Repositório Digital

A- A A+

Transplante alogênico de medula óssea x terapia de consolidação com quimioterapia em pacientes portadores de leucemia mielóide aguda de risco intermediário em 1ª remissão completa

.

Transplante alogênico de medula óssea x terapia de consolidação com quimioterapia em pacientes portadores de leucemia mielóide aguda de risco intermediário em 1ª remissão completa

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Transplante alogênico de medula óssea x terapia de consolidação com quimioterapia em pacientes portadores de leucemia mielóide aguda de risco intermediário em 1ª remissão completa
Autor Furlanetto, Marina de Almeida
Orientador Silla, Lucia Mariano da Rocha
Data 2015
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas.
Assunto Indução de remissão
Leucemia mielóide aguda
Transplante de células-tronco hematopoéticas
[en] Acute myeloid leukemia
[en] Allogeneic hematopoietic stem cell transplantation
[en] First complete remission
[en] Intermedite-risk acute myeloid leukemia
Resumo Introdução: O Transplante Alogênico de Célula Tronco Hematopoiética (TCTH alogênico) é um procedimento de alto potencial curativo para a Leucemia Mielóide Aguda (LMA), principalmente pelo efeito “graft versus leukemia” (GVL), que leva a redução do risco de recaída. Atualmente, os pacientes com LMA de risco intermediário são submetidos ao procedimento caso possuam doador aparentado. Pacientes sem doador aparentado disponível são submetidos a tratamento de consolidação com quimioterapia, com maior chance de recaída da doença. Acredita-se que os pacientes submetidos ao TCTH tenham maiores sobrevida global e livre de doença, a despeito das altas taxas de morbimortalidade. A classificação de risco é extremamente importante para escolha terapêutica pós remissão. Assim, a realização da pesquisa de marcadores moleculares, para refinar a estratificação prognóstica, tem importância especial no grupo de risco intermediário, complementando a avaliação citogenética, e auxiliando na decisão terapêutica, sendo cada vez mais necessária, apesar de não disponível em todos os centros. Material e métodos: Foram avaliados os pacientes com LMA de risco intermediário em primeira Remissão Completa (1RC) do Serviço de Hematologia e TCTH do Hospital de Clínicas de Porto Alegre do período de 01 de abril de 1999 a 01 de outubro de 2014, com pelo menos 1 ano de seguimento após o tratamento, através de revisão de prontuários. Os dados foram dispostos no programa Excel e posteriormente exportados para o programa SPSS v. 18.0 para análise estatística. Resultados: Foram avaliados 69 pacientes, sendo 45 pacientes submetidos a consolidação com quimioterapia (“QT”) e 24 submetidos a TCTH Alogênico (“TCTH Alogênico”). A média de idade do grupo “QT” foi de 47,8 anos e do grupo “TCTH Alogênico” foi de 35,5 anos, com diferença estatisticamente significativa (P<0,001). Não houve diferença na distribuição entre o sexo. A mediana de tempo de seguimento do grupo “QT” foi de 1,1 anos (intervalo interquartil de 0,4 a 2,5 ) e no grupo “TCTH Alogênico” foi de 2,7 anos (intervalo interquartil de 0,4 a 5,5), sem diferença estatisticamente significativa na distribuição dos tempos de seguimento entre os grupos (P=0,236). A sobrevida do grupo “QT” em 12 meses foi de 52,3% e no grupo “TCTH Alogênico” foi de 62,5%. Aos 24 meses, a sobrevida do grupo “QT” foi de 31,7% e no grupo “TCTH Alogênico” foi de 58,3% e em 5 anos de 21,1% e 53,8%, respectivamente. O teste do Long-Rank aponta uma diferença estatisticamente significativa nas sobrevidas entre os grupos após 5 anos, com Hazard Ratio (HR) para óbito de 2,2 (IC 95%: 1,1-4,2), P=0,027, porém ao ajustarmos a relação pela idade esta associação perde significância estatística (HR:1,6 IC95%:1 - 1,1; P=0,246) Discussão: Os dados evidenciaram melhor sobrevida no grupo submetido à TCTH alogênico, porém o grupo submetido ao procedimento apresentava média de idade menor. No entanto, apesar da perda da significância estatística, o HR corrigido para idade permanece maior para o grupo sem TCTH, o que pode dever-se ao “n” pequeno da amostra. Identificar quais pacientes terão benefício com TCTH torna-se cada vez mais um desafio. O uso de marcadores moleculares são importantes no refinamento da estratificação de risco do grupo de risco intermediário, podendo auxiliar nessa decisão. Além disso, com o advento da possibilidade de condicionamentos não mieloablativos como alternativa aos pacientes mais velhos e com escore de comorbidades pior e a melhor terapia de suporte, talvez possamos ser menos conservadores na indicação desse procedimento, identificando assim aqueles que poderão obter melhores resultados no tratamento de uma doença tão agressiva e grave.
