Repositório Digital

A- A A+

Uma voz que ressoa pelas rupturas do corpo: encontros entre os estudos queer e o documentário Paris is Burning

.

Uma voz que ressoa pelas rupturas do corpo: encontros entre os estudos queer e o documentário Paris is Burning

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Uma voz que ressoa pelas rupturas do corpo: encontros entre os estudos queer e o documentário Paris is Burning
Autor Sales, Nicolas Silva de
Orientador Silva, Alexandre Rocha da
Co-orientador Mello, Jamer Guterres de
Data 2015
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação. Curso de Comunicação Social: Habilitação em Jornalismo.
Assunto Paris Is Burning (Filme documentário)
Teoria queer
[en] Documentary cinema
[en] New Queer Cinema
[en] Paris Is Burning
[en] Performativity
[en] Queer theory
Resumo Esta monografia propõe um encontro entre o documentário estadunidense Paris Is Burning (1990), de Jennie Livingston, e os estudos queer. Em um primeiro momento, realiza-se uma recuperação do momento sociocultural no qual o filme é produzido e lançado, dos debates teóricos levantados pela obra e do contexto cinematográfico do New Queer Cinema, movimento do qual Paris Is Burning fez parte. Em seguida, traça-se uma revisão da teoria queer na qual são retomados os conceitos de corpo, performatividade e abjeção, além das problemáticas de representação geradas por sua proposta epistemológica. Por fim, desenvolve-se um aparato metodológico a partir do conceito de "voz" como descrito por Bill Nichols. Então, três discussões que vinculam a teoria queer à forma através da qual Paris Is Burning retrata o mundo histórico são realizadas, as quais partem de sua estrutura, sua composição de planos e sua organização de entrevistas para vincular temáticas de fracasso, incoerência e performatividade ao filme.
Abstract This monograph proposes an encounter between the US documentary Paris Is Burning (1990), directed by Jennie Livingston, and queer theory. Firstly, the sociocultural background in which the movie is produced and release is explored, such as its theoretical debates and the cinematographic context in which emerges New Queer Cinema, a movement from which Paris Is Burning is related. Next, queer theory is revised and concepts such as body, performativity and abjection are explained, as it is the problematic of representation generated by its epistemological purpose. Finally, a metodological apparatus is developed from the concept of "voice" as stated by Bill Nichols enabling that three discussions that link queer theory to the means through which Paris Is Burning portrays the historical world can be evolved. The documentary's structure, shots’ composition and its interview's organization are bind to themes of failure, incoherence and performativity.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/137777
Arquivos Descrição Formato
000988133.pdf (662.9Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.