Repositório Digital

A- A A+

Comparação de dois modelos de treinamento de força na densidade mineral óssea, força muscular, antropometria e lesão muscular em mulheres pré-menopáusicas

.

Comparação de dois modelos de treinamento de força na densidade mineral óssea, força muscular, antropometria e lesão muscular em mulheres pré-menopáusicas

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Comparação de dois modelos de treinamento de força na densidade mineral óssea, força muscular, antropometria e lesão muscular em mulheres pré-menopáusicas
Outro título Comparison of two models of strength training on bone ineral density, muscular strength, anthropometry and muscular damage in premenopausal women
Autor Vanni, Adriane Carla
Orientador Meyer, Flavia
Data 2008
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Educação Física. Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano.
Assunto Creatina quinase
Densitometria
Pré-menopausa
Treinamento de força
[en] Bone densitometry
[en] Creatine kinasis
[en] Muscle soreness
[en] Periodization
[en] Premenopausa
[en] Strength training
Resumo O objetivo geral deste estudo foi avaliar e comparar os efeitos de dois modelos de periodização de treinamento de força na densidade mineral óssea (DMO), na força muscular dinâmica máxima (1-RM) e submáxima (20-RM), parâmetros de lesão muscular e parâmetros antropométricos de mulheres na prémenopausa. Vinte e sete mulheres, sem osteopenia ou osteoporose, foram divididas aleatoriamente em dois grupos experimentais: (1) treinamento de força com periodização linear (GPL – n=14), com intensidades de 18 – 8 repetições máximas (RM); e (2) treinamento de força com periodização ondulada (GPO – n=13), com intensidades de 12 – 8-RM. Ambos os grupos treinaram 3 vezes por semana, durante 28 semanas. O treinamento foi dividido em 4 mesociclos: no 1° mesociclo (primeiras 4 semanas), ambos os grupos executaram 3 séries de 20-RM, em todos os 8 exercícios selecionados, para adaptação. Os parâmetros de lesão muscular, avaliados em vários momentos do treinamento, foram as concentrações sangüíneas de creatina quinase (CK) e a dor muscular tardia (DMT). Os parâmetros antropométricos mensurados foram o somatório de 3 dobras cutâneas (ΣDC) e a perimetria (PE). A análise dos dados, no decorrer do tempo, foi feita, utilizando-se a teoria de modelos mistos para medidas repetidas, e 4 estruturas de matriz de variâncias e covariâncias, usando-se o procedimento MIXED do software estatístico SAS. Para a análise da variável CK, considerando-se os diferentes momentos de coleta, utilizaram-se estruturas de matrizes de variância e covariância do tipo produto direto entre uma matriz sem-estrutura. O teste de Bonferroni foi realizado para o detalhamento dessa análise. A regressão logística foi utilizada para avaliar a variável DMT. Em todas as análises, o nível de significância adotado foi p<0,05. Após 28 semanas de treinamento, não foram mostrados efeitos positivos na DMO para ambos os grupos. Mas foram observados aumentos significativos na força muscular dinâmica máxima e submáxima, em ambos os grupos, sendo que os parâmetros de lesão muscular foram significativamente superiores no 1° mesociclo, em comparação com os outros mesociclos. Os valores basais da concentração de CK (pré) mostraram-se superiores às coletas realizadas 24 horas após a primeira sessão de treinamento de cada mesociclo (pós24h) e 48 horas após a primeira sessão de treinamento de cada mesociclo (pós48h), em todos os mesociclos. Foram mostrados incrementos no PE da coxa distal tanto para o GPL quanto para o GPO. Os resultados deste estudo sugerem que tanto o treinamento de força, com periodização linear, como o treinamento de força, com periodização ondulada, promovem incrementos na força muscular dinâmica e apresentam respostas similares em relação aos parâmetros de lesão muscular analisados. No entanto, nenhum dos modelos de periodização utilizados mostra efeitos positivos na DMO, após 28 semanas de treinamento.
Abstract The general purpose of this study was to evaluate and to compare the effects of two models of strength training periodization on bone mineral density (BMD), on maximal dynamic muscular strength (1-RM) and on the submaximal (20-RM), parameters of muscle damage and anthropometrics parameters of premenopausal women. Twenty-seven women without osteopenia or osteoporosis were randomly divided into two experimental groups: (1) strength training with linear periodization (LPG – n=14) with intensity of 18 – 8 repetition maximum (RM), and (2) strength training with ondulating periodization (OPG – n=13), with intensity of 12 – 8-RM. Both groups treined three times a week for 28 weeks. The training was divided into four mesocycles. In the first mesocycle (the first four weeks), both groups performed 3 sets of 20-RM in every eight selected exercises, in order to adapt for the exercise. The parameters of muscle damage assessed in several moments of the training were blood concentrations of creatine kinasis (CK) and the delayed-onset muscle soreness (DOMS); the measured anthropometrics parameters were the sum of 3 skinfolds (ΣSKF) and the perimeters (PE). The data analysis along the time was performed using the theory of mixed models for repeated measurements and four structures of variances and co-variances matrix, using MIXED procedure from SAS statistical software. For the analysis of variable CK, considering the different moments of collection, the structures of variances and c-variances matrix of the kind of direct product in a non-structured matrix was used. Bonferroni’s test was performed for analysis detailing. The logistic regression was used to evaluate the DOMS variable. In every analysis, the level of significance adopted was p<0,05. After 28 weeks of training BMD did not show positive effects in any of the groups; but significant increasing was observed on maximal and submaximal dynamic muscular strength on both groups and the parameters of muscle damage were significantly higher in the first mesocycle, compared to other mesocycles. The basal values of CK concentrations (pre) were higher than the values taken 24 hours after the first training session of each mesocycle (after24h) and 48 hours after the first training session of each mesocycle (after48h), in every mesocycle. Increasings were showed in PE of the distal thigh as much for LPG and for OPG. The results of this study suggest that both strength training with linear periodization and strength training with ondulating periodization promote an increasing on dynamic muscular strength and present similar responses regarding the parameters of muscle damage analysis. However, none of the periodization models showed positive effects on BMD after 28 weeks of training.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/13802
Arquivos Descrição Formato
000655227.pdf (2.847Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.