Repositório Digital

A- A A+

Análise palinoestratigráfica de depósitos permianos da Bacia do Paraná no sul do estado do Rio Grande do Sul, Brasil : uma nova proposta bioestratigráfica

.

Análise palinoestratigráfica de depósitos permianos da Bacia do Paraná no sul do estado do Rio Grande do Sul, Brasil : uma nova proposta bioestratigráfica

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Análise palinoestratigráfica de depósitos permianos da Bacia do Paraná no sul do estado do Rio Grande do Sul, Brasil : uma nova proposta bioestratigráfica
Autor Mori, Ana Luisa Outa
Orientador Souza, Paulo Alves de
Data 2010
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Geociências. Programa de Pós-Graduação em Geociências.
Assunto Bioestratigrafia
Palinologia
Paraná, Bacia do
[en] Biostratigraphy
[en] Palynology
[en] Paraná Basin
[en] Permian
Resumo As análises palinológicas desenvolvidas no Estado do Rio Grande do Sul estiveram, em sua maioria, relacionadas ao estudo das jazidas de carvão, resultando no reconhecimento de associações palinológicas vinculadas estreitamente às paleoturfeiras. Como resultado, o conhecimento das demais associações palinológicas permianas é menos detalhado, com efeito na compartimentação palinobioestratigráfica da Bacia do Paraná, tornando-se necessário aprimorar os limites das biozonas estabelecidas e compreender o melhor significado da sucessão bioestratigráfica. Esta tese compreende a análise palinológica dos poços HN-05-RS e HN-25-RS e de um afloramento localizados na região de Candiota – Hulha Negra, sul do Rio Grande do Sul. Um total de oito amostras foi coletado no afloramento (formações Rio Bonito e Palermo), enquanto 114 são referentes a amostras de subsuperfície, envolvendo o intervalo entre o Subgrupo Itararé à Formação Rio do Rasto. A análise palinológica permitiu a identificação de 143 espécies, incluindo esporos (64), grãos de pólen (67) e elementos microplanctônicos (12). As características qualitativas e quantitativas das associações recuperadas nos dois poços permitiram a proposição de três zonas de associação, designadas como: (i) Zona Granulatisporites austroamericanus – Vittatina saccata (GV), ocorrente entre o Subgrupo Itararé e topo da Formação Rio Bonito; (ii) Zona Lundbladispora braziliensis – Weylandites lucifer (LW), entre o topo da Formação Rio Bonito/base da Formação Palermo à porção média desta última; e (iii) Zona Thymospora thiesseni – Lueckisporites virkkiae (TL), entre a porção média da Formação Palermo à base da Formação Rio do Rasto. As distribuições dos táxons em cada uma dessas unidades são distintas das amplitudes apresentadas para a Bacia do Paraná em território brasileiro e encontram maiores similaridades com o zoneamento do norte do território uruguaio, de idades coevas. Na Bacia do Paraná, as zonas GV e LW são correlatas, grosso modo, à Zona V. costabilis, enquanto a Zona TL é correspondente à Zona L. virkkiae, ainda que divergências nos táxons tenham sido observadas. Por outro lado, as zonas GV, LW e TL são muito semelhantes às zonas estabelecidas no Uruguai, Cristatisporites inconstans – Vittatina subsaccata, de Intervalo de Lundbladispora e Striatoabieites anaverrucosus – Staurosaccites cordubensis, respectivamente, ainda inéditas. Adicionalmente, uma nova idade radiométrica foi obtida para a Formação Rio Bonito no afloramento estudado, onde foram reconhecidas as zonas de idade permiana V. costabilis (níveis C1 a C3, relativos ao topo da Formação iii Rio Bonito) e L. virrkiae (C4 a C8, correspondentes ao topo da Formação Rio Bonito à base da Formação Palermo). A idade de 281,4 ± 3,4 Ma é interpretada como a base da Zona Lueckisporites ou topo da Zona GV, conforme o conteúdo palinológico nas camadas acima e abaixo do nível de tonstein utilizado na datação. Ao confrontar esta datação absoluta com outras selecionadas para a bacia, o posicionamento das biozonas é proposto como segue: (i) Zona Granulatisporites austroamericanus – Vittatina saccata, entre o Asseliano à porção média do Artinskiano; (ii) Zona Lundbladispora braziliensis – Weylandites lucifer, Artinskiano Médio; e (iii) Zona Thymospora thiesseni – Lueckisporites virkkiae, datada como Artinskiano Médio/Superior ao Wordiano.
Abstract Mostly of the palynological analysis carried out in Rio Grande do Sul State is related to the study of the coal seams, which resulted in the recognition of palynological associations closely linked to swampy paleoenvironments. As result, other Permian palynogical associations are poorly defined, affecting the palynostratigraphic scheme developed to the Paraná Basin, which implies in necessities on improvement of the limits of those biozones and the better understanding on the meaning of the biostratigraphical succession. This thesis involves palynological studies on the HN-05-RS and HN-25-RS boreholes and one outcrop all located in Candiota – Hulha Negra region, southern Rio Grande do Sul. Eight samples was collected in the ouctcrop (corresponding to Rio Bonito and Palermo formations), while 114 samples corresponds to subsurface, related to the interval between the Itararé Subgroup and Rio do Rasto Formation. The palynological analysis allowed the recognition of 143 species among spores (64), pollen grains (67) and microplanktonic elements (12). The quantitative and qualitative aspects of the recovered associations in the boreholes enable the proposition of three association biozones, designated as: (i) Granulatisporites austroamericanus - Vittatina saccata Zone (GV), occurring between the Itararé Subgroup and topmost deposits of the Rio Bonito Formation, (ii) Lundbladispora braziliensis - Weylandites lucifer Zone (LW), from the top of Rio Bonito/base of the Palermo Formation to the middle portion of this last unit, and (iii) Thymospora thiesseni - Lueckisporites virkkiae Zone (TL), which occurs between the middle portion of Palermo-Formation to the base of Rio do Rasto Formation. The distribution of some taxa in each of these units are distinct from the know ranges presented to the Paraná Basin in the brazilian portion, and record more similarities with the biozone of northern Uruguay, of coeval ages. In the Paraná Basin, the GV and LW zones are roughly correlated to Zone V. costabilis, while the TL Zone corresponds to the L. virkkiae Zone, although differences in the taxa have been observed. Otherwise, the GV, LW and TL zones are very similar to the Uruguayan biozones, such as Cristatisporites inconstans - Vittatina subsaccata, Interval of Lundbladispora and Striatoabieites anaverrucosus - Staurosaccites cordubensis, respectively, although these are still unpublished. Moreover, a new radiometric age was obtained for the Rio Bonito Formation in the outcrop studied, in which was recognized the Permian biozones V. costabilis Zone ( C1-C3 levels, related to the topmost deposits of the Rio Bonito Formation) and L. virkkiae Zone (C4-C8 levels, between the topmost v Rio Bonito Formation and basal portion of the Palermo Formation). The age of 281.4 ± 3.4 Ma is interpreted as the base of Lueckisporites Zone or top of the GV Zone, according to the palynogical content related to the nearest layers of the tonstein used on the dating. Comparing this new absolute age with other selected datings for the basin, the positioning of biozones is proposed as follows: (i) Granulatisporites austroamericanus - Vittatina saccata Zone between the Middle Asselian to the Artinskian, (ii) Lundbladispora braziliensis - Weylandites lucifer Zone, Middle Artinskian, and (iii) Thymospora thiessen - Lueckisporites virkkiae Zone as Middle/Upper Artinskian to Wordian.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/138207
Arquivos Descrição Formato
000769139.pdf (18.31Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.