Repositório Digital

A- A A+

Taninos enológicos e goma arábica na composição e qualidade sensorial do vinho Cabernet Sauvignon

.

Taninos enológicos e goma arábica na composição e qualidade sensorial do vinho Cabernet Sauvignon

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Taninos enológicos e goma arábica na composição e qualidade sensorial do vinho Cabernet Sauvignon
Outro título Enological tannins and gum arabic in the composition and sensory quality of cabernet sauvignon wine
Autor Manfroi, Vitor
Orientador Rombaldi, Cesar Valmor
Co-orientador Ferri, Valdecir Carlos
Guerra, Celito Crivellaro
Data 2007
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal de Pelotas. Faculdade de Agronomia. Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia Agroindustrial.
Assunto Antocianina
Enologia
Flavonóide
Proantocianidinas
[en] Anthocyanines
[en] Enology
[en] Flavanols
[en] Flavonoids
[en] Proanthocyanidines
Resumo O trabalho foi conduzido com uvas Cabernet Sauvignon do distrito de Pinto Bandeira, Bento Gonçalves, RS. Essa cultivar se destaca no Brasil pela produção de vinhos tintos de guarda, tendo-se adaptado relativamente bem na Serra Gaúcha. Como outras cultivares tintas, possue, em determinadas safras, dificuldades para obtenção de uma adequada maturação, dificultando a elaboração de vinhos com boa estrutura. Dentre as estratégias adotadas para minimizar esse problema, está a adoção de um adequado manejo do vinhedo e acompanhamento da maturação, aliados a operações enológicas, como controles na maceração e uso de insumos enológicos. Em função desse contexto objetivou-se estudar a aplicação de taninos enológicos e goma arábica para avaliar este uso na composição físico-química e qualidade sensorial do vinho Cabernet Sauvignon. Na safra 2004 foram usados taninos de quebracho e de castanheira, aplicados em três dosagens (5,0 g.hl-1 , 10,0 g.hL-1, 20,0 g.hl-1 ), e em três momentos de aplicação (maceração, 02 dias após o esmagamento; descuba, 08 dias após o esmagamento; após a fermentação malolática, 04 meses após o esmagamento). Na safra 2005 aplicaram-se os taninos de quebracho, de castanheira e de acácia negra, todos na dosagem de 10,0 g.hl-1 , aplicados na maceração. Ainda nessa safra, os vinhos foram tratados com quatro dosagens de goma arábica (0,0 g.L-1 , 1 ,O g.L-1 , 2,0 g.L-1 e 3,0 g.L-1 ) no ato do engarrafamento. Na safra 2006 aplicaram-se os três taninos testados na safra 2005, todos na dosagem de 20,0 g.hl-1 , durante a maceração, e mais um "pool" de quatro taninos (casca de uva, semente de uva, quebracho, carvalho), na dosagem de 10,0 IPT (Índice de Polifenóis Totais), durante a maceração e no vinho estabilizado. Ainda se testaram duas dosagens de goma arábica (0,0 g.L-1 e 3,0 g.L-1 ), aplicadas no momento do engarrafamento. Nos vinhos estabilizados, realizaram-se as análises físico-químicas clássicas, mais características cromáticas e polifenóis, além de uma análise sensorial detalhada. Em função das boas condições meteorológicas apresentadas nas safras estudadas, que levaram à obtenção de uvas de boa qualidade, no que conceme às características físico-químicas clássicas, de modo geral, se verificou que a adição dos taninos teve pouca influência na composição do vinho. Aquelas variáveis que seriam, hipoteticamente, mais influenciáveis, como antocianinas e índices de cor, mostraram, da mesma forma, poucas mudanças significativas. A goma arábica influenciou uma série de características, denotando que sua utilização afeta de maneira mais significativa a composição do vinho. Na análise sensorial, principalmente o perfil aromático dos vinhos foi influenciado pelo uso dos taninos enológicos, especialmente quando aplicados na maceração. Assim, parece ser prudente inferir que o uso associado de taninos de origens diversas, contribuiu de maneira mais efetiva para a qualidade final dos vinhos. A goma arábica, por sua vez, manteve a tendência de influir positivamente na qualidade gustativa dos vinhos, em especial no aumento da maciez e redução da adstringência. Mesmo que parcialmente, em função das diferentes safras, comprovou-se a expectativa que os taninos enológicos contribuem para aumentar a capacidade antioxidante dos vinhos.
Abstract The study was performed with Cabemet Sauvignon grapes from the Pinto Bandeira district, Bento Gonçalves, Rio Grande do Sul, Brazil, a cultivar known throughout the country for the production of cellaring red wine which adapted fairly well to the Serra Gaucha region. Like other red wine vines, there can be obstacles to proper maturation in certain harvests, which can curtail the production of well-structured wines. Among the strategies adopted to minimize the problem are using correct vineyard management and monitoring the maturation process, as well as enological operations such as contrais in maceration and the use of enological inputs. This situation has led to the study of the application of enological tannins and gum arabic to assess their use in the physicochemical composition and sensory properties of Cabernet Sauvignon wine. Quebracho and chestnut tannins were used in the 2004 harvest in three different dosages (5.0 g.hL-1, 10.0 g.hL-1, 20.0 g.hl-1 ) and at three different moments (maceration, 02 days after crushing; devatting, 08 days after crushing; after malolactic fermentation, 04 months after crushing). Quebracho, chestnut and black green-wattle acacia tannins were applied to the 2005 harvest, at 10.0 g.hL-1 dosages, ali during maceration . Wines from the same vintage were also treated with four dosages of gum arabic (0.0 g.L-1 , 1.0 g.L-1 , 2.0 g.L-1 and 3.0 g.L-1 ) at bottling. Three tannins tested on the 2005 harvest were applied to the 2006 one, ali at 20.0 g.hl-1 dosages during maceration, as well as a pool of four tannins (grape skins, grape pips, quebracho, oak) at dosages of 10.0 TPI (Total Polyphenollndex) during maceration and to the stabilized wine. Two gum arabic dosages were also tested (0.0 g.L-1 and 3.0 g.L-1 ), applied at bottling. The classical physicochemical analyses were performed on stabilized wines as well as chromatic characteristics, polyphenols and detailed sensory analysis. Due to the good weather conditions of the vintages studied, which led to the harvest of quality grapes regarding the classical physicochemical characteristics, tannin addition had little overall influence on wine composition. Those variables that would, hypothetically, be the most affected by their addition, such as anthocyanines and colar indexes, did not have significant changes either. Gum arabic influenced several characteristics, which shows that their use has more significant effects on wine composition. In sensory analysis, enological tannins primarily affected the aromatic profile of the wines, especially when applied in the maceration, so it seems safe to inter that the concomitant use of tannins from various origins contributed effectively to the final quality of the wines. Gum arabic, in turn, continued to have a positive effect on the palate of the wines, especially by increasing their softness and decreasing their astringency. The hypothesis that enological tannins contribute to the increase in antioxidant capacity in wines proved correct, even if only partially so due to the different harvests.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/130135
Arquivos Descrição Formato
000612896.pdf (20.82Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.