Repositório Digital

A- A A+

A influência da história familiar de hipertensão sobre a associação entre a excreção urinária noturna de sódio e a pressão arterial em uma amostra populacional de adultos jovens

.

A influência da história familiar de hipertensão sobre a associação entre a excreção urinária noturna de sódio e a pressão arterial em uma amostra populacional de adultos jovens

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título A influência da história familiar de hipertensão sobre a associação entre a excreção urinária noturna de sódio e a pressão arterial em uma amostra populacional de adultos jovens
Autor Moraes, Renan Stoll
Orientador Fuchs, Flávio Danni
Data 1994
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Clínica Médica.
Assunto Doenças genéticas inatas
Hipertensão : Genética
Urina : Analise
Resumo Natureza do problema A patogênese da Hipertensão Arterial Sistêmica essencial, um dos principais fatores de risco para doenças atero-trombóticas, é multifatorial, dependendo da interação entre predisposição genética e fatores ambientais. O cloreto de sódio parece ser o mais importante desencadeante ambiental. Os estudos observacionais apontam para uma associação positiva entre consumo de sal e prevalência de HAS entre diferentes sociedades. Dentro de uma mesma sociedade, porém, sua intensidade é menor. Uma das explicações para esta constatação é a existência de indivíduos muito sensíveis ao sal e outros, resistentes, fazendo com que a correlação dependa, principalmente, dos primeiros. Tal característica parece ter uma forte predisposição familiar. Objetivo Investigar a influência da predisposição familiar para hipertensão sobre a associação entre excreção urinária de sódio e pressão arterial, em uma amostra populacional de adultos jovens. Métodos Modelo geral de Investigação: estudo observacional, analítico e de delineamento transversal. Amostra: a amostragem, com base populacional, foi aleatória e deu-se por estágios múltiplos e por conglomerados. Aferição das variáveis: coletaram-se os dados em visita domiciliar. Foi aplicado um questionário que continha questões referentes a dados pessoais, sacio-econômicos, história familiar de hipertensão, uso de medicanlentos, exposição ao fumo e álcool, entre outras. A determinação da história familiar foi feita através da informação direta do entrevistado ou fornecidas pelos outros familiares ou moradores entrevistados no domicílio. Aferiram-se parâmetros antropométricos e a pressão arterial com manômetros aneróides, periodicamente calibrados contra mercúriais. A média de duas aferições foi utilizada nas análises. Coletou-se urina noturna (12 horas) no domicílio dos entrevistados. A análise bioquímica foi feita pelo método de fotometria de chama para o sódio e potássio. Determinou-se a calciúria pelo método de Q-cresoftaleína complexano, sem desproteinização, na automação Cobas Mira. Análise estatística: utilizou-se estatística descritiva pertinente natureza dos dados. As hipóteses bivariadas foram testadas por Qui-quadrado, ANOVA, correlação de Pearson e teste T de Student. Para controle de vieses de confusão das associações em teste, empregou-se análise de covariância. Resultados De um total de 432 indivíduos elegíveis, 398 (92,1°1<» foram entrevistados. Entre os 398 que coletaram a urina, 163 tinham menos do que 35 anos. Destes, foram excluídos 6 pela invalidação dos parâmetros urinários, resultando em 157 indivíduos. Vinte e sete deles (17,2°/Ó) tinham ambos os pais, ou um pai e um irmão, hipertensos, sendo então caracterizados como o grupo de predisposição familiar forte. Os 130 restantes (82,8%) constituíram o grupo de predisposição familiar não-forte. As análises de correlação entre excreção urinária noturna de sódio e a pressão arterial, estratificando-se para a história familiar, mostraram uma correlação significativa entre os níveis pressóricos e a excreção urinária nos fortemente predispostos. Conclusões Os presentes achados demonstram que a associação entre a excreção urinária de sódio e a pressão arterial , em adultos jovens, é influenciada pela predisposição familiar para hipertensão. A associação é forte, somente, nos indivíduos predispostos para hipertensão. Esse achado, anteriormente demonstrado em modelos experimentais, foi aqui detectado em indivíduos vivendo sob condições usuais. O fato de se terem estudado valores de pressão arterial e de excreção urinária de sódio, obtidos com proximidade temporal, reforça a idéia de que a associação é instantânea. A fraca correlação observada em alguns estudos populacionais intra-sociedades pode ser explicada por esse fato, em adição predisposição familiar para hipertensão.
Abstract Background The pathogenesis of essential hypertension, one of the most important risk factor for atherotrombotic diseases, is multifactorial, depending on the interaction between genetic and environmental factors. Sodium chloride stands out among the environmental determinants. The association between sodium intake and blood pressure has been investigated through several models. In cross-sectional surveys, conducted among different countries, it has been demonstrated a positive association between sodium intake and prevalence of hypertension. Otherwise, the association is weaker when explored among individuais living in the same society. A variation on the salt sensitivity across their inhabitants is an explanation for the difference in the intensity of the association. It would depend, mainly, trom the salt-sensitive individuais, an inheritable attribute. Objective To investigate the influence of the familial predisposition to hypertension on the association between blood pressure and urinary output of sodium in a probabilistic population sample of young adults. Methods Study design: observational, analytical, cross-sectional. Sampling: multiple stage, population-based, randomized cluster sampling. Variables: they were collected at domicile. The questionnaire asked about demografic, and socioeconomic characteristics, familial predisposition to hypertension, exposition to alcohol and smoke, gyneco-obstetric hist~:>rY, and use of medicines. When possible, the familial predisposition to hypertension was checked with the relatives living in the house. Anthropometric variables were measured in a standardized way. Sitting blood pressure was detemined with aneroid sphygmomanometers, periodically calibrated against mercury manometers. The average of two determinations was used in the analysis. Overnight urine was collected at home with detailed written instructions. Sodium and potassium concentrations were determined through flame spectrophotometry. Calcium was measured by the O-cresoftalein method (Cobas Mira automatized device). Statistical analysis: comparisons across the groups were performed by Chi-square statistics (categorical variables) and Student t-test or ANOVA (continous variables). Pearson's correlation coefficient was used to test the association between sodium excretion and blood pressure acording to the family predisposition to hypertension. Covariance was used to control for potential biases of the associations of interest. Results From a total of 432 eligible individuais, 389 (92.1 %) were interwied. Of these, 40.9°1Ó were younger than 35 years old. Six were excluded because the amount of urine was less than 100 ml. A total of 157 persons constitute the final sampling. Twentyseven individuais (17.20/0), who had two first degree relatives with hypertension, were included in the strong familial predisposition group. The remaining constituted the group with not-stron9 familial predisposition to hypertension. The Pearson's correlation coefficient between sodium excretion and systolic and diastolic blood pressure were statistically significant only in the strong predisposition group. Conclusions It was demonstrated that the familial predisposition to hypertension influences the association between urinary sodium excretion and blood pressure leveis. This association is strong only in individuais predisposed to hypertension. This finding, previously demonstrated in experimental models, was detected in individuais living under usual conditions. The proximity between blood pressure determination and urinary sampling utilized in this investigation strengthens the ides that the association between sodium intake and blood pressure is instantaneous. This is an additional explanation to the influence of familial predisposition to hypertension for the weak correlation observed in within society studies.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/139237
Arquivos Descrição Formato
000061711.pdf (4.806Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.