Repositório Digital

A- A A+

Perfil de consumo de drogas psicotrópicas e iatrofarmacogenia em instituições de longa permanência para idosos no Brasil : revisão integrativa

.

Perfil de consumo de drogas psicotrópicas e iatrofarmacogenia em instituições de longa permanência para idosos no Brasil : revisão integrativa

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Perfil de consumo de drogas psicotrópicas e iatrofarmacogenia em instituições de longa permanência para idosos no Brasil : revisão integrativa
Autor Lopes, Saylon Wladimir dos Santos
Orientador Paskulin, Lisiane Manganelli Girardi
Data 2015
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem. Curso de Enfermagem.
Assunto Doença iatrogênica
Instituição de longa permanência para idosos
Interações de medicamentos
Psicotrópicos
Uso de medicamentos
Resumo Este estudo é uma revisão integrativa da literatura, de acordo com o referencial proposto por Cooper. Objetivou descrever as evidências disponíveis nos artigos científicos sobre perfil de consumo de drogas psicotrópicas, por idosos, e as possíveis iatrofarmacogenias em instituições de longa permanência (ILPI) no Brasil. Foram selecionados 13 artigos para composição da amostra, oriundos de pesquisas nacionais, publicados no período de janeiro de 2003 a dezembro de 2014, a partir das bases de dados Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), Scientific Electronic Library Online (SciELO) e Base de dados de Enfermagem (BDENF), a partir de oito cruzamentos com os descritores idoso, instituição de longa permanência para idosos, psicotrópicos, interações de medicamentos, doença iatrogênica e uso de medicamentos. A maioria dos artigos (83,3%) eram estudos transversais descritivos. Os achados desta revisão integrativa foram organizados em 6 blocos temáticos. Os resultados evidenciaram que o perfil de consumo de psicotrópicos em ILPIs no Brasil caracteriza-se pelo elevado uso deste tipo de fármaco, variando de 17,5% até 63%. Os psicotrópicos mais consumidos por idosos institucionalizados, conforme o Anatomical Therapeutic Chemical Code (ATCC), foi o grupo dos psicolépticos, seguidos dos psicoanalépticos e antiepiléticos. No que concerne às classes, a mais consumida foi a dos anticonvulsivantes e consecutivamente, os antidepressivos e antipsicóticos. A apuração do número de fármacos contraindicados à faixa etária identificou 11 medicamentos psicotrópicos potencialmente inapropriados para idosos (MPPI). A existência de polifarmácia teve grande variação da prevalência nos estudos, variando de 18,1% a 75,7% de idosos. Os medicamentos envolvidos em eventos de interação tiveram uma variação de 32% a 61,5%. Concluiu-se que o fenômeno de iatrofarmacogenia é recorrente, pois a ocorrência de polifarmácia se associa com as interações medicamentosas e redundâncias farmacológicas, tendo como consequência imediata a manifestação de eventos adversos, que podem ter efeitos danosos e irreversíveis para o idoso. Merece atenção o fato do uso indiscriminado de fármacos, que pode associar-se a uma possível dependência de drogas em idosos institucionalizados, com desfechos negativos para os longevos. Os resultados deste trabalho apoiam a prática segura da farmacoterapia em ILPIs, por enfermeiros, além de servir como alerta para profissionais da área de saúde, sobretudo da enfermagem, sobre inadequações do uso de medicamentos no âmbito de ILPIs.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/129042
Arquivos Descrição Formato
000975965.pdf (905.4Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.