Repositório Digital

A- A A+

Influência do exercício físico sobre a morfologia dos neurônios do gânglio da raiz dorsal L5 de ratos machos adultos diabéticos

.

Influência do exercício físico sobre a morfologia dos neurônios do gânglio da raiz dorsal L5 de ratos machos adultos diabéticos

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Influência do exercício físico sobre a morfologia dos neurônios do gânglio da raiz dorsal L5 de ratos machos adultos diabéticos
Autor Nascimento, Patrícia Severo do
Orientador Achaval-Elena, Matilde
Co-orientador Schaan, Beatriz D'Agord
Data 2008
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Ciências Básicas da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Neurociências.
Assunto Diabete experimental
Neurônios
Resumo O objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos do treinamento físico em esteira sobre a morfologia dos neurônios do gânglio da raiz dorsal (GRD) L5 de ratos diabéticos induzidos pela estreptozotocina. Ratos machos foram divididos em 4 grupos: grupo controle (C; n = 5; ratos nãodiabéticos), controle treinado (TC; n = 5; ratos não-diabéticos que realizaram exercício físico), diabético (D; n = 5; ratos diabéticos que não realizaram exercício físico) e diabético treinado (TD; n = 5; ratos não-diabéticos que realizaram treinamento físico). O treinamento em esteira foi realizado a partir de um protocolo de treinamento para ratos diabéticos, o qual durou 10 semanas (5dias/semana, duas vezes/dia). A glicemia foi avaliada a cada duas semanas. Então, os animais foram sacrificados e o GRD L5 foi removido. A análise histológica e morfométrica consistiu de uma avaliação dos volumes nucleares e dos somas das células B e A. Os dados da glicemia foram analisados por ANOVA de medidas repetidas,enquanto que os dados dos volumes nucleares e dos somas das células B e A foram analisados por ANOVA de duas vias, com teste post-hoc de Tukey. Os resultados mostraram que os ratos diabéticos, treinados e não-treinados apresentaram valores glicêmicos aumentados quando comparados aos ratos não-diabéticos. O diabetes reduziu o volume do núcleo e do soma das células B e A. No volume nuclear das células A do GRD houve uma interação entre diabetes e exercício físico, e o teste post-hoc mostrou que os ratos diabéticos tiveram o volume nuclear menor que os ratos controles (3630,68 ± 240,36; 2796,24 ± 508,17; 2269,36 ± 221,97; 2915,84 ± 209,67 μm3 para grupo controle, controle treinado, diabético, e diabético treinado respectivamente, P = 0.03). O exercício aumentou o volume nuclear das células A dos ratos diabéticos. Em conclusão, diabetes causou alterações patológicas nas células do GRD, e algumas das quais foram modificadas pelo exercício físico, como evidenciado pela melhora dos padrões morfológicos das células do GRD encontradas no presente estudo. Além disso, o exercício físico foi capaz de aumentar o volume nuclear das células A dos ratos diabéticos.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/13554
Arquivos Descrição Formato
000650365.pdf (2.515Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.