Abstract Background: Allogeneic Hematopoietic Stem Cell Transplantation (allo-HSCT) is a high potentially curative procedure to Acute Myeloid Leukemia (AML), mainly by the “graft-versus-leukemia” (GVL) effect, which leads to reduced risk of relapse. Nowadays, intermediate risk AML patients are submitted to this procedure if a matched sibling donor is available. Patients without a sibling donor are submitted to consolidation with chemotherapy, with a greater chance of relapse. It is believed that patients submitted to allo-HSCT have a greater overall survival and disease-free survival, even though it presents high morbidity and mortality rates. Risk stratification is extremely important to post-remission treatment choice. Molecular markers research is especially important in intermediate risk group, complementing cytogenetic evaluation to a better prognostic stratification and, although it is still not available in all health centers, it is more and more necessary. Materials and Methods: We evaluated intermediate risk AML patients in first Complete Remission (CR1) at the Hematology Service and Bone Marrow Transplantation from Hospital de Clínicas de Porto Alegre from April 1st 1999 to October 1st 2014, and which had, at least, a one year follow-up after treatment, by conducting a medical record review. Data was inserted in Microsoft Excel 2010 spreadsheets and after exported to SPSS v. 18.0 to statistical analysis. Results: Among the 69 patients analyzed, 45 were submitted to consolidation with chemotherapy (Intermediate risk AML – non allo-HSCT) and 24 of then submitted to allo-HSCT (Intermediate risk AML – allo-HSCT). The average age of Intermediate risk AML – non allo-HSCT was 47.8 years old and Intermediate risk AML – allo-HSCT was 35.5 years old, with statistically significance difference (P<0,001). There was no difference regard sex of patients. The median follow-up in the Intermediate risk AML – non allo-HSCT was 1.1 years (interquartile rage of 0.4 to 2.5) and in the Intermediate risk AML – allo-HSCT was 2.7 years (interquartile rage of 0.4 to 5.5), with no statistically significance difference in follow-up time distribution between groups (P=0.236). Intermediate risk AML – non allo-HSCT survival in 12 months was 52.3% and in the Intermediate risk AML – allo-HSCT was 62.5%. In 24 months, Intermediate risk AML – non allo-HSCT survival was 31.7% and in Intermediate risk AML – allo HSCT survival was 58.3% and in 5 years it was 21.1% and 53.8% respectively. Long- Rank test indicates a statistically significant difference in survival between groups after 5 years, with hazard ratio (HR) for death of 2.2 (IC95% 1.1 – 4.2), P=0.027, but when we adjust the relation to age, this association loses statistical significance (HR:1.6 95%CI: 1 – 1.1; P=0.246). Discussion: Data showed a better survival rate to the group submitted to allo-HSCT, but the group presented a lower average age. However, despite de loss of statistical significance, Hazard Ratio (HR), adjusted to age remains higher to the non allo-HSCT group. It can be explained by the small number of the sample. Identifying which patients will benefit from allo-HSCT becomes increasingly challenging. The use of molecular markers are important in the refinement of risk stratification in intermediate risk group, assisting in the decision. Moreover, with the advent of the possibility of nonmyeloablative conditioning as an alternative to older patients and with worst rates of comorbidity, and the better supporting therapy, we may be less conservative in indicating this procedure, identifying the patients who may obtain better results during treatment of such aggressive and serious disease.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/139791
Arquivos Descrição Formato
000990198.pdf (569.5Kb) Texto parcial Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.