Repositório Digital

A- A A+

Tango e gênero na obra de María Luisa Carnelli - Buenos Aires (1920-1930)

.

Tango e gênero na obra de María Luisa Carnelli - Buenos Aires (1920-1930)

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Tango e gênero na obra de María Luisa Carnelli - Buenos Aires (1920-1930)
Autor Cunha, Luíza Fischer
Orientador Kerber, Alessander Mario
Data 2015
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Curso de História: Licenciatura.
Assunto Carnelli, María Luisa
Gênero
História da música : Argentina
Mulheres na música
Representações femininas
Tango
Resumo As personagens femininas representadas por homens compositores de tango são bastante conhecidas e já há uma ampla bibliografia que se dedica a analisá-las. Morochas, milongueras e percantas, as prostitutas do centro urbano, bonitas, traiçoeiras e, por vezes, arrependidas, as mães abnegadas que são o modelo de uma antiga moral já parcialmente esquecida e as mulheres dedicadas ao lar e à pátria, são algumas destas personagens típicas das canções argentinas das três primeiras décadas do século XX, período em que o tango obteve reconhecimento nacional e internacional, foi aceito pelas elites portenhas e se afirmou como representação da identidade nacional argentina. No entanto, embora alguns estudos pontuem eventualmente a participação de mulheres na construção e difusão deste símbolo nacional, são poucos os que se dedicam e estudá-las para além dos estereótipos reforçados pelas letras da Época de Ouro. No presente trabalho são expostos os resultados de uma pesquisa cujo foco é compreender as representações de mulheres nas letras de tango sob uma perspectiva de gênero, levando em consideração as relações de poder envolvidas na construção destas representações e no seu uso como símbolo cultural. Para isto foi selecionada para análise a obra da argentina María Luisa Carnelli, autora de diversos livros de prosa e poesia, periodista e letrista de tangos em atividade entre meados da década de 1920 e 1930, período referido neste trabalho. Articulando estas obras com estudos já realizados sobre as representações de mulheres nas letras de tango, em especial os trabalhos de Magali Saikin, Anahí Viladrich, Irene Lópes e Felipe Pigna, poderemos perceber as particularidades da representação e da narrativa construídas por uma escritora de orientação feminista e comunista para uma personagem típica da cena tanguera: a milonguita. Além disto, utilizaremos o exemplo de María Luisa Carnelli para tentar compreender melhor o papel das mulheres no meio intelectual argentino deste período e as questões de representação, memória e gênero, dialogando com as autoras Michelle Perrot, Francine Masielo, Asunción Lavrin e Joan Scott.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/132884
Arquivos Descrição Formato
000984234.pdf (550.8Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.