 1,14 - 1,29) foi significativamente menor do que a dos que não relataram essa participação (1,25, IC95% 1,14 - 1,39, valor-p=0,002). Verificou-se também a mediana do escore geral do PPCC para cada unidade de saúde e encontrou-se diferença significativa na comparação entre elas, demonstrando-se que o contexto em que o médico trabalha exerce influência na sua abordagem. O baixo escore geral do PPCC (o que significa maior orientação ao MCCP) esteve associado com a maior satisfação dos pacientes com aspectos relacionados ao serviço (forma de agendamento [valor-p=0,003] e cordialidade da recepção [valorp= 0,028]) e ao atendimento médico (atenção dada às queixas pelo médico [valor-p=0,012], exame físico do médico [valor-p<0,001], explicações sobre o problema [valor-p=0,001] e explicações sobre o prognóstico [valor-p<0,001]), com a consulta em geral (valor-p=0,023) e com o tratamento da HAS e/ou DM na unidade de saúde (valor-p=0,006). Dessa forma, os resultados deste estudo trazem importantes implicações para a compreensão dos fatores envolvidos com o maior centramento da abordagem na pessoa. Esses achados evidenciam que a maior orientação ao MCCP se associa com a maior prevalência de importantes abordagens clínicas no âmbito do atendimento aos pacientes hipertensos e diabéticos e com a maior satisfação do paciente com a consulta em APS. Contudo, pesquisas posteriores são necessárias, para, principalmente, esclarecer a teia de variáveis, a relação multifatorial que conflui para o controle da pressão arterial e da HbA1c.
Abstract In Brazil, the patient-centered clinical method (PCCM) has been introduced and studied in recent years mainly by primary health care (PHC) doctors. At this level of care, the management of systemic hypertension (SH) and diabetes mellitus (DM) are priority programmatic actions, because they are modifiable risk factors for cardiovascular diseases, which are the main cause of morbimortality. Thus, considering the PCCM as an important clinical tool for PHC, it is essential to study whether, in this context, the stronger orientation towards this method is associated with a better quality of SH and DM management. The aim of this study is to identify the variables associated with the degree of PCCM orientation, evaluated according to the user‟s perception, and to investigate its relationship with the quality of SH and DM management in PHC. It is a cross-sectional study developed with hypertensive and/or diabetic patients and their respective physicians in the 12 health care centers of a PHC service in Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brazil, between November 2013 and November 2014. Patients enrolled in the Hypertension and Diabetes Program who were 18 years old or over and had two or more medical appointments in the last 18 months with the same physician were included. The interviews were accomplished by trained interviewers at the health care center, immediately after the patient‟s appointment with the doctor. All the physicians whose patients were interviewed were also part of the study. Besides the questionnaire applied after the appointment, the blood pressure was checked (in two measures) and the glycated hemoglobin (HbA1c) of the diabetic patients was collected, at home, by a contracted laboratory. The degree of PCCM orientation was measured by means of the “Patient Perception of Patient-Centeredness” (PPPC) tool, validated in Brazil. Statistical analyses were performed with a significance level of de 5%, two-tailed. The following statistical methods were used: Pearson chi-square test, Spearman correlation coefficient, Kruskal-Wallis test, Mann-Whitney U test, and Poisson regression with robust variance, controlled for the cluster effect. The increase of the patient‟s “schooling” (RP 1.04, IC95% 1.02 – 1.06, value-p<0.001) and the “follow-up time with the physician” (RP 1.01, IC95% 1.00 – 1.02, value-p=0.032) were significantly associated with the higher prevalence of PPPC general low score (corresponding to the high PCCM orientation) assigned to the doctors by the patients cared by them. On the other hand, the variables “living alone” (RP 0.83, IC95% 0.72 – 0.96, value-p=0.011) and “regular/poor/very poor health self-perception” (RP 0.88, IC95% 0.77 – 1.00, value-p=0.041) were associated with the lower prevalence of person orientation. In the analyses searching for the association between the higher person orientation and the higher proportion of outcomes achievement, it was identified that the low general score of the PPPC (corresponding to the high PCCM orientation) was associated with the higher prevalence of counseling for the practice of physical activity (RP 1.17, IC95% 1.07 – 1.28, value-p=0.001), of counseling for foot care (RP 1.87, IC95% 1.35 – 2.57, valuep< 0.001), and foot exam (RP 2.92, IC95% 1.97 – 4.32, value-p<0.001), being these two last outcomes measured in diabetic patients. However, no significant association was found between the higher person orientation and the higher prevalence of systolic blood pressure, diastolic blood pressure, and HbA1c control. The variables concerning the physician‟s age (rs -0.24, value-p<0.001), time since graduation (rs -0.29, value-p<0.001), time of work (rs -0.26, value-p<0.001), and time of work in the health care center (rs -0.21, value-p<0.001) were negatively correlated with the median of the general PPPC score, estimated for each provider (the increase of the four previous ones varied with the decrease of the median of the general PPPC score, meaning a higher PCCM orientation). It was also evidenced that the median of the general PPPC score calculated for female providers (1.21, IC95% 1.14 – 1.36) was significantly lower than the one for the male providers (1.29, IC95% 1.21 – 1.36, valuep< 0.001), indicating a higher person orientation by the female doctors. Similarly, the median of the general PPPC score of those referring participation in continuous education about the person-centered approach or PCCM outside of the PHC service (1.21, IC95% 1.14 – 1.29) was significantly lower than the ones who did not report such participation (1.25, IC95% 1.14 – 1.39, value-p=0.002). The median of the general PPPC score was also shown for each health care center and a significant difference was found between them, showing that the context where the physician works has influence on his/her approach. The low general PPPC score (corresponding to the high PCCM orientation) was associated with the higher satisfaction of the patients with aspects related to the service (scheduling mode [valuep= 0.003] and cordiality at the reception [value-p=0.028]) and the medical care (attention paid to the complaints by the doctor [value-p=0.012], physical medical exam [value-p<0.001], explanations about the problem [value-p=0.001] and explanations about the prognosis [valuep< 0.001]), to the appointment in general (value-p=0.023) and to the SH and/or DM treatment at the health care center (value-p=0.006). Thus, the results of this study have important implications for the understanding of the factors involved in the higher centering of the approach on the person. These findings evidence that the higher PCCM orientation is associated with the higher prevalence of important clinical approaches in the scope of the care to hypertensive and diabetic patients, as well as with the patient‟s higher satisfaction with the PHC appointment. However, it is necessary to develop further research, mainly to clarify the web of variables, the multifactorial relationship that converges for the blood pressure and HbA1c control.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/127399
Arquivos Descrição Formato
000973690.pdf (7.445Mb) Texto parcial Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.