Repositório Digital

A- A A+

Análise da resistência a antimicrobianos e determinação dos grupos filogenéticos em isolados de Escherichia coli de origem ambiental, humana e animal

.

Análise da resistência a antimicrobianos e determinação dos grupos filogenéticos em isolados de Escherichia coli de origem ambiental, humana e animal

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Análise da resistência a antimicrobianos e determinação dos grupos filogenéticos em isolados de Escherichia coli de origem ambiental, humana e animal
Outro título Analysis of antimicrobial resistance and identification of phylogenetic groups in Escherichia coli isolates of environmental, human and animal origin
Autor Pastore, Ana Paula Winter
Orientador Corção, Gertrudes
Co-orientador Costa, Marisa da
Data 2015
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Ciências Básicas da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Microbiologia Agrícola e do Ambiente.
Assunto Anti-infecciosos
Escherichia coli
Filogenia
Resistência microbiana a medicamentos
Resumo Por sua ubiquidade na matéria fecal, a Escherichia coli é amplamente utilizada como um indicador sanitário, entretanto, a E.coli pode apresentar a capacidade de persistir e se multiplicar em ambientes distintos, fora de seu hábitat primário. A determinação filogenética é ferramenta auxiliar na melhor caracterização destas cepas cosmopolitas. Membros da microbiota comensal, como a E. coli, sofrem pressão seletiva pela exposição a antimicrobianos, resultando no aumento da resistência nestas populações. Pela importância da utilização da E. coli como um indicador sanitário, somada a disseminação de cepas resistentes desta espécie nos diversos ambientes, este estudo visou realizar a determinação filogenética de isolados de E.coli multirresistentes provenientes de amostras ambientais, animais e humanas. A susceptibilidade foi avaliada frente a 15 antimicrobianos, em 157 isolados de E. coli (32 de humanos, 44 de suínos, 34 de aves e 47 do ambiente). A resistência foi maior a ampicilina e tetraciclina (96%), ao sulfametoxazol – trimetoprim (70%) e ao clorafenicol (67,5%), entre todos os isolados. Os isolados de origem animal e humana foram os mais associados a um perfil de multirresistência mais amplo e a produção de ESBL. Na determinação filogenética, baseada no método de Clermont et. al. (2000), os filogrupos B1 (49%) e A (34%) foram os mais prevalentes, tendo D (11%) e B2 (6%) menor representatividade. Os filogrupos A e B1 também foram os mais relacionados a multirresistência. Os resultados indicaram que os isolados deste estudo são associados a microbiota comensal de humanos e animais e que estas populações sofreram exposição a antimicrobianos de amplo espectro. Tal fato pode implicar em alterações destas comunidades microbianas, possibilitando a disseminação de microrganismos potencialmente virulentos em hábitats secundários.
Abstract Due to its ubiquity in fecal matter, Escherichia coli is widely used as a microbiological indicator of fecal contamination. However, E. coli may develop the capacity to persist and multiply in distinct environments, outside of its primary habitat. Phylogenetic identification is an auxiliary tool in the characterization of these cosmopolitan strains. Members of the commensal microbiota, like E. coli suffer selective pressure from exposition to antimicrobials, resulting in resistance increases in these populations. Due to the importance of E. coli as a bioindicator of fecal contamination and to the dissemination of resistant strains of this species in the environment, this work aimed to identify phylogenetic groups in multiresistant isolates of E. coli, from environmental, animal and human samples. The susceptibility was assessed against 15 antimicrobials, in 157 isolates of E. coli (32 from humans, 44 from swines, 34 from birds and 47 from the environment). The resistance was higher to ampicillin and tetracycline (96%), sulfamethoxazole - trimethoprim (70%) and chloramphenicol (67.5%). Isolates of animal and human origin were associated to a wider multiresistance profile and higher ESBLs production. In the phylogenetic identification, based on the method proposed by Clermont et al. (2000), phylogroups B1 (49%) and A (34%) were the majority, while D (11%) and B2 (6%) had less representation. Phylogroups A and B1 had also more significant relation to multiresistance. Results indicated that the isolates in this study were associated to the commensal microbiota of humans and animals and that these populations were exposed to broad-spectrum antimicrobials. This can cause changes in these microbial communities, which may result in the dissemination of potentially virulent organisms in secondary habitats.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/131912
Arquivos Descrição Formato
000980958.pdf (595.2Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.