Repositório Digital

A- A A+

Avaliação da atividade antitumoral de líquidos iônicos imidazólicos em linhagens de glioblastoma humano e glioma de rato

.

Avaliação da atividade antitumoral de líquidos iônicos imidazólicos em linhagens de glioblastoma humano e glioma de rato

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Avaliação da atividade antitumoral de líquidos iônicos imidazólicos em linhagens de glioblastoma humano e glioma de rato
Autor Thomé, Chairini Cássia
Orientador Oliveira, Diogo Losch de
Data 2015
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Ciências Básicas da Saúde. Curso de Biomedicina.
Assunto Ciclo celular
Glioblastoma
Glioma
Líquidos iônicos
Resumo Os Gliomas são tumores primários do Sistema Nervoso Central que representam aproximadamente 80% dos tumores malignos cerebrais. O Glioblastoma é o subtipo mais comum de glioma, sendo o mais agressivo e com alta malignidade. É um tumor heterogêneo, invasivo, com alta taxa proliferativa e alta resistência à quimioterapia, o que faz necessário o desenvolvimento de novas terapias. Os líquidos iônicos imidazólicos, ou sais imidazólicos, são compostos que possuem um anel imidazólico, cujo ponto de fusão se encontra abaixo de 100°C, e que possuem alta estabilidade química e termal. Estes sais são de grande interesse da indústria farmacêutica por possuírem um design flexível, o que possibilita modular suas propriedades químicas, físicas e biológicas a fim de realizar melhoramentos e obter um fármaco com ação mais eficiente. Na literatura, já foi descrito que os sais imidazólicos apresentam atividade antibacteriana e antifúngica. Entretanto, pouco se sabe sobre o efeito desses sais em células tumorais. Estudos anteriores mostraram que alguns sais imidazólicos possuem atividade antitumoral em várias linhagens tumorais, entre elas, linhagens de glioblastoma. Porém, não se sabe de que maneira esses compostos agem sobre as células tumorais. Desta forma, o objetivo do nosso trabalho foi avaliar a atividade antitumoral de sete sais imidazólicos (C4MImCl, C10MImCl, C16MImCL, C16MImMeS, C16MImNTf2, C18MImCl, (C10)2MImCl) na proliferação e crescimento de linhagens de glioblastoma humano (U87-MG, U138 e M059J) e glioma de rato (C6) e avaliar seu possível mecanismo de ação. Como resultado, observamos que, exceto para os compostos C4MImCl e C10MImCl, as concentrações entre 0,125 e 6,0 μg/mL de sais imidazólicos diminuíram o número total de células e a quantidade de células viáveis quando comparadas ao grupo veículo. Além disso, o tratamento com os sais também alterou a morfologia das células tumorais. Nas linhagens C6 e U87-MG os sais induziram parada no ciclo celular, visto que na linhagem M059J não houve alteração neste parâmetro. Na linhagem U138 foi presenciado um deslocamento das células para a fase G2. Com isso, é possível concluir que os sais imidazólicos apresentam atividade antitumoral em linhagens de glioblastoma humano e glioma de rato, porém seu mecanismo de ação varia de acordo com a linhagem utilizada como modelo de estudo.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/130540
Arquivos Descrição Formato
000978665.pdf (1.666Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.