Repositório Digital

A- A A+

Teoria da Otimidade, Gramática Harmônica e restrições conjuntas

.

Teoria da Otimidade, Gramática Harmônica e restrições conjuntas

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Teoria da Otimidade, Gramática Harmônica e restrições conjuntas
Autor Alves, Ubiratã Kickhöfel
Resumo A Teoria da Otimidade, Standard (PRINCE; SMOLENSKY, 1993) ou Estocástica (BOERSMA; HAYES, 2001), opera sob a noção de dominância estrita. Diferencia-se, nesse aspecto, do modelo teórico da Gramática Harmônica (LEGENDRE; MIYATA; SMOLENSKY, 1990; SMOLENSKY; LEGENDRE, 2006), na qual a avaliação do candidato ótimo considera o caráter cumulativo de todas as violações incorridas por cada um dos candidatos a output. Ao considerarmos tal caráter cumulativo da Gramática Harmônica, questionamos a efetiva necessidade de formação de restrições conjuntas à luz de tal modelo teórico. Frente a tal questionamento, foram realizadas simulações computacionais, através do software Praat (BOERSMA; WEENINK, 2009), à luz dos algoritmos de aprendizagem vinculados aos dois modelos. As respostas fornecidas pelos algoritmos evidenciam que o modelo da Gramática Harmônica consegue convergir em sistemas que só se mostrariam passíveis de aprendizagem, via OT Estocástica, através de restrições conjuntas. Os resultados apontados incitam a discussão a respeito do papel do mecanismo de Conjunção Local sob a Gramática Harmônica, bem como evidenciam a necessidade de uma refl exão acerca das implicações do uso de um ou outro modelo de análise linguística.
Abstract Optimality Theory (OT), in both Standard (PRINCE; SMOLENSKY, 1993) and Stochastic (BOERSMA; HAYES, 2001) versions, operates under Strict Domination. It differs from Harmonic Grammar (LEGENDRE, MIYATA; SMOLENSKY, 1990; SMOLENSKY; LEGENDRE, 2006), in which the choice of the optimal output is based on the cumulative effect obtained from the ranking values of all violated constraints. As we consider the role of this “gang effect” in Harmonic Grammar (HG), we inquire whether conjoined constraints are really necessary under this framework. To answer this question, we ran computer simulations with the OT and HG learning algorithms in Praat (BOERSMA; WEENKINK, 2009). The results provided by the two algorithms show that the HG model is able to converge to systems that would only be achievable, under OT, via conjoined constraints. These results, in turn, motivate a discussion on the role of Local Conjunction in HG, besides shedding light on the debate on the implications of using either OT or HG.
Contido em Alfa : revista de lingüística. Araraquara, SP. Vol. 54, n. 1 (2010), p. 237-263
Assunto Análise lingüística
Gramática Harmônica
Teoria da otimidade
[en] Conjoined Constraints
[en] Harmonic Grammar
[en] Learning algorithms
[en] Local Conjunction
[en] Optimality Theory
Origem Nacional
Tipo Artigo de periódico
URI http://hdl.handle.net/10183/130216
Arquivos Descrição Formato
000751661.pdf (150.6Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.