Repositório Digital

A- A A+

Uso de abrigos artificiais para o inventariamento e estudos de autoecologia de anfíbios na Estação Experimental Agronômica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, RS, Brasil

.

Uso de abrigos artificiais para o inventariamento e estudos de autoecologia de anfíbios na Estação Experimental Agronômica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, RS, Brasil

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Uso de abrigos artificiais para o inventariamento e estudos de autoecologia de anfíbios na Estação Experimental Agronômica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, RS, Brasil
Autor Sandoval, Tulassy Devi Rico
Orientador Balestrin, Rafael Lucchesi
Co-orientador Verrastro Viñas, Laura
Data 2015
Nível Especialização
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Biociências. Curso de Especialização em Inventariamento e Monitoramento de Fauna.
Assunto Anfíbios
Ecologia
Resumo Os abrigos artificiais indicam ser um método de amostragem não destrutivo, com baixa manutenção, segurança dos animais e possibilidade de replicação entre outras vantagens oferecidas. Para o monitoramento de anfíbios anuros existem poucos trabalhos realizados que avaliem a eficiência e uso de abrigos artificiais em estudos de campo para o inventariamento deste grupo. Com este fim, foram instalados abrigos artificiais na Estação Agronômica da UFRGS, Município Eldorado do Sul, RS, Brasil. Os abrigos artificiais foram constituídos em módulos, estando cada um destes compostos por diferentes materiais: telhas de fibrocimento, telhas de zinco, madeira compensado cobertos ou não com manta térmica isolante e toras de madeira. Ao todo foram implantados 12 módulos de forma sistematizada (AS) os quais mediram aproximadamente 100 x 80 cm. Os módulos foram avaliados em seus diferentes componentes, bem como em relação a abrigos não sistematizados ou naturais (ANS) já existentes na região em torno dos abrigos sistematizados, tais como árvores, tocas, afloramentos rochosos, vegetação, elementos inseridos por alteração antrópica como, por exemplo, restos de construção e troncos de cercas. Foram realizadas 13 campanhas de quatro dias por mês, avaliando variáveis ambientais, padrão de atividade e uso dos abrigos pelas espécies registradas. No total, foram amostradas 16 espécies de anfíbios anuros, distribuídas em seis famílias, sendo 111 indivíduos nos AS e 62 nos ANS, dos quais Leptodactylus latrans (27) foi à espécie mais abundante nos AS e Scinax fuscovarius (16) nos ANS. Os abrigos sistematizados na EEA/UFRGS foram eficientes na amostragem de anfíbios, em relação às espécies detectadas naturalmente, assim como nas espécies já conhecidas para a área (21 espécies), indicando uma variação ao longo do ano no período de atividade, estando mais inativos nos meses mais frios e mais ativos nos meses mais quentes. Ressaltando também uma maior frequência de ocorrência dos anfíbios nos abrigos sistematizados nas estações de maior e menor temperatura (inverno e verão), assim como em abrigos feitos de materiais como toras de madeira, compensado com manta térmica e sem manta térmica os quais apresentaram melhores resultados na amostragem dos anfíbios.
Tipo Trabalho de conclusão de especialização
URI http://hdl.handle.net/10183/131761
Arquivos Descrição Formato
000981598.pdf (709.4Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.